Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

MENU

ESTORIL out of GATE

helderrod 29 Mai 17

Com a anuência do senhor PR, está encerrada com chave de ouro a temporada mais suja do futebol português nos últimos 40 anos. Uma vergonha, um embuste, um exemplo que jamais deverá ser repetido!

18765567_10207924860114005_778887110955370718_n.jp

 

 

 

 

P.S. ESCLARECIMENTO: Para os mais desatentos, um TRIPLETE é um feito desportivo consubstanciado por uma vitória no campeonato nacional, uma vitória da taça do país e uma vitória numa final internacional na mesma época. Isso aconteceu com Mourinho na vitória da Taça Uefa, Campeonato e Taça de Portugal em 2003 e com Andé Villas Boas, quando o Futebol Clube do Porto venceu a Liga Europa, a Taça de Portugal e o Campeonato Nacional com mais de duas dezenas de pontos de avanço em 2011.

Não adianta enganar as pessoas, porque a propaganda encarnada tem os dias contados! 

 

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

 

 

Hoje temos tetra com dobradinha

Eduardo Louro 28 Mai 17

Benfica conquista Taça de Portugal

 

Aí está a dobradinha, a décima primeira, a abrihantar o tetra. Depois do 36, aí está a 26!

A final da Taça foi a festa do costume. Nem a chuva a estragou, porque não há festa como esta, chova ou faça sol.

A chuva, que caiu copiosamente durante a maior parte do jogo, não estragou a festa. Mas não ajudou nada no jogo. Foi notório, em especial na primeira parte, que precisava de ajuda para se tornar mais interessante e  mais agradável de ver. Pela chuva, certamente, mas também por outras razões, a primeira parte foi assim para o fracote. Com muitas interrupções, muitas faltas, empurrado pelos  jogadores do Vitória para uma dimensão muito física.

A lesão de Fejsa, obrigando-o a abandonar o relvado logo aos vinte minutos, foi a primeira consequência desse caminho que o jogo tomou. Receou-se que pudesse marcar o resto de jogo, e pelo menos acabou por  marcar o resto da primeira parte. Onde o Benfica teve mais bola e  produziu mais jogo, mas não deixava uma ideia de grande superioridade.

A segunda parte foi bem diferente. O jogo subiu de qualidade, muito por efeito da chegada de Jonas ao jogo. Com uma entrada forte, e com Jonas a fazer o que faz como mais ninguém - não merecia que a trave lhe roubasse aquele golo - , o Benfica virou o jogo do avesso. Fez o primeiro golo logo aos dois minutos, e o segundo aos sete. Aos dois golos em cinco minutos, sucedeu-se mais uma série de oportunidades nos seguintes. O Benfica tinha o domínio e o controlo do jogo, e já só faltava acrescentar golos ao resultado. Mas a bola teimava em não voltar a entrar, mesmo quando já a víamos dentro da baliza. O espectro da goleada do jogo do tetra pairou no Jamor, mas o  2-0 manteve-se, teimoso. E mentiroso.

Mais mentiroso ficou quando, a uma dúzia de minutos do fim, num canto, o Vitória marcou. Nos doze - mais os quatro de compensação - que se seguiram, oportunidades de golo, só para o Benfica. Mais três, ainda, fazendo com que o resultado tenha acabado por ser  ainda mais mentiroso que o video árbitro. 

O problema não está no vídeo, esse funciona. O problema está - e lá continua - no árbitro. O video mostrou dois penaltis, mas o árbitro não os viu. Então aquele aos 55 minutos.... O  árbitro (Hugo Miguel), depois de estar em comunicação com o video árbitro, mandou seguir o jogo.

Parece que a verdade desportiva pode esperar. O corporativismo é que não. E sabe-se que Portugal tem fortes tradições corporativas.

Mas isso agora não interessa nada. O que interessa é que, mesmo assim, o Benfica fechou a época em beleza. Tetra com dobradinha, sabe ainda melhor. E o grande capitão já igualou o mais titulado jogador do Benfica. Ninguém ganhou mais que Luisão e Nené: 19 títulos. É obra!

