Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

MENU

Quero iniciar este post por agradecer aos gestores deste blogue por permitirem que eu possa expor livremente a minha opinião. É que, apesar de ser o único portista aqui no Dia de Clássico, nunca fui impedido de plasmar o que quer que seja. Fico grato por isso. Mesmo muito. 

Ao contrário de outras plataformas, designadamente no Facebook do Tempo Extra, nunca obstacularizaram a minha liberdade de expressão. Bem-hajam!

Tenho pleno consciência de que nem sempre sou agradável para as hostes benfiquistas, mas esta é a minha postura. Procuro sempre ser sincero. 

Na crónica de hoje, voltarei a sê-lo sem hipocrisia. 

Por muito que custo aos benfiquistas, ainda não fizeram História. Poderão ter escrito uma história nova no clube pelos quatro campeonatos consecutivos, mas ainda estão muito longe.

Parem de enganar as pessoas. Farão História se conseguirem conquistar seis títulos consecutivos no campeonato nacional. Isso é História. 

Ao contrário do meu treinador, recuso-me liminarmente a dar os parabéns ao Benfica. A razão é simples. Tal como hoje tive oportunidade de dizer numa entrevista na Sic Notícias em directo, jamais poderei aceitar um teste a um aluno que tenha copiado e feito batota de forma inequívoca. Estaria a ser injusto para com os restantes que trabalharam e procuraram ser honestos. 

Gostava de poder dizer o contrário, mas ainda não foi desta que o clube da Luz pôde ganhar um campeonato impoluto nos últimos anos. Este está ferido de morte, da verdade e da rectidão. Por muitas voltas que queiram dar, não se livram da impunidade técnica e disciplinar que favoreceram claramente o Benfica.

Ironicamente, hoje no Dragão já houve spray e dois penalties assinalados no mesmo jogo. Os mais de 24 mil adeptos que estiveram presentes no Dragão puderam perceber que, mesmo não se jogando bem, quando se marcam penalties é possível ganhar.

Ninguém se pode livrar da histórica impunidade de castigos (um por acumulação de 5 amarelos) ao contrário dos oito castigos para o FCP e nove para o Sporting nas mesmas circunstâncias.

Não se podem livrar do manuseamento das imagens nas transmissões em TV própria.

Não se podem livrar da impunidade perante agressões de conduta antidesportiva em pleno relvado.

Não adianta. Basta estarmos minimamente atentos para perceber que apesar da força nas canetas dos jogadores do Benfica, não se eximiram de plantar tretas!

Lamento o facto da nossa parte não ter sido mais competente e pouco mais poderei adiantar.

Basta ver a forma como a vergonha se apudera daqueles que não são capazes de permanecer em campo num final de jogo que encerra a temporada em jogos no Dragão. 

O mundo é composto de mudança.

Assumam-se novas vontades.

Lembrando o grande Salvador Sobral apetece-me dizer que não é preciso fogo de artíficio para se pôr uma equipa a jogar futebol!

O Futebol Clube do Porto tem nas suas raizes muita gente capaz de repor o azul e branco no rumo que o mesmo merece: o caminho das vitórias mesmo em mares agitados!

 

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

esteves.jpg

 

Batalha Afonsina

helderrod 11 Fev 17

Apetece dizer que o FCPorto diminuiu a desvantagem para um ponto. E esse é o ponto. A luta pelo campeonato está renhida, o que torna o Dia de Clássico desta temporada ainda mais interessante. Aproveito desde já para saudar os meus "convloggers" deste espaço do qual tenho a honra de poder fazer parte.

Na verdade, hoje não estávamos em Junho de 1128, mas o jogo disputado com os vimaranenses mais parecia a célebre Batalha de São Mamede. Todavia, não houve nenhum confito geracional, nem familiar. Assistiu-se, isso assim, a uma excelente partida de futebol, não pela sua espectacularidade mas pela extrema competitividade plasmada pelos jogadores de ambas as equipas.

