Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

MENU

ESTORIL out of GATE

helderrod 29 Mai 17

Com a anuência do senhor PR, está encerrada com chave de ouro a temporada mais suja do futebol português nos últimos 40 anos. Uma vergonha, um embuste, um exemplo que jamais deverá ser repetido!

18765567_10207924860114005_778887110955370718_n.jp

 

 

 

 

P.S. ESCLARECIMENTO: Para os mais desatentos, um TRIPLETE é um feito desportivo consubstanciado por uma vitória no campeonato nacional, uma vitória da taça do país e uma vitória numa final internacional na mesma época. Isso aconteceu com Mourinho na vitória da Taça Uefa, Campeonato e Taça de Portugal em 2003 e com Andé Villas Boas, quando o Futebol Clube do Porto venceu a Liga Europa, a Taça de Portugal e o Campeonato Nacional com mais de duas dezenas de pontos de avanço em 2011.

Não adianta enganar as pessoas, porque a propaganda encarnada tem os dias contados! 

 

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

 

 

Hoje temos tetra com dobradinha

Eduardo Louro 28 Mai 17

Benfica conquista Taça de Portugal

 

Aí está a dobradinha, a décima primeira, a abrihantar o tetra. Depois do 36, aí está a 26!

A final da Taça foi a festa do costume. Nem a chuva a estragou, porque não há festa como esta, chova ou faça sol.

A chuva, que caiu copiosamente durante a maior parte do jogo, não estragou a festa. Mas não ajudou nada no jogo. Foi notório, em especial na primeira parte, que precisava de ajuda para se tornar mais interessante e  mais agradável de ver. Pela chuva, certamente, mas também por outras razões, a primeira parte foi assim para o fracote. Com muitas interrupções, muitas faltas, empurrado pelos  jogadores do Vitória para uma dimensão muito física.

A lesão de Fejsa, obrigando-o a abandonar o relvado logo aos vinte minutos, foi a primeira consequência desse caminho que o jogo tomou. Receou-se que pudesse marcar o resto de jogo, e pelo menos acabou por  marcar o resto da primeira parte. Onde o Benfica teve mais bola e  produziu mais jogo, mas não deixava uma ideia de grande superioridade.

A segunda parte foi bem diferente. O jogo subiu de qualidade, muito por efeito da chegada de Jonas ao jogo. Com uma entrada forte, e com Jonas a fazer o que faz como mais ninguém - não merecia que a trave lhe roubasse aquele golo - , o Benfica virou o jogo do avesso. Fez o primeiro golo logo aos dois minutos, e o segundo aos sete. Aos dois golos em cinco minutos, sucedeu-se mais uma série de oportunidades nos seguintes. O Benfica tinha o domínio e o controlo do jogo, e já só faltava acrescentar golos ao resultado. Mas a bola teimava em não voltar a entrar, mesmo quando já a víamos dentro da baliza. O espectro da goleada do jogo do tetra pairou no Jamor, mas o  2-0 manteve-se, teimoso. E mentiroso.

Mais mentiroso ficou quando, a uma dúzia de minutos do fim, num canto, o Vitória marcou. Nos doze - mais os quatro de compensação - que se seguiram, oportunidades de golo, só para o Benfica. Mais três, ainda, fazendo com que o resultado tenha acabado por ser  ainda mais mentiroso que o video árbitro. 

O problema não está no vídeo, esse funciona. O problema está - e lá continua - no árbitro. O video mostrou dois penaltis, mas o árbitro não os viu. Então aquele aos 55 minutos.... O  árbitro (Hugo Miguel), depois de estar em comunicação com o video árbitro, mandou seguir o jogo.

Parece que a verdade desportiva pode esperar. O corporativismo é que não. E sabe-se que Portugal tem fortes tradições corporativas.

Mas isso agora não interessa nada. O que interessa é que, mesmo assim, o Benfica fechou a época em beleza. Tetra com dobradinha, sabe ainda melhor. E o grande capitão já igualou o mais titulado jogador do Benfica. Ninguém ganhou mais que Luisão e Nené: 19 títulos. É obra!

Coisas boas. E más...

Eduardo Louro 15 Dez 16

 

Resultado de imagem para real massama

 

O jogo da Taça que apurou (3-0) o Benfica para os quartos de final da competição, ontem à noite com o Real, de Massamá,  teve duas coisas boas: a exibição, na segunda parte, e os golos. E duas coisas más, mesmo péssimas: a primeira é que Carrillo nem para estes jogos serve; a segunda é que a notícia da recuperação de Jonas é francamente exagerada!

No fim, bem feitas as contas, as más superam as boas...

A Taça merece luxos destes...

Eduardo Louro 19 Nov 16

Benfica-Marítimo, 6-0

 

A Taça tembém merece este Benfica. A Taça também merece este futebol!

Que fantástica exibição fez o Benfica!

O Marítimo não teve tempo para nada. Entrou como é costume entrarem os adversários do Benfica, com uma ideia de pressionar logo na primeira zona de construção, coisa que, como se sabe, é possível fazer enquanto há pernas e pulmão..Tem esse problema: não é possível fazer durante todo o tempo. Mas tem outro: se a equipa consegue ultrapassar essa zona de pressão fica logo em vantagem, porque os adversários ficaram para trás, e já sem condições de recuperar.

