Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

MENU

Resultado pequeno em vitória grande

Eduardo Louro 15 Ago 17

Resultado de imagem para chaves benfica

 

Curta, mas grande, esta vitória do Benfica em Chaves. E limpa e justíssima, em mais uma boa exibição. Muito boa, mesmo!

Na primeira parte foi um grande jogo, intenso e bem jogado, com o Chaves a dar a sua contribuição para um espectáculo de grande nível. A equipa agora orientada por Luís Castro soube sempre responder à boia exibição do campeão, com uma boa organização defensiva e sempre pronta a sair para o contra-ataque com grande velocidade e excelente movimentação, com rápidas e bem trabalhadas trocas de bola. Foi bonito de ver.

O Benfica fez o que lhe competia fazer – tomar conta do jogo, mandar nele, impondo um ritmo elevado e apresentando o seu futebol, sempre muito variado na procura de soluções. Criou três boas oportunidades para marcar, mas o golo nunca apareceu. Numa, a bola ficou-se pelo poste, noutra foi o Nuno André Coelho – grande exibição na primeira parte – a sacudi-la em carrinho quando ia mesmo a entrar, e noutra foi o guarda-redes Ricardo, regressado ao activo e a confirmar a sua especial apetência para brilhar nos jogos com o Benfica, a negar o golo.

A segunda parte foi bem diferente. O Chaves abdicou de jogar à bola, e optou declaradamente pelo anti-jogo, apenas preocupado em quebrar o ritmo do jogo, com a complacência – mais do que isso, com o momento que escolheu para voltar a interromper o jogo para que os jogadores se refrescassem – do árbitro Jorge de Sousa. Os jogadores do Chaves, que tão bem tinham mostrado que sabiam jogar à bola, preocupavam-se apenas com chutão para o ar. A relva só lhes servia para se deitarem.

O Benfica procurava o golo de todas as maneiras, mas havia sempre mais uma perna a pôr-se á frente da bola. E quando conseguia desenvencilhar-se das vinte pernas que estavam ali à frente da baliza, lá estava o Ricardo. E assim se foram passando os minutos perante o desespero dos adeptos, que nunca passou para os jogadores. Esgotados os noventa, Jorge de Sousa deu 6 minutos de compensação. Coisa pouca para cinco substituições, para a tal paragem para refrescamento e para as assistências médicas aos jogadores do Chaves, mas suficiente para o Benfica chegar finalmente ao golo, numa jogada que é a prova provada que a equipa não estava desesperada. Em vez de bombear bolas para a área adversária o Benfica continuava a desenvolver o seu futebol de variação de soluções. E foi assim que, aos 92 minutos, Rafa foi à linha pegar a bola para a cruzar, de primeira, rasteiro, para Sferovic fazer o golo com um desvio subtil, em antecipação ao guarda-redes, vinte e tal remates e para aí uma dezena de oportunidades depois.

Curiosamente, nesta segunda jornada, o Benfica repetiu o resultado dos outros dois candidatos. Só que sem peripécias, para não lhes chamar outras coisas.

Campeão à campeão

Eduardo Louro 10 Ago 17

 

 

Estádio da Luz cheio que nem um ovo, como já é costume. Colo, colinho, muito colinho no arranque de mais um campeonato, que poderá ser o 37. O penta, que hoje começou a nascer no imaginário benfiquista.

Festa na Catedral, de novo. Uma festa que os benfiquistas não querem largar. A supertaça ainda nem pó apanhou, e a pré-época já lá vai. Já ninguém se lembra dela, nem das nuvens que pareciam ameaçadoras.

O adversário era de respeito, e tinha feito voz grossa, de ameaça, talvez para disfarçar o medo. O Braga, mesmo sem ganhar na Luz (para o campeonato) há largas dezenas de anos, é sempre um adversário complicado para o Benfica. E o primeiro jogo é sempre especial, tem sempre qualquer coisa de incerteza e, muitas vezes, alguns fantasmas.

