Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

MENU

 

Em dia das mentiras, e Dia de Clássico a mentira foi o resultado. Tudo o resto foi verdade!

Foi verdade que o Benfica foi melhor. Foi melhor quando foi melhor, quer dizer, o melhor do Benfica foi melhor que o melhor do Porto. E foi melhor durante muito mais tempo. Foi melhor porque teve muito mais domínio, e foi melhor em todas as variáveis que medem o jogo. E criou muito mais oportunidades de golo!

É esta verdade que faz a mentira do resultado. Só e apenas!

Foi verdade - é verdade - que o Porto festejou o empate como se fosse uma vitória que lhe desse o título. Mas a verdade é que não se percebe por quê. A única explicação é o alívio por não terem perdido o jogo!

Em matéria de festejos, nota máxima para Maxi Pereira. É verdade que, por respeito ao passado, há jogadores que não festejam os golos quando marcam aos seus antigos clubes. Maxi não é dado a esses sentimentos: festejou o golo que marcou, festejou os golos que Casillas negou, e festejou como ninguém o empate. E fez muito bem!

Os inusitados festejos do Porto, a terem explicação, trazem-nos à memória a época passada. O Benfica também estava a um ponto do Sporting, e à  partida para o jogo de Alvalade não havia benfiquista que não considerasse que o empate, nesse jogo, seria um bom resultado. Acreditavam no calendário, e o do Benfica era teoricamente bem mais fácil que o do Sporting. Que, recordo, teria de jogar no Dragão e em Braga. Provou-se que, tivesse o Benfica logrado o tal empate que era bom resultado, e não teria sido campeão. Porque, e faltavam então muito mais jogos que agora, nem um nem outro desperdiçaram um ponto que fosse.

Independentemente das verdades e das mentiras este jogo foi um bom espectáculo de futebol. Bem jogado, num estádio bonito e cheio que nem um ovo. O Porto mostrou algum medo, ao contrário do que vinha apregoando. Reforçou o meio campo, e como só podem jogar onze, jogou com um único ponta de lança, deixando o André Silva no banco. E quando entrou foi para Soares sair. Não admirou por isso que o Benfica tenha entrado dominador, e chegado bem cedo ao golo, na transformação de um penalti - indiscutível e indiscutido - assinalado logo aos cinco minutos.

O golo obrigou o Porto a alterar as ideias. E conseguiu reagir, equilibrando o jogo a partir do equlíbrio na disputa da bola, sempre com muito recurso à falta. O primeiro remate do Porto só chegou perto da meia hora, e o Benfica nunca perdeu o controlo do jogo.

Não deu para perceber se o Porto entrou melhor na segunda parte. Pela simples razão que o Benfica entrou desastradamente. Foram três minutos inacreditáveis, em que o Benfica não acertou um passe. Foram apenas três minutos, é certo. Mas foram o suficiente para sofrer o golo do empate. Um golo inacreditável, como inacreditáveis foram aqueles primeiros três minutos. Que o Benfica pagou bem caro!

Depois, de imediato, o Benfica voltou à mó de cima e partiu para uns restantes 42 minutos de muito bom nível. Com uma equipa a querer ganhar e a outra a não querer mais que não perder. Com uma equipa a somar oportunidades de golo e a outra a somar entradas duras para parar os adversários.

Os golos é que não voltaram. Porque Casillas repetiu a exibição do ano passado, porque Luisão - mais uma grande exibição do velho capitão - , Jonas, Pizzi e Mitroglou foram perdulários, e porque, quando não era nem uma coisa nem outra, lá esteve a pontinha de sorte. Que faz parte do jogo!

E no fim o Porto fez a festa.... Quando continua em segundo e já não depende de si próprio. Mas lá que há lá fezada, há!

Benfica vs Porto - O clássico dos clássicos

Daniel João Santos 1 Abr 17

Hoje é dia de clássico. Para já saudemos o clima pacifico dos dirigentes de ambos aos clubes, que tiveram a capacidade de não acirrar ânimos. Realcemos o espírito construtivo dos treinadores e das diversas declarações oficiais. Enaltecemos o silencio sobre árbitros e afins.

Depois, destacamos a forma como a imprensa tentou aquecer as coisas: primeiro na questão da famosa "claque" da selecção nacional liderada pelo outro senhor dos Super Dragões e depois com a venda de bilhetes a mais aos adeptos do Porto.

Pena que alguns gostem de incendiar o edifício para depois poderem vender jornais e noticias, sobre o incêndio.

Foquemos apenas o que interessa: o jogo e a vitória do Benfica.

O Dia de Clássico não faz hoje 5 anos

Eduardo Louro 28 Fev 17

 

 

Resultado de imagem para 5 anos

 

Não passa hoje mais um aniversário do Dia de Clássico. Nem amanhã. O Dia de Clássico não faz hoje 5 anos. Nem amanhã. Mas amanhã, mesmo sem os fazer nem os ter feito, já tem 5 anos. Idade já respeitável para um blogue. Ainda mais respeitável pelas condições de sobrevivência, sem grandes mimos dos progenitores... Deixado mesmo ao abandono.

Balão de curta duração

Eduardo Louro 28 Ago 16

Hoje foi Dia de Clássico. Do outro. Neste, o oxigénio de Roma durou pouco. O balão romano rebentou ao fim de um quarto de hora. Veremos se dá para voltar a encher...

 

Ontem é que deveria ter sido. Hoje é o dia do Dia de Clássico. Ontem é que era o dia de cantar os parabéns. Foi ontem que o Benfica fez 112 anos, e era ontem que lá devíamos ter estado, a cantá-los. Os deuses, ou o tempo, ou os aviões, ou lá o que foi, não quiseram que fosse assim. Ficou para hoje, mas hoje já não era dia...Hoje faz anos o Dia de Clássico: quatro. Mas pela primeira vez, porque só faz anos de quatro em quatro anos... 

Por isso os parabéns ao Benfica foram curtos, e os golos também. Magro resultado para tantas e tão gordas oportunidades. Mesmo sem que tenha sido o grande jogo que, se calhar, nunca poderia ter sido. Porque estava muita coisa em jogo... para o próximo jogo.

Mesmo assim deu para confirmar Lindelof, e para mostrar Grimaldo, titular pela primeira vez. Mas também para mostrar como o futebol é tantas vezes injusto: agora com Nelson Semedo. O jogador que era antes de se lesionar, na selecção nacional... E o jogador que não consegue ainda ser... E deu para mais dois golos de Jonas. Mas não deu para Mitroglou continuar a sua extraordinária série de jogos sucessivos a marcar, e fixar um novo máximo. Muito por culpa própria, tantos foram os golos que falhou...

No próximo sábado é que vai ser... Esperemos que voltem os índices de eficácia que decidamente o Benfica perdeu precisamente no jogo em que mais precisava deles. Desde esse jogo com o Porto, nunca mais a equipa regressou aos altos níveis de eficácia que trazia.  

 

O estado do pecado

Eduardo Louro 22 Fev 16

 

Capa do O Jogo

Se o João Paulo não o quis escrever aqui, talvez não o queira ver escrito aqui. Por isso, em vez de o trazer, empurro-o para cá. Assim não poderá levar a mal... 

Mas eu acho que isto tem que ser lido aqui. As capas de O Jogo não têm nada a ver com isto. Apenas ilustram uns certos estados de alma... Ou os pecados mortais que alimentam certos saltos...

Capa do O Jogo

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários

  • Dedetê

    Caro imbecil,Tendo em consideração que o caro é co...

  • helderrod

    Caro DDT,Tem toda a razão quanto ao atentar + em.....

  • Dedetê

    Anónimo, eu também te posso pedir o que quiser. O ...

  • Dedetê

    Ó seu imbecil, o que está em questão é a regência ...

  • manuel costa

    ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...