Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

MENU

Resultado de imagem para golo de rafa no benfica tondela

 

A segunda volta começou como tinha acabado a primeira, na semana passada. Tarde de sol, de domingo, desta vez, e a Luz cheia. Para que as diferenças não fossem muitas até a primeira parte foi muito parecida. 

Não tivesse o Benfica feito a segunda parte que fez e lá teríamos de estar a dizer que a equipa atravessava a pior fase da época. A primeira parte do jogo de hoje foi francamente má, na globalidade ainda pior que há uma semana, com o Boavista. A diferença foi que, na única vez que o Tondela foi à baliza de Ederson, ao contrário da semana passada, o árbitro estava lá para aplicar as leis do jogo. 

O Benfica até entrou bem, a deixar claro que não iria permitir que o jogo se complicasse. Desperdiçou uma grande oportunidade logo aos sete minutos, mas depois começou a deixar andar. Pouca intensidade, lentidão nos processos e no pensamento e, por vezes - vezes de mais - falta de concentração. Que se traduzia em passes errados, precipitação na saída de bola e muitos foras de jogo. Houve até, aí pelo meio dessa primeira parte, um período de 5 ou 6 minutos que chegou a ser assustador, a lembrar o pior do jogo com o Boavista, com os jogadores - todos, mas especialmente Lindelof, Samaris e André Almeida - a deixarem notar grande intranquilidade.

Acrescia então que, a cada vez que o Benfica conseguia colocar o jogo sob alta intensidade, em cada jogada que finalizava, o guarda-redes do Tondela arranjava uma lesão.

Na segunda parte, já com Salvio (substituiu Cervi) na direita e Zivkovic, pela primeira vez titular, fixado na esquerda, o Benfica entrou logo com mais velocidade, mais agressividade e mais intensidade, e  o primeiro golo não tardou mais que uma dúzia de minutos. Obra de Pizzi, e resultado directo da maior agressividade na disputa da bola. Sabe-se como neste jogos com adversários muito fechados e bem organizados, como já são quase todos, o primeiro golo faz toda a diferença. A partir daí o jogo muda.

E mudou. A equipa começou a conseguir chegar à linha de fundo, e o reportório passou a ser outro. O segundo golo é um exemplo disso mesmo, e chegou pouco mais de um quarto de hora depois, de novo por Pizzi. Oito minutos depois o Estádio da Luz explodiu em festa, com a obra-prima de Rafa, que entrara para substituir Mitroglou, lesionado, ao que pareceu.

O primeiro golo de Rafa no Benfica tinha de ser assim, não podia ser de outra maneira. Pela sua qualidade, tinha de ser um golo de rara beleza. Pela sua malapata, tinha de ser um grande golo.

Tão bonito como esse momento só o momento que se seguiu, na forma como os colegas festejaram o seu primeiro golo, a repetirem o que a meio da semana, no jogo da Taça de Portugal, com o Leixões, haviam feito com André Almeida. É nestas coisas que se vê o espírito de equipa!

Já no fim, no último suspiro do jogo, Jonas, de penalti, fixou o resultado final: 4-0. De todo improvável depois daquela primeira parte. E depois de uma enorme exibição do Cláudio Ramos, o excelente guarda-redes do Tondela.

Mas, atenção: não é muito provável que todos os jogos com uma metade destas tenham um final feliz destes. O melhor é não repetir!

 

Numa bela tarde de futebol em que a hora, o sol e a magia de outros tempos foram sobejamente convidativos para uma romaria ao Dragão.

Foi maravilhoso poder ver um Estádio Invicto com mais de 43028 espectadores. 

Para ajudar à festa, surgiu em campo um Rio Ave super competitivo que trouxe no bolso aquele vento de nortada típico do Estádio dos Arcos, dificultando bastante o desempenho dos dragões.

A este facto não é alheio o profundo conhecimento de Luís Castro no que às características e dinâmicas de cariz técnico e táctico do FCPorto diz respeito. 

Apesar de pouco rematadora, a equipa do Rio Ave F.C. esteve bastante forte no meio campo sendo inclusivamente dominador no final da primeira parte. 

Após um bom par de oportunidades para chegar ao 2-0, a verdade é que o Rio Ave virou o resultado obrigando os azuis e brancos à quinta reviravolta da temporada. Foi preciso muita força, muito Telles, muito Danilo, muito Herrera para arrancar uma difícil vitória. 

São estas vitórias que agigantam e catapultam esta jovem equipa para uma segunda volta fortíssima num campeonato cada vez mais confinado numa luta mano a mano com os encarnados.