Na primeira parte houve algumas semelhanças com o jogo da supertaça de sábado passado, com o Vitória de Guimarães. Também dois golos, também pela dupla Sferovic/Jonas, e também praticamente nas duas primeiras oportunidades. Desta vez mais espaçados, e mais tardios. O primeiro, pelo avançado suíço, ao findar o primeiro quarto de hora, e o segundo, por Jonas, que igualou Magnusson, com 87 golos, à meia hora de jogo. Para que as semelhanças não ficassem por aqui, o Braga reduziu para 2-1 mesmo em cima do intervalo, na segunda vez que chegou à baliza do Benfica.

O mesmo de sempre. Um golo naquelas condições, mesmo à saída para as cabinas, mais do que deixar o resultado em aberto, deixa sempre no ar a possibilidade de uma reviravolta no jogo. E essa ameaça até chegou por momentos a ganhar forma, quando o Braga introduziu a bola pela segunda vez na baliza de Varela. Mas em fora de jogo, não contou. Confirmou o vídeo-árbitro, que só não confirma os penaltis a favor do Benfica. Ficou mais um por marcar…

Mas o que se viu foi outra coisa. O que se viu foi um Benfica ainda melhor, com períodos de grande brilhantismo, com suculentos nacos de bom futebol entremeados numa fantástica dinâmica de controlo do jogo. O que se viu foi que o campeão voltou, mesmo sem nunca ter ido embora. O 3-1 – Salvio fez o terceiro a mais de meia hora do final - soube a pouco para tanto futebol.

Os jogadores do Braga correram muito, especialmente atrás da bola. E das canelas – canelas, calcanhares, pernas e até cabeças – dos jogadores do Benfica. Que o digam Cervi, Sferovic, Jonas ou Eliseu. A correr assim – e sabemos que assim não será – o Braga vai dificultar muito a vida aos adversários. Mas, a bater assim, contra outros adversários, corre sérios riscos de nunca acabar com 11 jogadores em campo. É que, o que lhes perdoam contra o Benfica, não lhe perdoam em nenhum outro jogo.

No fim fica a festa, que seria ainda maior se o miúdo Diogo Gonçalves, que entrara para substituir o Cervi a dez minutos do fim, tem feito aquele quarto golo que teve nos pés. E a certeza que o campeão está vivo!

Supertaça: o XX do capitão

Eduardo Louro 6 Ago 17

 

Aí está de volta o futebol de competição. E aí está o Benfica de volta às conquistas, parece que agora de pazes feitas com a Supertaça.

A primeira resposta que se esperava deste jogo em Aveiro tinha exactamente a ver com a imagem que o Benfica trazia da pré-época que, como se sabe, deixava algumas preocupações. Começando por aí, deve dizer-se que a resposta não foi categórica e inequívoca. O jogo não disse que o Benfica da pré-época não passou de uma núvem passageira, mas também não disse, nem ninguém esperaria que o dissesse, que a equipa tem todos os problemas resolvidos.

Na primeira parte até chegou a parecer que sim. Aos dez minutos o já Benfica tinha marcado por duas vezes - Jonas e Sferovic, nas duas únicas oportunidades, é certo - e tinha o adversário completamente subjugado. O Vitória estava no tapete, e toda a gente se lembrava daquele jogo do título, daqueles 5-0 da Luz.

Já quase ninguém se lembrava de Nelson Semedo nem de LIndelof. E até o Varela fazia questão de jogar à Ederson, quase sempre bem sucedido. Só que as oportunidades de golo, tão soberbamente aproveitadas nos primeiros dez minutos, passaram a ser esbanjadas, algumas por excesso de arte, e lá vem aquela velha máxima do futebol: "quem não marca, sofre". E à beira do intervalo, num lance esquisito, caído do céu mas em que estiveram bem presentes os tais problemas na defesa, o Vitória fez o golo. E saiu para o intervalo com um resultado notoriamente lisongeiro.

Admitia-se que aquele golo, ressuscitando a equipa vimaranense, e trazendo-a de novo para a discussão do resultado, fosseum tónico para a segunda parte. Se os primeiros dez minutos - outra vez os  os primeiros dez minutos - pareciam desmentir essa tese, com o Benfica a voltar a desperdiçar duas claras oportundades de golo, a partir daí confirmou-se em absoluto. Os últimos 5 minutos do primeiro quarto de hora, e todo o segundo, foram de clara supremacia vitoriana. O Benfica quebrou fisicamente, e os jogadores de Guimarães ganhavam todas as bolas divididas, todos os ressaltos e chegavam sempre primeiro. E o empate esteve à vista, em uma ou duas ocasiões.

No último quarto de hora o Benfica voltou a ficar por cima e fechou o jogo com o terceiro golo, agora por Jimenz, acabado de entrar para render o tantástico, mas já esgotado, Jonas. Antes, tinham entrado Filipe Augusto, que continua a não convencer, mas que permitiu outra liberdade a Pizzi, o melhor da época passada e, para não deixar dúvidas, o melhor da Supertaça. E Eliseu, para substituir Grimaldo, de novo lesionado.

Merecem ainda referência os adeptos, e os de Guimarães voltaram a ser fantásticos, e o velho Luisão. A partir de hoje o jogador do Benfica com mais troféus. À capitão. À grande capitão!

Escândalo anunciado

Eduardo Louro 17 Jun 17

O escândalo estava anunciado. Mas não se imaginava que pudesse ter a dimensão que acabou por ter.

Disputava-se hoje a última jornada do campeonato nacional de hóquei em patins, com o Benfica a defrontar o Sporting e a necessitar de ganhar o jogo para se sagrar campeão - tri-campeão. O Sporting marcou o jogo para um pavilhão em Alverca, impróprio para a prática da modalidade e com reduzida lotação, que os adeptos sportinguistas rápida e facilmente esgotaram.

A Federação, ao aceitar que um jogo decisivo se realizasse naquelas condições, disse de que lado estava. A equipa de arbitragem nomeada há muito que o tinha dito.

O clímax do escândalo estava reservado para o final do jogo, quando o Benfica, depois de dar a volta ao resultado, marcou o golo da vitória a 40 segundos do fim. Um golo limpo, sem qualquer irregularidade, como ficou provado nas imagens televisivas, que o árbitro confirmou e que, naturalmente, os jogadores do Benfica - não havia lá mais ninguém para festejar - festejaram como golo do título.

Feitos os festejos, inexplicavelmente e sem que ninguém percebesse, o árbitro anulou o golo e entregou o campeonato ao Porto. 

 

 

 

A temporada já lá vai. Mas há muito por explicar. E muito se vai explicar.

Não adianta querer pôr o dedo nos olhos das pessoas. Aliás é importante evidenciar o caro desconforto de alguns adeptos benfiquistas que começam a perder o sabor destas vitórias.

Se há dias ouvia o treinador do Benfica a tentar justificar o que toda a gente viu, impingindo uma depuração impossível de muitas circunstâncias ocorridas neste campeonato e na Taça de Portugal, o que tenho vindo a assistir é bem pior. Curiosamente, tudo se passou no mesmo canal de televisão que apresentou num Telejornal o equipamento alternativo do Benfica postado num manequim...hilariante. Quase tão hilariante como o episódio em que Madonna quis transformar o salão de festas do FCP, numa espécie de Isla Bonita. O problema é que agora há imensa informação e a artista já o fizera em Paris...Nem todos comemos dessa ração de silly season patrocinada por uma companhia de aviação.

Depois, vejo noutro canal uma espécie de Perdoa-me aos Pecadores que, à pala dos umas transferências espectaculares, procuram limpar a imundície que se vai descobrindo. Numa constante e persistente publicitação das aparentes grandes transferências do clube da Luz, onde destacam os 15 milhões do Hélder Silva e, sobretudo, a de Gonçalo Guedes por uns espantosos 30 milhões, talvez para tirar umas fotos com a Madonna, estes especialistas do mercado que tanto gostam do "é disto que estamos a falar" procuram menorizar as graves revelações daqueles emails de Pedro Guerra. Um fica indignado pela forma como o Director de Comunicação terá obtido acesso aos emails (parece que nunca ouviu falar em wiki leaks ou coisas do género), o outro (que se deve achar a última bolacha do pacote) menoriza as pessoas em causa nos emails. Ficou muito mais preocupado no momento em que o Presidente do FC Porto terá ou não beneficiado de segurança pessoal. Estes jovens fantoches de cartilha são inclusivamente mal educados e arrogantes com o único comentador que procura ser mais equilibrado nas opiniões, confrontando-o com perguntas (substituindo o pivot) e rindo em tom de gozo das suas considerações.

Para ajudar à festa um Diamantino que chega ali como uma virgem ofendida, porque se deveria estar a falar de futebol, mas depois dá as chancadinhas procurando fazer de todos nós burrinhos ou ceguinhos. Não somos. Lembro-me das mãozinhas do Vata e de um fiscal de linha de Carlos Valente nas Antas, no ano em que o César Brito fez dois golos, que não deixou o Porto atacar cortando todos os lances de real perigo nessa partida. Uma vergonha.

Depois a CMTV que nem merece consideração.....

Mas o mais grave é que estes são os mesmos que procuram enfatizar a proeza e neutralidade do vídeoárbitro. Os mesmos que andam há exactamente 14 dias sem denunciar que a cotovelada de Lindelof a Marega dentro da grande área do Benfica, na final da Taça de Portugal nunca foi alvo de análise do Vídeoárbitro. Isto é particularmente grave porque a hipocrisia e a parcialidade têm limites. Onde está a análise a este lance? (ver foto). Não está. Sabem porquê? Porque interessa a muita gente. A muitos profetas da verdade. A muitos defensores da verdade. Mas que, da verdade, nem a veresimilhança se aproveita...

Todavia, não há fumo sem fogo e, quanto mais se querem limpar, mais evidenciam a conduta pecaminosa e insuportável desta espécie de Opus Aguiae em que todos querem rezar, mas cujas heresias vão acabar pelo menos no veredito do povo.

Esta vergonha já passou as fronteiras e espero que chegue rapidamente à UEFA para que alguém possa fazer justiça.

 

Força, Porto!

 

Hélder Rodrigues

 

P.S. Cada insulto de que tenho sido alvo aqui é directamente proporcional à verdade das palavras que escrevo.

 

Screenshot_2017-06-11-03-43-20.jpg

 

 

 

 

GLORIOSO.jpg

Acabada a época futebolística em Portugal é hora de glorificar o vencedor e honrar os vencidos. Convém também recordar que  não há memória dum vencedor ter sido tão vilipendiado pelos dois principais rivais chegando ao ponto de estes terem consumado uma aliança. Valeu tudo, primeiro foi a insinuação dos vouchers, como se a UEFA não reconhecesse que as lembranças de cortesia a árbitros são normais, depois a "cartilha", como se os comentadores e adeptos do Benfica fossem os únicos a receber informação do seu clube. Das violação de emails, das inúmeras lesões musculares que afectaram o plantel até ao ataque às claques ilegais do clube, como se as "legais" fossem sinónimo de urbanidade, surge o último estertor - o vídeoárbitro - o instrumento milagroso que iria restituir troféus a dragões e leões ironicamente proporciona o último título da época ao Benfica!      

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários

  • Eduardo Louro

    Também concordo, Joana.

  • Joana

    Concordo! No entanto, como benfiquista, posso afir...

  • Anónimo

    ManostaxxO creme facial personalizado de 5 mil eur...

  • Anónimo

    ManostaxxO creme facial personalizado de 5 mil eur...

  • Dedetê

    O Vieira armou-se em Corrup(in)to da Costa e quis ...