Numa primeira parte intensa a meio campo, valeu o sentido de oportunidade de Soares que muito respeitosamente facturou contra a antiga equipa. Tratou-se de um desafio muito físico que se adivinhava difícil. O onze inicial gizado por Nuno Espírito Santo antevia essa tracção apontada a miolo e isso quebrou a vertente mais bela e romântica deste FCP. 

A razão parece querer sobrepor-se ao coração azul e branco de quem gosta de bom futebol. Porém, o futebol pragmático está a dar pontos fundamentais na luta pelo título. 

Assim continuou a segunda parte. Uma postura firme perante um Guimarães que forçava, mas que encontrava a parede defensiva dos azuis e brancos. Até o Brahimi se bateu com bravura naquele denso povoamento no centro do terreno. 

No meio de um Xistra (que mais parecia o bobo meio perdido na corte) pouco equitativo no capítulo disciplinar, as alterações procedidas pelo FCP romantizaram um pouco a segunda metade da segunda parte. Com Corona e sobretudo com Diogo J (um DJ que fez com que a música fosse outra) bem mais abertos nas alas, os Dragões criaram mais oportunidades de golo, concretizando um e trazendo uma maior justiça ao resultado.

Desta vez, o Afonso perdeu, mas vendeu bem cara a derrota nuns saporíssimos três pontos conquistados aos conquistadores.

E assim se constroem os campeões. Na raça (como diria o grande Cândido Costa) e na irreverência da juventude. Parabéns às equipas. Parabéns ao FCP!

 

É já na sexta com o Tondela. E venha de lá agora esse Viriato de Viseu para mais uma dura batalha rumo ao título!

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

VSCFCP1617.jpg

 

Assim chegaram a Belém, vestidos de amarelo os azuis e brancos...                         Não sou de todo supersticioso, mas este amarelo parece o primeiro passo para a palidez do FCPorto.

Numa noite de pluviosidade ininterrupta no Restelo, a equipa deixou-se levar na confusão gerada por constantes confrontos mais ríspidos daquele que parecia o jogo da vida do Belenenses. Quanto a isso nada a dizer. Mas que joguem sempre assim, independentemente de cederem lugares privilegiados aos dirigentes vizinhos.

Todavia, a escassez de oportunidades por parte do FCPorto foi assustadora, recordando apenas a precipitação de Oliver e o cabeceamento do Marcano na segunda parte. 

Volto a perguntar após o quarto empate consecutivo: agora de quem é a culpa? 

Quando se mantém a insistência da não utilização de importantes activos da equipa já não podemos falar de opções, mas de algo mais. Algo que transcende a teimosia, o fala muito e acerta pouco, a passividade e a carência de assertividade.

As pessoas que se deslocaram de todos os pontos do país ao Restelo não mereceram aquela lassidão e aquele vazio de soluções. Aquela gente passou mais de noventa minutos à chuva, porque esses sim. Esses são os verdadeiros pilares da equipa. Quanto ao resto são palavras. Muito bonitas e aparentemente eruditas, mas após espremidas valem zero. Não, o FCP não é para ti. Contigo, não somos Porto. Assim: fomos Porto. Está na hora, porque a porta está aberta. 

Deixo aqui um repto. Quando se ama verdadeiramente algo, devemos zelar pelo bem desse objecto acima de tudo. Está na altura de o demonstrar. Seria a melhor forma de manter a honorobilidade e a elevação. O Porto é grande de mais para quem provou ainda tão pouco. 

 

Força, Porto! 

Hélder Rodrigues

open-door.jpg

 

Costumava-se dizer nesta competição tão querida dos portugueses "hoje houve taça!". Porém, há agora uma novidade que se confunde com a clássica expressão. Hoje houve Capela. 

Mais uma vez, o homem puxou dos galões e desta feita não assinalou três penalties ao FC Porto e, por ventura, um outro ao Chaves. É um INCOMPETENTE que demonstra o quão podre está a arbitragem em Portugal.

