Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

14
Nov12

Um adeus português

Eduardo Louro

 


A selecção nacional de futsal foi afastada nos quartos de final do campeonato do mundo que decorre na Tailândia por uma selecção do Brasil vestida de azul, ao serviço da Itália. Talvez esteja aí a explicação para algumas decisões de uma senhora brasileira que integrava a equipa de arbitragem … Não devia valer: um árbitro de um jogo não pode ser compatriota de uma das selecções que o disputa!

Quando, a meio da primeira parte, a selecção portuguesa ganhava por três a zero – três golos do Ricardinho – não passava pela cabeça de ninguém que ainda não fosse desta que ganhássemos à Itália. Mas ainda não foi desta…

Num grande jogo de futsal - o resultado ajustado ao que se passou seria para aí de 9 a 6 para Portugal, mesmo mantendo intocáveis as grandes exibições dos dois guarda-redes – faltou alguma sorte à selecção portuguesa. A Itália reduziu para 3-1 logo ao início da segunda parte, seguindo-se três ou quatro oportunidades para Portugal repor a vantagem, todas falhadas até que, nos cinco minutos finais, com recurso ao guarda-redes avançado (situação que o treinador italiano preparou em time out já depois de receber ordem de expulsão, que ignorou olimpicamente até acabar o seu trabalho, sem que nem árbitros nem delegados da FIFA interviessem), marcou os dois golos que levariam o jogo para prolongamento. O empate chegou nos últimos segundos, depois da senhora árbitra brasileira retirar a posse de bola aos portugueses numa reposição lateral, por supostamente terem sido ultrapassados os quatro segundos…

No prolongamento foi claro que a equipa nacional não teve força anímica para reagir. A sorte – que a equipa teria merecido - voltou a virar-lhe as costas em mais duas ocasiões claras de golo.

Portugal chegara aos quartos de final com uma vitória (Líbia), um empate (Japão) e uma derrota (Brasil), enquanto a Itália brasileira – ou o Brasil italiano, a ordem é arbitrária – chegava cem por cento vitoriosa mas, por este jogo, era a equipa portuguesa que deveria estar nas meias-finais. E apetece dizer que nem o Ricardinho merecia deixar este campeonato do mundo, nem este mundial merecia perder o Ricardinho!

 

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D