Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

MENU

Há males que vêm por bem

helderrod 22 Mai 17

Pronto. Chegámos ao fim de mais um campeonato e com ele a segunda derrota no mesmo, num jogo em que o FC Porto volta a sofrer mais do que um golo nesta competição. 

Importa agora entender em jeito de balanço que, mesmo ganhando, este Porto de Nuno Espírito Santo poderia apenas ter igualado a pontuação do ano anterior. 

Não obstante as circunstâncias específicas deste campeonato, é necessário perceber o insucesso do trabalho desenvolvido pela presente equipa técnica. Essa carência de praticidade e, se quiserdes, de qualidade efectiva deixou-nos sempre longe do primeiro lugar. 

Fui dizendo aqui que não adianta andarmos para a frente se passarmos a vida a olhar para trás. Cai por terra a ideia repisada dos desenhos e do discurso monocórdico e passivo. Entende-se no presente momento que a oportunidade apresentada ao percussor do Somos Porto esfumou-se. 

Com efeito, o Somos Porto foram apenas duas palavras que perderam o seu sentido a cada jornada que íamos passando. Aqui no Porto dizemos muitas vezes "menos paleio e mais acção" e, na realidade, faltou muita acutilância nos jogos em casa.

Desde as opções iniciais com impedimentos ambíguos, às trapalhadas no miolo do campo e na típica substituição aos 65 minutos, a maioria dos portistas foi percebendo que ainda não seria este o ano da mudança. Urge sangue novo na casa do Dragão. Gente mais irreverente, mais cáustica até, cuja energia se paute pela capacidade técnica e competência. Pedimos que não nos percamos em lirismos, exigimos a simplicidade e o inconformismo doutras primaveras.

O futebol é demasiado concreto para estarmos constantemente a abstraí-lo. Aguarda-se uma resposta cabal no curto prazo. Uma resposta assertiva e inequívoca. A ver vamos. Desejo todas as felicidades do mundo ao NES, com a esperança que esse futuro não passe pelo Dragão. 

Todavia, para lá desta parca competência em momentos-chave do campeonato, seria preciso um FC Porto muito forte para contrariar a imensurável trafulhice inquinada neste campeonato. 

O vencedor teve pouco brilho. Este campeonato foi coisa muito feia. Inúmeras condicionantes foram empurrando a ansiedade para se dar um tetra já pouco inédito na História do futebol português.

A máquina propagandística da Luz continua a carborar a alta velocidade. São capazes de tudo para ludibriar a boa gente. Custa muito ver estes unanimismos nas TV, nos jornais e na rádio que visaram sempre normalizar a grande quantidade de actos injustos em campo e nos bastidores.

Veja-se agora a colagem do slb à Sic publicitando a proximidade encarnada perante o Vídeo Árbitro.

Não deixa de ser risível esta hipocrisia na véspera de uma final onde os encarnados nem sequer mereciam o direito à presença na mesma. Recorde-se o fora de jogo visto por todos a olho nu no campo do Estoril e da inacreditável anuência da equipa de arbitragem.

É o culminar de um verdadeiro embuste, digno da mais reboscada manobra de diversão de uma série de ocorrências só credibilizadas por um povo benfiquista sedento de vitórias.

Aliás é perceptível o complexo de inferioridade relativamente ao grande FC Porto. Não adianta quererem iludir a verdade. A verdade de um triplete é a conquista do campeonato, da taça do país e de um título internacional e não o embuste que quiseram impingir ao zé povinho, quando deturparam a essência da coisa.

Como cidadão, custa ver como em pleno século XXI é possível ver a forma como as massas conseguem ainda ser manipuladas. 

Perante evidências de corrupção, de dívidas bancárias, de dualidade de critérios querem conferir legitimidades.

Lamentavelmente, este foi um campeonato ferido na verdade, dilacerado pela impunidade de uns contrapondo com a opressão de outros. Lá no fundo, estas vitórias ilegitímas terão com certeza um sabor diferente. São vitórias de macete numa sueca aldrabada. Assim foi. O inédito treta do Benfica chega ferido na equidade e no mérito. E provavelmente nem teria sido preciso poupar o quinto amarelo a jogadores, adulterar repetições de lances capitais, suprimir grandes penalidades sucessivas ao adversário directo e castigar jogadores fundamentais. Provavelmente, teríamos o mesmo campeão. Mas impoluto.