Contas feitas

Eduardo Louro 22 Mai 17

Resultado de imagem para benfica 36

 

Jogaram-se os últimos jogos do campeonato, e fizeram-se as últimas contas, soberanas como sempre, que ditaram as últimas decisões. Com as contas do título arrumadas há uma semana, bem como as da primeira despromoção, e as do último apurado para a Liga Europa, fechadas no sábado, já só restava saber quem acompanharia o Nacional, da Madeira, na viagem para a segunda Liga.

As contas faziam-se entre o Moreirense e o Tondela. Ambos fizeram pela vida, ganhando os seus jogos, e claramente. O Tondela ao Braga, e o Moreirense ao Porto. Por isso acabou por cair o Arouca (quem diria, Lito Vidigal?), que perdeu no Estoril.

Mas é a vitória do Moreirense que tem História. Marcou o primeiro golo ainda bem cedo, à pasagem do minuto 16. Vinte minutos antes da passagem de um drone, com o número 36 do minuto 36 quando, das bancadas, já com as gargantas bem aquecidas com aquela coisa que gostam de chamar a certas mães, se ouvia um cântico qualquer com um desejo qualquer. "Quem me dera"...Subitamente interrompido pelo segundo golo do Moreirense. 

Isso mesmo. Um golo calou, o que, pelos vistos, ninguém se preocupa em calar. Como se percebeu na Sport TV... 

Mas o resultado não ficou por aqui. O Benfica tinha empatado a dois golos, na festa, no Porto. À entrada para a última jornada, Benfica e Porto tinham exactamente o mesmo número de golos marcados e sofridos. Estavam empatados nas contas do melhor ataque, com 70 golos marcados, e da melhor defesa, com 16 golos sofridos. Quer dizer, o resultado perfeito era mesmo 3-1. 

O Moreirense não se limitou a ganhar para assegurar a permanência. O Moreirense, de Petit, calou um cântico vergonhoso que mais ninguém cala. E só parou no resultado perfeito. Sim, porque o que é perfeito, é, no fim, quando se fazem as contas, o campeão ficar com o melhor ataque e com a melhor defesa

 

Há males que vêm por bem

helderrod 22 Mai 17

Pronto. Chegámos ao fim de mais um campeonato e com ele a segunda derrota no mesmo, num jogo em que o FC Porto volta a sofrer mais do que um golo nesta competição. 

Importa agora entender em jeito de balanço que, mesmo ganhando, este Porto de Nuno Espírito Santo poderia apenas ter igualado a pontuação do ano anterior. 

Não obstante as circunstâncias específicas deste campeonato, é necessário perceber o insucesso do trabalho desenvolvido pela presente equipa técnica. Essa carência de praticidade e, se quiserdes, de qualidade efectiva deixou-nos sempre longe do primeiro lugar. 

Fui dizendo aqui que não adianta andarmos para a frente se passarmos a vida a olhar para trás. Cai por terra a ideia repisada dos desenhos e do discurso monocórdico e passivo. Entende-se no presente momento que a oportunidade apresentada ao percussor do Somos Porto esfumou-se. 

Com efeito, o Somos Porto foram apenas duas palavras que perderam o seu sentido a cada jornada que íamos passando. Aqui no Porto dizemos muitas vezes "menos paleio e mais acção" e, na realidade, faltou muita acutilância nos jogos em casa.

Desde as opções iniciais com impedimentos ambíguos, às trapalhadas no miolo do campo e na típica substituição aos 65 minutos, a maioria dos portistas foi percebendo que ainda não seria este o ano da mudança. Urge sangue novo na casa do Dragão. Gente mais irreverente, mais cáustica até, cuja energia se paute pela capacidade técnica e competência. Pedimos que não nos percamos em lirismos, exigimos a simplicidade e o inconformismo doutras primaveras.

O futebol é demasiado concreto para estarmos constantemente a abstraí-lo. Aguarda-se uma resposta cabal no curto prazo. Uma resposta assertiva e inequívoca. A ver vamos. Desejo todas as felicidades do mundo ao NES, com a esperança que esse futuro não passe pelo Dragão. 

Todavia, para lá desta parca competência em momentos-chave do campeonato, seria preciso um FC Porto muito forte para contrariar a imensurável trafulhice inquinada neste campeonato. 

O vencedor teve pouco brilho. Este campeonato foi coisa muito feia. Inúmeras condicionantes foram empurrando a ansiedade para se dar um tetra já pouco inédito na História do futebol português.

A máquina propagandística da Luz continua a carborar a alta velocidade. São capazes de tudo para ludibriar a boa gente. Custa muito ver estes unanimismos nas TV, nos jornais e na rádio que visaram sempre normalizar a grande quantidade de actos injustos em campo e nos bastidores.

Veja-se agora a colagem do slb à Sic publicitando a proximidade encarnada perante o Vídeo Árbitro.

Não deixa de ser risível esta hipocrisia na véspera de uma final onde os encarnados nem sequer mereciam o direito à presença na mesma. Recorde-se o fora de jogo visto por todos a olho nu no campo do Estoril e da inacreditável anuência da equipa de arbitragem.

É o culminar de um verdadeiro embuste, digno da mais reboscada manobra de diversão de uma série de ocorrências só credibilizadas por um povo benfiquista sedento de vitórias.

Aliás é perceptível o complexo de inferioridade relativamente ao grande FC Porto. Não adianta quererem iludir a verdade. A verdade de um triplete é a conquista do campeonato, da taça do país e de um título internacional e não o embuste que quiseram impingir ao zé povinho, quando deturparam a essência da coisa.

Como cidadão, custa ver como em pleno século XXI é possível ver a forma como as massas conseguem ainda ser manipuladas. 

Perante evidências de corrupção, de dívidas bancárias, de dualidade de critérios querem conferir legitimidades.

Lamentavelmente, este foi um campeonato ferido na verdade, dilacerado pela impunidade de uns contrapondo com a opressão de outros. Lá no fundo, estas vitórias ilegitímas terão com certeza um sabor diferente. São vitórias de macete numa sueca aldrabada. Assim foi. O inédito treta do Benfica chega ferido na equidade e no mérito. E provavelmente nem teria sido preciso poupar o quinto amarelo a jogadores, adulterar repetições de lances capitais, suprimir grandes penalidades sucessivas ao adversário directo e castigar jogadores fundamentais. Provavelmente, teríamos o mesmo campeão. Mas impoluto.

É importante que saibam da atenção de muitos portistas e que esta máquina das TV compradas, da imprensa e da rádio em conluio com as trapalhadas na Luz funciona só para quem vive este desporto de uma forma supérflua. 

Pois quem estiver minimamente atento aperceber-se-á da podridão que subjaz nas vitórias mais recentes das águias. Disso jamais se poderão escapar. 

Esperando mudanças profundas para a próxima época, desejo que o FCPorto possa a voltar em força para suprir as adversidades endógenas e exógenas.

Estou confiante!

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

Festa, saber e raça

Eduardo Louro 21 Mai 17

Boavista fala em uso desadequado de bilhetes destinados aos seus adeptos

 

 O Benfica levou a festa do tetra ao Porto, que também a merece. O pretexto foi a disputa do último jogo do campeonato, com o Boavista.

Que seria sempre um jogo de festa, mas também um jogo cheio de pontos de interesse. Desde logo porque Rui Vitória, e muito bem, porque é assim que se gerem recursos humanos, e é assim que se constrói a coesão da equipa, quis que todos os jogadores do plantel se sentissem campeões. Mais do que fazê-los campeões, Rui Vitória quis que se sentissem campeões. 

Por isso apresentou um onze que não repetia nenhum dos titulares dos últimos jogos, promovendo logo de início a estreia de três dos quatro jogadores que ainda não tinham participado no campeonato - os júniores Kalaica e Pedro Pereira, central e lateral direito, e Hermes. Paulo Lopes ficava no banco, para entrar com a mística debaixo do braço, lá mais para a frente, quando fosse necessário. Claro que a qualidade de jogo da equipa teria de se ressentir. As rotinas não estavam lá, e a equipa não podia apresentar o entrosamento que normalmente exibe. Mesmo assim, na segunda parte já nem se deu muito por isso e, com a troca de Hermes por Rafa, logo ao intervalo, a qualidade de jogo subiu e a superioridade do Benfica passou a ser notória. E evidente.