Com a melhor defesa do campeonato (9 golos), há que continuar a lutar bastante até porque os putativos jogadores milionários afinal ficam todos em Carnide. Foram-se os milhões da tinta e da conversa da treta. 

Resta ao FCP, afinar a máquina em termos de reforços de Janeiro e demonstrar esta alma para os difíceis jogos que se avizinham.

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

Distinções

Eduardo Louro 19 Jan 17

Imagem relacionada

Nunca tinha percebido muito bem a tão apregoada diferença entre as claques legalizadas e as outras. Agora já percebo: as claques legalizadas, para além de lideradas por gente com bom aspecto e ar respeitável, quais figuras públicas, de estarem autorizadas a ameaçar árbitros, a invadir centros de treinos, e a ameaçar e perseguir jogadores, têm ainda direito à expressão pública dos seus sentimentos de indignação quando as coisas não correm bem. E, já se sabe, as coisas só não correm bem quando a equipa não ganha! As outras são as que se limitam a apoiar a sua equipa em todos os campos onde joguem. A única coisa em que se não distinguem é no sopapo ...

O problema é que, logo que percebi isso, fiquei a saber que não percebia como é que, de repente, o melhor plantel do país está cheio de jogadores que nem nos distritais têm lugar. Nem como é que o melhor treinador... Bem, pensando melhor, essa percebo...

 

Encerrada que está a primeira volta, importa dizer que estamos na luta.

Numa exibição convincente e fluída com uma dinâmica atacante viva e constante, o FCPorto demonstrou muito empenho para a luta da conquista do título.

Perante um Moreirense que fez apenas 2 remates (1 em cada parte), a equipa entrou serena apesar da última contestação na Mata Real.
Curiosamente, os assobios desnecessários regressaram exactamente no minuto que antecedeu o primeiro golo dos azuis e brancos. Há que acreditar sempre na equipa.

Não fosse o guarda redes do Moreirense o melhor em campo da sua equipa, este jogo podia acabar num resultado ainda mais expressivo.

Assim, e depois deste jogo, o FCPorto vai a MAXIma velocidade mordendo os calcanhares do primeiro posto. Há que acreditar até ao fim. Sempre ao lado da equipa.

 Se há alguém que personifica a crença, esse é inexoravelmente o Maxi Pereira que se esforçou incessantemente mesmo com aparentes dificuldades físicas merece claramente o título de jogador mais valioso desta noite no Dragão.

Venha de lá o Rio Ave para entrarmos na segunda volta em força e ver estas gentes portistas a clamar para si a vitória, num "grito só de todos nós".

 

Força, Porto! Estamos aí na luta! 

Hélder Rodrigues

Créditos fotográficos de Raurino Monteiro

16122012_10154904665494197_1089797345_o.jpg

Os golos também se capitalizam

Eduardo Louro 14 Jan 17

Jonas fez o que mais nenhum brasilero conseguiu no Benfica

 

Último jogo da primeira volta. Sábado à tarde. Tarde bonita, cheia de sol. Estádio da Luz cheio que nem um ovo, mais uma vez acima dos 60 mil. e a passar a barreira dos 15 milhões de espectadores. Adeptos eufóricos, as última exibições do Benfica não davam para menos... 

Tudo para uma tarde de sonho, depressa transformada em pesadelo. O jogo iniciou-se como seria previsível, com o Boavista a pressionar no campo todo, nada que seja novidade. Também não foi exactamente novidade que o Benfica passasse os primeiros dez minutos sem dar muito boa conta do recado.  Nem que saísse desse período com a primeira oportunidade de golo, na melhor jogado do desafio. Só que o remate de Gonçalo Guedes, isolado por Rafa, levou a bola fugir por milímetros do golo.

O Benfica tomou conta do jogo e começou a vir ao de cima a matreirice e o poder físico dos jogadores de xadrez - o Boavista é certamente uma das equipas fisicamente mais fortes do campeonato. Que é uma das mais duras já se sabia...

Estavamos nisto quando, em pouco mais de 10 minutos, o Boavista marca três golos. Todos com a assinatura da arbitragem: no primeiro, o árbitro não assinalou uma falta sobre o Rafa à saída da área do Benfica, no segundo, o marcador fez falta sobre o André Almeida, e o terceiro resulta de um fora de jogo inacreditável.

Tenho sempre aqui dito que os erros dos árbitros são incidentes do jogo. Que jogando bem, como habitualmente o Benfica faz, os golos aparecem e acabam por se sobrepor a esses erros. O que, de resto, e mesmo com erros tão raros e tão influentes como estes - três golos em 10 minutos - até este próprio jogo confirmou.

E o que me dá toda a legimidade para perguntar: o que seria, se esta arbitragem de Luís Ferreira tivesse acontecido com o Sporting, ou com o Porto? E para expressar claramente que esta arbitragem é o resultado da pressão que ambos têm vindo a construir, especialmente nas últimas semanas.

Dito isto há que dizer que o Benfica não esteve ao nível que nos tem habituado. Mesmo assim, criou oportunidades de golo suficientes para chegar ao intervalo já com a desvantagem no marcador anulada. Aproveitou apenas uma, aos 40 minutos, por Mitroglou (substituiu Rafa) que entrara 4 minutos antes.

Na segunda parte não melhorou muito, mesmo que a entrada de Cervi, com a saída de Luisão, tenha trazido coisas novas ao jogo do Benfica. Chegou cedo ao segundo golo, num penalti cometido sobre o jovem argentino, que Jonas concretizou. E o empate chegaria também a partir de uma substituição, a última, na troca de Gonçalo Guedes por Zivkovic, que cruzou para um defesa boavisteiro, pressinado, fazer auto-golo.

Faltavam 20 minutos para o fim, e acreditou-se na reviravolta completa. Mas o Boavista continuava imperturbável, a defender com tudo e de toda a maneira. E a queimar tempo, sempre com a complacência do árbitro. Mesmo assim foi nesse período, em pleno assalto final do Benfica, que criou as duas únicas oportunidades de golo imaculadas, ambas anuladas em intervenções superiores de Ederson. 

É certo que o Benfica poderia chegado ao golo da vitória. Dispõs de mais duas ou três ocasiões para isso, mas também ia ficando a ideia que os jogadores, esgotados, já se contentavam por terem evitado a derrota.

Claro que não se pode esquecer que a arbitragem deu três golos ao adversário. Que a qualidade de jogo foi inferior ao desejável, e que jogadores que têm sido fundamentais tiveram fraco desempenho, como Pizzi, Nelson Semedo e Salvio. E que os níveis de eficácia estiveram abaixo do habitual. Mas o Benfica só não ganhou o jogo porque não soube, não pôde, ou não quis, capitalizar os golos que iam fazendo a recuperação.

Quando uma equipa se encontra numa situação daquelas tem obrigatoriamente que tirar partido de cada golo. Tem que ter coração e alma para fazer de cada golo um trampolim para o seguinte, ir para cima do adversário sem o deixar recuperar do golpe. Não o deixar respirar, atirá-lo ao tapete. E o Benfica não fez isso. Os jogadores foram a correr buscar a bola á baliza do Boavista, mas ficaram-se por esse gesto. A bola ia ao centro e tudo voltava ao normal, como se nada se tivesse passado: o Boavista continuava confortável com o resultado e arrefecia de imediato o jogo.  

Não me digam que não faltou alma, nem coração, que o que faltaram foi forças. Antes de faltarem as forças já percebíamos que faltava aquele coração que resolve os jogos quando não é possível jogar bem. Aquele suplemento de crença que é preciso quando as adversidades aumentam.

Ao cair do pano sobre a primeira volta deste que desejamos que seja o campeonato primeiro tetra, e quando os adversários pretendem mascarar a superioridade que o Benfica  demonstrou até aqui com o colo da arbitragem, não se devem esquecer os pontos perdidos com o dedo das gentes do apito: Vitória de Setúbal e Boavista, na Luz (4) e Marítimo, nos Barreiros (3). Sete pontos, num total de nove perdidos, estão a débito nas contas da arbitragem. Não fosse a qualidade da equipa e do futebol que pratica superar normalmente os erros de arbitragem e o saldo seria bem mais gordo.

Não sei se a isto se chama colo, se andor... Nem sei se o Rui Vitória se não irá arrepender de ser tão elegante. Tenho a impressão que a elegância e os bons modos não são lá muito bem vistos no mundo português do futebol.  

 

A culpa é do Benfica

Dylan 12 Jan 17

culpa.jpg

                       #ACulpaÉDoBenfica

As duas vitórias consecutivas do Benfica, em Guimarães, em competições distintas e com duas equipas diferentes, dão razão aqueles que apelidam o clube lisboeta de "monstro"...de qualidade. A culpa realmente é do Benfica, da categoria do seu plantel e do seu treinador, não é da suposta ajuda dos árbitros como alguns tentam em menorizar as vitórias da equipa da Luz. Enquanto uns falam de "vouchers" e incendeiam a arbitragem, enquanto outros desenham em telas como se fossem mestres e falam em "polvo", talvez da "fruta" que enjoaram no passado, o Benfica vai percorrendo o seu caminho de vitórias à custa da união e da sua organização.   

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários