Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

MENU

Empate. Assim foi o produto de todos factores, das imensas palavras e imagens que antecederam este clássico. E que clássico!

E tudo começou como o costume. O bobo da corte encarnada, que mais parece um tolinho saltitão lá cravou um penalty a um desastrado Filipe, promovendo um contacto hilariante. Curiosamente, a exímia Benfica TV nunca voltou a repetir o lance em câmara lenta. Passou-o sempre em tempo real. Eles lá saberão porquê e eu também! Se o Filipe tivesse a experiência de Nuno, que se manteve calmo e sereno perante a abordagem de Jonas que fez figura de palhaço ao procurar simular novamente uma suposta agressão do treinador portista. O artista foi tão fraquinho que merecia um cartão amarelo pela proeza falhada...

Todavia, o FC Porto demorou trinta minutos a entrar em campo. Parece ter esperado por muitos adeptos que só puderam entrar mais tarde no Estádio da Luz pelo facto de terem sido retidos na parca competência da organização.

Depois destes trinta minutos de litargia em campo com um envergonhado remate de Óliver Torres aos 19, o FC Porto começou a assentar jogo e foi bastante personalizado em campo. O Benfica nunca mais foi capaz de criar perigo para além do penalty sacado e viu-se forçado a jogar com duas linhas de 4 bem juntas e compactas.

Na segunda parte, as coisas mudaram um pouco e Casillas esteve irrepreensível na defesa do título, uma vez que aquela pode mesmo ser a defesa do título. Numa constante luta de meio campo em que mais uma vez PIZZI PASSA PELOS PIZZIS DA CHUVA SEM LEVAR AMARELO, importa destacar o valor e qualidade de jogo, quer de André André, quer de Óliver Torres não desfazendo o incansável Danilo. 

Porém, ao contrário do que diz Rui Vitória, o FC Porto pôde também chegar com muito perigo à baliza do não menos talentoso Ederson. Para lá do histórico golo de Maxi Pereira em plena estádio das Lâmpadas Gigantes, o Porto ameaçou a baliza num lance de golo iminente que Soares não conseguiu concretizar, perante uma excelente saída de Ederson que foi capaz de "roubar" a bola em plena grande área. Depois há um lance de um escandaloso de um fora de jogo mal assinalado a Diogo J que se ia isolar para a baliza. É que nem com a aldrabada linha branca da BTV conseguiram dissimular o erro da arbitragem. 

Ao contrário do que dizem, o Xistra nem esteve bem nem mal. Esteve uma XISTRADA com muitas paragens no jogo e um critério disciplinar completamente parcial. Quantos amarelos levaram os jogadores do Benfica? 

Em suma, o empate foi efectivamente o resultado mais justo. 

Não deixa de ter piada o Professor Vitória apregoar pela injustiça, após aquilo que aconteceu na primeira volta no Estádio do Dragão. O FCPorto nunca foi inferior ao Benfica, nem nunca pôs um autocarro para segurar o empate. Rui Vitória tem que se convencer que o seu Benfica só é algo forte com os fracos e sofrível com os fortes. Porém, continua a impingir ideias desvirtuadas aos adeptos. A verdade é que não foram capazes de fechar as contas do campeonato em casa e agora vão andar de cabeça perdida a fazer figas....

O treinador do FCP foi inteligente nas substituições pois percebeu e bem que, MAIS VALE TER O EMPATE NA MÃO QUE UM CAMPEONATO A VOAR e não quis deitar tudo a perder se arriscasse a presença de dois avançados em simultâneo. Parabéns ao treinador e à forte personalidade da equipa. Jogamos à Campeão ao contrário do que fizera este mesmo adversário na primeira volta no Dragão!

 

Força, Porto! 

Hélder Rodrigues

Carpideira é uma profissional feminina cuja função chorar para um defunto alheio. É feito um acordo monetário entre a carpideira e os familiares do defunto, a carpideira chorava e mostrava seus prantos sem nenhum sentimento, grau de parentesco ou amizade. Existiam desde os tempos de Cristo, mas quem iria imaginar que sobrevivessem até os dias de hoje? No Brasil, são poucas as profissionais, principalmente no Nordeste, das quais se exige talento para chorar copiosamente e, mais do que isso, sensibilidade.

 

É um pouco isto.

Após um início optimista onde advogavam o conluio com a estruturas do futebol. Era tudo uma alegria para os lados da Luz.

Agora, ao sentir o aperto e a pressão de um FCP mais unido e coeso, lembraram-se do amuo e do papel de coitadinhos. Isso fica mal. Roça o ridículo e o expoente máximo da ingratidão perante quem foi protector e prestador de serviços de colo e baby sitting.

 

Será que os verdadeiros e grandes benfiquistas vão nesta conversa propagandística?

Não será mais importante questionarem por que razão Jardel, Lisandro Lopez, Jimenez e até Rafa não jogam?

 

Nada tenho a ver com isto como portista, mas será que os benfiquistas a sério não deverão colocar a palhinha propagandística de lado? 

Pensem nisso. 

 

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

 

carpideiras3.jpg

 

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Mais comentados

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários

  • Anónimo

    Ao contrário do jogo contra o Braga o Vídeo- Arbit...

  • manuel costa

    Deixo aqui um alerta para os ovos contaminados no ...

  • Eduardo Louro

    Também concordo, Joana.

  • Joana

    Concordo! No entanto, como benfiquista, posso afir...

  • Anónimo

    ManostaxxO creme facial personalizado de 5 mil eur...