O próprio desenrolar do jogo viria a acrescentar novos pontos de interesse. Vários. A começar pelo golo do Boavista, logo no final do primeiro quarto de hora, na primeira oportunidade de golo do jogo. Como nunca, ao logo de todo o campeonato, o Benfica tinha virado um resultado, nunca ganhara qualquer jogo em que tivesse sofrido o primeiro golo, ficava lançada a expectativa de, no último jogo, quebrar esse enguiço. Depois, num campeonato de evidente superioridade competitiva, o Benfica não conseguira ganhar a nenhum dos adversários que tinham empatado na Luz. E o Boavista era um desses três adversários (os outros tinham sido o Setúbal e o Porto), naquele escandaloso empate a três.  

Por aí, ficamos conversados. Esses são dois enguiços que ficam a marcar este campeonato do tetra.

Havia mais dois pontos de interesse, também paralelos, como aqueles dois. O jogo teria de dizer alguma coisa sobre André Horta e Zivkovic, desaparecidos na bancada parte final da época. E o jogo foi claro, a esse respeito. Tão claro que começou por explicar que não são assim tão paralelos, quando se viu André Horta pegar logo no jogo. Tão claro que ficou claro que, mesmo sendo o melhor há, mais para a frente, Rafa. E, mais para trás, Pizzi. Por muito que gostemos - e gostamos - daquele que é um de nós lá dentro... 

Também foi claro na resposta que nos deu sobre Zivkovic: a jogar assim, está explicado. O que o jogo não pôde explicar é do domínio metafísico, é a questão do ovo e da galinha, uma velha inquietação da humanidade. Zivkovic passou a ir para a bancada porque está assim? Ou está assim porque passou a ir para a bancada?

Mas este jogo do Bessa que fechou o campeonato não se limitou a responder as estes pontos de interesse. Mostrou muito mais, e teve muitos outros pontos de interesse. Mostrou um Boavista interessante e a jogar bem à bola, coisa que nem faz parte dos hábitos da casa. Com jogadores interessantes, um deles muito interessante mesmo. Não é da casa, mas está lá, e deu cabo da cabeça à inovada defesa do Benfica. Que o digam Eliseu e Lizandro. Hoje pintou a manta, mas já na Luz o Iuri Medeiros tinha feito das suas. E já no ano passado, no Moreirense.  

E mostrou a raça do campeão. O Boavista, que marcara na primeira oportunidade que criara, voltaria a marcar na segunda, aos 7 minutos da segunda parte, precisamente quando o Benfica tinha tomado conta do jogo. Quando já só se defendia como podia. 

Mesmo sentindo o golo, e percebeu-se como os jogadores o sentiram, o Benfica reagiu. Chegaria ao golo vinte minutos depois, já com Jimenez em campo, no lugar de Fillpe Augusto, numa jogada típica do Rafa, que levou a bola até a entregar a Mitroglou para, já dentro da área, rematar cruzado para a baliza. Logo a seguir, a terceira substituição, para ganhar o jogo: entrou Paulo Lopes, para o lugar do Júlio César, que sofrera dois golos, sem ter feito uma únca defesa.

Levou a mística lá para dentro, para que, à beirinha do minuto 90, um miúdo que já não engana ninguém, o novo Lindelof que se chama Kalaica, ainda júnior, na estreia, fazer o empate. E a festa. Grande. E merecida. No fim, do fim do campeonato deste incrível tetra!

 

Habemus tetra

Dylan 15 Mai 17

habemus.jpg

 

Nunca a expressão dos três "F´s" fez tanto sentido como no Sábado passado. A visita do Papa, a vitória de Portugal no festival da Eurovisão e o tetracampeonato do Benfica mexeram com as crenças e a auto estima dos portugueses. Uns saltaram por Jonas, uns rezaram por Francisco e outros berraram por Salvador. Que me perdoe o cantor mas eu não posso amar pelos últimos dois. Que me perdoe o Papa mas as minhas preces foram somente para a canonização do Jonas, a minha fé só dava para o "tetra e seis". Peço apenas uma última aparição, um milagre para todos os "cegos" enxerguem que o Benfica afinal é um justo vencedor desta Liga e é imune às queixinhas, à inveja e ao despeito.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários

  • Bruno Marques

    De facto estas papoilas como não têm argumentos li...

  • OLP

    Por alguma razão o treinador não gostou de saber q...

  • Anónimo

    26? 29? 36? Mete tudo no K. E tu, lourinho, manda ...

  • Não são 26....

    ... são 29 taças de Portugal.Ou se consideram as 4...

  • Anónimo

    ahahah, que grande cabeção que para ai vai!!!Desca...