Foi o que aconteceu logo após a bola de saída. O Benfica saiu da pressão que o Marítimo montou, passando pela teia montada como cão por vinha vindimada, e fez logo o primeiro golo. E o Marítimo ficou ali, como quem fica a meio da ponte: sem saber muito bem se devia cumprir o plano de voo que trazia. Percebeu-se que o abandonou, não voltou a pressionar alto e aconchegou-se lá atrás, a ver jogar o Benfica.

E o que viu... E o que vimos... Que jogo!

A primeira parte foi absolutamente espectacular, com um futebol de ataque permanente, com soluções para todos os problemas, em jogadas a um ou dois toques, numa dinâmica verdadeiramente extraordinária. A ponto de, ao intervalo, apenas os números surpreenderem: três golos para tanto futebol era surpreendente. Tão surpreendente como as estatísticas de posse de bola: não dá para acreditar nos 72%  apresentados. Pelo que víramos, não dava para acreditar em tudo o que fosse menos de 90% ...

A segunda parte, meso sem nunca ter baixado do exigível a uma grande exibição, não teve o mesmo nível. Mas teve o mesmo número de golos, que fizeram subir o resultado para a meia dúzia - todos de rara beleza, incluindo o quinto, de penalti -, o maior resultado da época. A condizer com a melhor exibição da temporada. E a deixar excelentes indicações para o que aí vem. Em especial para o que aí vem já na quarta-feira, na Turquia.

 

Costumava-se dizer nesta competição tão querida dos portugueses "hoje houve taça!". Porém, há agora uma novidade que se confunde com a clássica expressão. Hoje houve Capela. 

Mais uma vez, o homem puxou dos galões e desta feita não assinalou três penalties ao FC Porto e, por ventura, um outro ao Chaves. É um INCOMPETENTE que demonstra o quão podre está a arbitragem em Portugal.

Sei que pareço repetitivo. Mas a realidade obriga-me a reiterar a inaceitável toada das arbitragens nos jogos do FC Porto. Neste momento o rácio é o seguinte: 13/11! Dividam agora 13 por 11. Depois, multipliquem por 100. Obterão a percentagem do coeficiente da arbitragem a roubar penalties ao Futebol Clube do Porto.

Não podem brincar assim com a Instituição Futebol Clube do Porto. 

Aqui não há dúvidas entre o vapor e o cuspo. São 13 penalties em 11 jogos. Uma dúzia de abade.

Uns queixam-se por causa de um jogo no qual chegam ao empate num penalty inexistente sobre Gonçalo Guedes.

Outros passeiam miríades de maus exemplos para os jovens, cuspindo indiscriminadamente para tudo e para todos. Ainda ontem foram precisos penalties simulados e dois golos foras de jogo para amenizar o putativo escândalo...

E, no entretanto, há um clube. O melhor clube português consubstanciado pelos sete títulos internacionais que lhes confere um prestígio inigualável e díspar no nosso futebol continua a ser vilipendiado de forma constante pela arbitragem, pela maioria da imprensa e da opinião.

Isto tem que acabar! Dê para onde der.

Contudo, houve também um cibo de incompetência em terras transmontanas. 

Adivinhava-se uma tarefa difícil em Chaves, mas no escalonamento do onze houve falhas. Este era o jogo mais importante para as hostes portistas no presente. Como tal, as opções deveriam passar pelo melhor onze. Assegurar a passagem bem cedo e gerir o resto do jogo era claramente a melhor solução.

De que vale falar em pilares, se removemos a importância dos alicerces? Em tempos criticavam o treinador basco por desconhecer a importância desta competição no futebol português, aquando do jogo Porto-Sporting há duas épocas atrás num contexto pós-selecções. O que têm para dizer agora?

Agora há que olhar em frente e não facilitar em Copenhaga. Entrar com tudo na próxima terça-feira, porque a margem de manobra reduziu-se um cibo e os portistas estão atentos.

 

Força, Porto! Hélder Rodrigues

Créditos fotográficos: Raurino Monteiro

 

 

received_10154690251269197.jpeg

Auto da Barca do Jamor

helderrod 3 Fev 16

Um jogo que não estava fácil                                                                             Samicas por causa dos nervos                                                                                 Mas o Dragão virou o galo                                                                                        que caiu pela primeira vez em Barcelos                                                                      O golo do Rúben foi boa cousa                                                                                   O Porto começou-se a encontrar                                                                                  A segunda parte foi oitra lousa                                                                                 com o Suk a voar                                                                                                   Ainda está difícil aplicar a lei catorze                                                                   parece que temos que arrancar pernas                                                                   ficam tantos penalties por marcar                                                                           Quer ao Porto e nas tabernas                                                                               Depois veio o Sérgio Oliveira                                                                                    que segundo o Lobo deu na aranha                                                                         Fez um golo de algibeira                                                                                            No ângulo! Que façanha!                                                                                     Quase prontos para o Jamor                                                                                        A odisseia no Império                                                                                                 Na capital a Maio em flor 22                                                                                          é para jogar a sério!                                                                                        

 

Parabéns à equipa que pode e deve fazer melhor, porque na História demos o nome a Portugal transcendemos a sua língua e essência tal como o grande senhor do teatro que se chama Gil Vicente!                                                                          

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários

  • Bruno Marques

    De facto estas papoilas como não têm argumentos li...

  • OLP

    Por alguma razão o treinador não gostou de saber q...

  • Anónimo

    26? 29? 36? Mete tudo no K. E tu, lourinho, manda ...

  • Não são 26....

    ... são 29 taças de Portugal.Ou se consideram as 4...

  • Anónimo

    ahahah, que grande cabeção que para ai vai!!!Desca...