É importante que saibam da atenção de muitos portistas e que esta máquina das TV compradas, da imprensa e da rádio em conluio com as trapalhadas na Luz funciona só para quem vive este desporto de uma forma supérflua. 

Pois quem estiver minimamente atento aperceber-se-á da podridão que subjaz nas vitórias mais recentes das águias. Disso jamais se poderão escapar. 

Esperando mudanças profundas para a próxima época, desejo que o FCPorto possa a voltar em força para suprir as adversidades endógenas e exógenas.

Estou confiante!

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

Após mais uma fabulosa venda de fraldas em terra de candeeiros, em que mais uma vez o vencedor não terá feito tanto para o merecer, importa destacar que a treta mais uma vez se evidenciou.

Com mais um golo conquistado no que ao golaverage diz respeito, o FCPorto cumpriu os serviços mínimos nas ventosas terras flavienses. 

Na verdade, a disposição táctica gizada permite efectivamente uma maior consistência no onze. Isso notou-se. O Chaves não criou quaisquer situações de golo no curso dos 90 minutos e, apesar de não termos tido um grande Porto em Trás-os-Montes, o que é facto é que a eficácia aumenta quando as pedras estão no sítio certo e a saber claramente aquilo que devem fazer. 

Para esta vitória muito contribuiu o grande jogo de André André que mereceu ter colorido a sua exibição com um belo golo, após um excelente passe do não menos influente Otávio. 

Com o regresso do tão injustamente castigado Brahimi e com a esperança de se ver um Corona mais consistente e menos condicionado fisicamente, a próxima ronda será eventualmente a Mãe de Todas as Jornadas. Estará ali o ouro para o FCP acreditar. Assim, os azuis e brancos têm de ir com tudo à Madeira pois será em Vila do Conde o local onde o Benfica terá aprioristicamente maiores dificuldades. Na verdade, mais do que o bom futebol que os vilacondenses têm vindo a jogar, esta jornada poderá espoletar um efeito psicológico importante. Importa enfatizar que nem sempre é Natal e o SLB poderá também estar a uma derrota de perder o campeonato.

Faltam três finais.

Ora, como triunfo deste clube em grandes finais já tem 55 anos, o Rui Vitória também pode ver-se forçado a mandar o treta para o arquivo. 

Quanto à outra final onde também estarão presentes (à custa de um golo ilegal) falaremos mais tarde.

 

Força Porto!

Enquanto houver bola a rolar, a gente vai pressionar!

Hélder Rodrigues

IMG_20170429_223902.JPG

 

Estomatologia e silêncios

helderrod 28 Nov 16

Muitos são os que questionam (e bem) a ausência de Brahimi no FC Porto. Porém, deixo aqui a pergunta que o pacto de silêncio dos comentadores e jornalistas pro-benfica exige que não se questione.

 

O JARDEL JÁ ESTÁ MELHOR DA DOR DE DENTES?

Hoje mais uma vez foi Dia de Clássico. Porém com contornos diferentes...

Devo começar esta crónica por enfatizar a festa magistral proporcionada no Estádio do Dragão. Foi maravilhoso ouvir com sentida saudade a canção: Porto, Porto, Porto, és a nossa glória....e sentir a osmose entre os adeptos e a equipa. Fica a sensação de que os jogos no Dragão poderiam ser envolvidos mais vezes neste fabuloso ambiente que se gerou nesta tarde fresca de Domingo.

received_10154651570899197.jpeg

 

Na verdade, ficou aqui mais uma vez demonstrada toda a supremacia do FC Porto perante uma águia salgueirista. Este é o Benfica que se apresenta sempre no Dragão. Encolhidos, recolhidos, vermelhos e pequeninos como o Salgueiros (com todo o respeito ao salgueiral). 

Para os leitores menos atentos, devo adir que o Estádio do Dragão se situa ao lado da freguesia de Paranhos (terra do Salgueiros).

As águias de salgueiros chegaram ao Porto com uma estratégia de antijogo em que todos os instantes eram aproveitados para perder tempo. O senhor árbitro ofereceu ao Ederson 45 minutos de pleno gozo de conduta antidesportiva, dando apenas 3 minutos no fim da primeira parte.

Entretanto, os azuis e brancos deram uma grande lição de bola aos putativos favoritos. Foi um verdadeiro festival de futebol em contraponto com um verdadeiro mau trato à bola de pontapé para a frente. Mas o Benfica não esteve só. Soares Dias esteve muito mal em algumas decisões. Ainda está por explicar a razão pela qual o golo de Felipe foi anulado. Das duas uma: ou marca penalty de Mitroglou ou valida o golo. Está igualmente por justificar a grande penalidade cometida por Lindelof sobre o aniversariante André Silva que é agarrado e impedido de marcar o segundo golo do FC Porto. Mais do mesmo. 

Dez penalties em dez jogos enformam uma eficácia de 100% no que ao furto diz respeito. 

Porém, tudo passa pelos pingos da chuva e mais uma vez o clube da Luz foi bafejado pela sorte numa muito infeliz acção de Herrera, quer na cedência do canto, quer na permissividade a André Horta para efectuar o cruzamento.

É indubitavelmente frustrante perder pontos com uma equipa de mentalidade pequena, que se menoriza sempre no Dragão a quem já não vencem há três jogos no confronto directo. Dei comigo a perguntar para o lado. É este o tricampeão de Portugal?

Um Benfica do tamanho do Salgueiros não tem categoria para triunfar na casa do melhor clube português.

As pessoas pagam bilhete para ver um clássico e não um derby de Paranhos.

 

Força, Porto!

 

Hélder Rodrigues

P.S.: Espero que o Jardel já esteja melhor dos dentes. Parece que a dor gengival o impede de renovar pelo Benfica.

Créditos Fotográficos: Raurino Monteiro

O futebol é de facto uma verdadeira caixinha de surpresas. No final de tarde, a jornada foi surpreendente. 

As vitórias forasteiras do Chaves, do Paços e do Feirense já constituam a peculariedade desta ronda, mas o empate do FC Porto em Tondela e, mormente, a derrota do Sporting em Vila do Conde após uma vitória de elevada moral, com a derrota em Madrid foi interessante. É caso para dizer que pela boca morre peixe nas Caxinas...

Quanto ao meu FCP parece-me incompreensível tamanha confusão. A lentidão no jogos traz sempre consequências e a parca objectividade também. É preciso muito mais. Exige-se muito mais.

É importante mostrar a título de exemplo aos avançados do FC Porto a forma como Messi, Suarez e Neymar endossam sempre a bola ao colega que está melhor posicionado para concretizar. Hoje ficou a sensação que se houvesse mais "cabecinha" o Porto chegaria aos golos.

Importa igualmente adir que é inadmíssivel a forma como um árbitro beneficia o infractor prejudicando directamente o Porto que, na pessoa de Adrian Lopez se isolava num dois para um, para concretizar o golo. Não se pode aceitar este erro crasso do árbitro Hugo Miguel.

Todavia, o Porto precisa de mudar e muito no que à dinâmica de jogo diz respeito! Ainda há muito campeonato e pode ser que o Braga nos possa surpreender na Luz.

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

E Pluribus Taliscum...

helderrod 13 Set 16

Porque a hipocrisia é algo que não me assiste, pois a rivalidade é salutar cá vai: E Pluribus Taliscum. All Rights reserved. Hélder Rodrigues

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários

  • Dedetê

    Caro imbecil,Tendo em consideração que o caro é co...

  • helderrod

    Caro DDT,Tem toda a razão quanto ao atentar + em.....

  • Dedetê

    Anónimo, eu também te posso pedir o que quiser. O ...

  • Dedetê

    Ó seu imbecil, o que está em questão é a regência ...

  • manuel costa

    ManostaxxSaiba onde estão os seus filhos, esposo/a...