Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

MENU

Duas partes distintas

Eduardo Louro 24 Fev 14

Vitória tangencial com magia de Markovic

 

É costume ouvir-se dizer em futebolês que um jogo teve duas partes distintas. Pois nunca vi um jogo com duas partes tão distintas como este de hoje, na Luz.

Na primeira parte foi um Benfica demolidor, de futebol ao primeiro toque que deixava os jogadores do Vitória de olhos esbugalhados, sem saber o que fazer. Uma oportunidade de golo claríssima, anulada a meias por Rodrigo - exigia-se mais força no remate – e pelo guarda-redes Douglas, logo no primeiro minuto. E outra logo de seguida, sempre com uma imaculada circulação de bola pelo meio.

A particularidade é que essa primeira parte teve apenas quatro minutos, e em vez do apito final do árbitro foi um choque de cabeças a separá-las. Um choque entre dois colegas de equipa – Enzo e Jardel – logo na madrugada do jogo!

Depois, na longa segunda parte de 86 minutos, foi outro jogo, mesmo um dos piores desta fase do Benfica. Os passes já não eram os mesmos, o jogo perdeu fluidez, e só Markovic - enormíssimo, este miúdo de apenas 19 aninhos - esteve ao alto nível do que a partida prometera na tal primeira parte. Criou oportunidades, umas atrás das outras, que os seus colegas iam sucessivamente desperdiçando. Até perceber que, para ganhar o jogo, tinha de ser ele próprio a marcar. Puxou dos galões e fez um golo fantástico, mais um.

Nos segundos 45 minutos – que não na segunda parte, essa foi maior – o jogo foi apenas perdendo qualidade, à medida que Markovic – é humano – foi perdendo fulgor. O Benfica continuou a criar oportunidades de golo, coisa que o Guimarães nunca conseguiu fazer, apesar de, à medida que o jogo se aproximava do fim, conseguir criar alguma instabilidade no jogo. Que acabaria de forma pouco condizente com o brilhantismo que o Benfica vinha apresentando!

O futebol não é certamente uma ciência oculta. Por isso percebe-se o que aconteceu. Começou por acontecer que, pelo acidente das cabeças ou não, Enzo Perez não esteve hoje em campo. Esteve lá com a camisola 35, mas não esteve lá aquele que vem sendo o jogador mais influente da equipa. E aconteceu que também o Jorge Jesus de hoje não foi o novo Jorge Jesus, e frente à sua besta negra esteve mal. Não percebeu que quando não há Enzo tem de haver Rúben Amorim, nem que aquele jogo não estava nada a jeito do actual Sálvio.

Mexeu mal e fora de tempo na equipa.

Também a arbitragem tem alguma coisa a ver com o caminho que o jogo tomou, permitindo todo o tipo de faltas aos jogadores vitorianos, chegando ao cúmulo de, para não os sancionar disciplinarmente, pura e simplesmente as ignorar.

Ficam poucas saudades deste jogo. Mas fica a magia que Markovic por lá espalhou, e o alargamento para cinco pontos da distância para ... o segundo classificado… E o jogo 400 de um senhor que responde pelo nome de Luisão. Parabéns, capitão!

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários

  • Benfica, Sempre

    Espero que isto seja esclarecido.Não entendo como ...

  • Fair Play

    Não sei quem é quer desviar atenções... se o Benfi...

  • helderrod

    Meu caro, bem sabe que escrevo aqui há vários anos...

  • Dylan

    Porra, escarrapachar uma foto com um lance ilegal ...

  • Bruno Marques

    De facto estas papoilas como não têm argumentos li...