Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dia de Clássico

MENU

EURO 2012 (XXX) - Ponto final!

Eduardo Louro 2 Jul 12

Este é o ponto final nesta série, um dia depois de ter caído o pano sobre o mais bem jogado campeonato da Europa!

Na véspera do pontapé inicial fizera aqui eco da desconfiança com que se olhava para a participação da selecção nacional e apontava as selecções que iriam marcar este europeu. As favoritas, como é costume vaticinar-se nessas circunstâncias: Alemanha e Holanda, na primeira linha, logo seguidas da Espanha – que considerava enfraquecida pelas ausências de Puyol e David Villa e por achar que as principais selecções não iriam chegar à Polónia e à Ucrânia sem antídoto para o tiki-taka – da França e da Itália e, por último, pela Rússia, que acabara de dar um banho de bola à Itália.

Destas seis apenas a Holanda e a Rússia se ficaram pela fase inicial. A Rússia por algum deslumbramento e pelo já tradicional défice competitivo. A Holanda, mais que pela guerra de estrelas e que pelo défice de liderança na gestão de egos, pelos efeitos traumáticos da injustiça na derrota no jogo inicial com a Dinamarca, do calendário e da história. Perder com a Dinamarca, olhar para o calendário e ver lá a Alemanha, não ajudava nada. Voltar a olhar para o calendário e ver Portugal era, mais que ver um adversário, ver uma história de eliminações. Só com derrotas no torneio – apenas a Irlanda assinalou presença tão negativa - foi a grande decepção!

Das restantes quatro apenas a França não chegou às meias-finais. E foi também decepcionante. Não apenas por não ter atingido a fase mais nobre da prova – só lá poderiam chegar quatro – mas pela desilusão do seu futebol e das suas estrelas, também elas com egos difíceis de gerir. Não esteve ao nível da vergonha do último mundial, mas também dela não se redimiu, a deixar perceber que não serão fáceis os próximos tempos dos bleus. Que a Babilónia de que o futebol francês se alimentou nos últimos trinta anos de sucesso poderá estar a começar a tornar-se num problema!

 

Decorre daqui que Portugal foi a grande e boa surpresa! E teria podido surpreender ainda mais se a tanto ajudassem o engenho e a arte, mas também a sorte e a ambição. Fica, para além da classificação – não percebo por que é, como sucede no campeonato do mundo, o campeonato da Europa não haverá de apurar o terceiro classificado -, o registo do único adversário a quem o campeão não conseguiu ganhar nem marcar. Do único que verdadeiramente assustou a selecção de Del Bosque… E do único dos restantes três semi-finalistas que resistiu ao seu lado lunar!

Que assombrou a Alemanha no jogo com a Itália que, por sua vez, veria esse dark size no jogo da final. Os alemães apresentaram uma grande equipa, a mais jovem da prova e, por isso, de largo futuro e de muitas glórias. Eram os principais favoritos e ainda hoje penso que, sem os equívocos de Low, seria bem capaz de destronar a Espanha.

Mas também pensava isso da excitante squadra azurra e foi o que se viu. Mas com bastante azar! A Itália foi ontem uma equipa infeliz: sofreu um golo quando ainda nada o justificava, ficou sem um dos principais defesas - Chiellini - logo no início do jogo, viu Pirlo praticamente anulado e, por nova lesão, ficou reduzida a dez na última meia hora. Fica a revolução que Prandelli encetou na selecção italiana. Que não tem a juventude da alemã, mas das revoluções há sempre algumas coisas que ficam!  

Da campeã Espanha que mais se pode dizer? Dizer que é um justo campeão e que é uma geração de jogadores que ficará na história do futebol pode ser pouco. Mas é muito!

Dizer que apenas justificou o título em duas horas de futebol – a meia hora do prolongamento com Portugal e a hora e meia da final – é pouco. Mas também é verdade!

Para a UEFA o melhor jogador foi Iniesta e nos 23 melhores inclui três jogadores da selecção nacional: os três do Real Madrid, Pepe, Fábio Coentrão e Cristiano Ronaldo. Iniesta terá ontem tirado o pão da boca a Pirlo, o único jogador por três vezes distinguido como o melhor em campo e, apesar do eclipse no jogo da final, o que mais intensamente e durante mais tempo brilhou.

A revelação da prova foi Jordi Alba, o lateral esquerdo dos campeões europeus que, com as exibições dos dois últimos jogos, superou claramente Fábio Coentrão, até aí o melhor naquela posição. Vai direitinho para o Barcelona, onde assentará que nem uma luva!

A seguir viria Selassie, o lateral direito da selecção checa, que não conhecia e que me encheu as medidas.

Os máximos goleadores da prova ficaram-se pelos três golos. Foram vários, entre os quais Cristiano Ronaldo. Coube a Torres esse prémio por na, súmula dos critérios de desempate – assistências e tempo jogado – ter sido o que precisou de menos tempo para essa cifra.  

Como é habitual nestas ocasiões multiplicam-se os melhores onzes. Também aqui fica o meu, com um sistema discutível (tentei arrumar os jogadores de que mais gostei) mas, com estes jogadores, e especialmente com estes laterais, seguramente eficaz.

 

 Casillas

           

          Selassie

 

     Pepe

        S. Ramos

 

                           Jordi Alba

           
   

       Khedira        Pirlo

   

        

          Moutinho

     

     Iniesta

   

 Modric

   
           
 

           

Mário Gomez              

 

 

 

2 comentários

De Daniel João Santos a 02.07.2012 às 21:28

muito bem.

De Eduardo Louro a 02.07.2012 às 22:14

Obrigado Daniel.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários

  • Anónimo

    Ao contrário do jogo contra o Braga o Vídeo- Arbit...

  • manuel costa

    Deixo aqui um alerta para os ovos contaminados no ...

  • Eduardo Louro

    Também concordo, Joana.

  • Joana

    Concordo! No entanto, como benfiquista, posso afir...

  • Anónimo

    ManostaxxO creme facial personalizado de 5 mil eur...