Sei que pareço repetitivo. Mas a realidade obriga-me a reiterar a inaceitável toada das arbitragens nos jogos do FC Porto. Neste momento o rácio é o seguinte: 13/11! Dividam agora 13 por 11. Depois, multipliquem por 100. Obterão a percentagem do coeficiente da arbitragem a roubar penalties ao Futebol Clube do Porto.

Não podem brincar assim com a Instituição Futebol Clube do Porto. 

Aqui não há dúvidas entre o vapor e o cuspo. São 13 penalties em 11 jogos. Uma dúzia de abade.

Uns queixam-se por causa de um jogo no qual chegam ao empate num penalty inexistente sobre Gonçalo Guedes.

Outros passeiam miríades de maus exemplos para os jovens, cuspindo indiscriminadamente para tudo e para todos. Ainda ontem foram precisos penalties simulados e dois golos foras de jogo para amenizar o putativo escândalo...

E, no entretanto, há um clube. O melhor clube português consubstanciado pelos sete títulos internacionais que lhes confere um prestígio inigualável e díspar no nosso futebol continua a ser vilipendiado de forma constante pela arbitragem, pela maioria da imprensa e da opinião.

Isto tem que acabar! Dê para onde der.

Contudo, houve também um cibo de incompetência em terras transmontanas. 

Adivinhava-se uma tarefa difícil em Chaves, mas no escalonamento do onze houve falhas. Este era o jogo mais importante para as hostes portistas no presente. Como tal, as opções deveriam passar pelo melhor onze. Assegurar a passagem bem cedo e gerir o resto do jogo era claramente a melhor solução.

De que vale falar em pilares, se removemos a importância dos alicerces? Em tempos criticavam o treinador basco por desconhecer a importância desta competição no futebol português, aquando do jogo Porto-Sporting há duas épocas atrás num contexto pós-selecções. O que têm para dizer agora?

Agora há que olhar em frente e não facilitar em Copenhaga. Entrar com tudo na próxima terça-feira, porque a margem de manobra reduziu-se um cibo e os portistas estão atentos.

 

Força, Porto! Hélder Rodrigues

Créditos fotográficos: Raurino Monteiro

 

 

received_10154690251269197.jpeg

Espero que o Nuno tire as suas conclusões deste jogo para Sermos Porto. Parabéns aos flanqueadores. Força, Porto! Hélder Rodrigues

Zona J aos Murros na Mesa

helderrod 2 Out 16

Et voilá! Dois anos depois, o FCPorto quebra o enguiço da Choupana e vence o Nacional da Madeira. Com quatro golos sem resposta, os azuis e brancos de amarelo arrancaram uma boa exibição com mais remates à baliza, com variação de jogo e fundamentalmente com mais alegria.

Na verdade, a equipa soube responder bem à exibição menos positiva em Leicester bem como a todos os profetas da desgraça que anunciavam a hecatombe deste Porto na Madeira, antes da pausa para as selecções.

É curioso ver que, para além das clássicas Benfica TV e CMTV, também a TVI se une à tentativa de menorização do melhor clube português. Inclusivamente, no passado programa Mais Futebol da TVI24 pudemos assistir a um baile de escárnio a Depoitre e à equipa do Porto, com risos e piadas mordazes. 

Porém, o tiro saiu-lhes pela colátera no Estádio Afonso Henriques e a desgraça caiu no engraçado leão. É a vida!

Da exibição na Madeira sai obviamente um rasgado elogio a Diogo J que enfatizou a força de um FCP muito jovem nesta jornada. O murro na mesa que Nuno Espírito Santo pedira foi consumado na Madeira. É justo dizê-lo, porque aqui critiquei a equipa na passada terça-feira, que houve progressos os quais deverão permanecer de forma constante nos azuis e brancos.

Espero que em Brugges a Zona J se mantenha em grande, para encarrilarmos na Champions. Importa fazer jus à grandeza do emblema azul e branco numa competição em que o inegável prestígio do clube é um dado adquirido.

Parabéns a todos! 

 

Força, Porto

Hélder Rodrigues

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários