Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

24
Set13

Mais um Prospector de Protagonismo

joshua

Tinha de ser. Portugal e o Mundo têm agora o privilégio de conhecer Nuno Lobo. Ora, who the fuck is Nuno Lobo? Ninguém. Ninguém que importe. Não é o Papa Francisco. Não é Nelson Mandela. Não é João José Cardoso. Não é o Palavrossavrvs Rex. Não é nada de importante, salvo se, provocando despudoradamente os elementos convidados do meu clube, FC Porto, no Camarote do Estoril Praia, agora se faça de vítima, arrastando a atenção dos media sobre si e mostrando de que é feito um homem: de litigância. Há problemas, um bate-boca, um arrufo, uma cena mais viril? Litiga-se. Há chatices entre homens? Litiga-se. Nuno Lobo, tinha de ser, é mais um a querer mimo, atenção e festinhas, para efeitos auto-promotores e tentativa de denegrir outros, arrastando a sua nula importância à custa do meu FC Porto. Consta que é o Presidente da AF Lisboa. Pois. What a fuck vem a ser a AF Lisboa?!

23
Set13

A comédia da bola

Eduardo Louro

Perdidos os primeiros pontos na primeira dificuldade de um calendário que mais pareceu escolhido a dedo do que por bolinhas da sorte, perdido o conforto da sucessão de vitórias que um calendário à medida prometia garantir, fosse lá como fosse, como se vira em Setúbal e em Felgueiras, Paulo Fonseca apressou-se vir a palco desempenhar o papel que lhe tinha sido distribuído.

Percebeu-se que ninguém contava que fosse tão cedo chamado àquele papel. O desempenho em palco acabou por deixar à vista que os ensaios estavam atrasados, que nem o texto estava ainda bem estudado. A interpretação ressentiu-se e a mensagem passou mal, com grande dificuldade.

Valeu-lhe a ajuda da comunicação social, que não se limitou a emitir uma boa crítica. Encarregou-se ela própria de fazer passar a mensagem. Direitinha, fluente, sem hesitações nem tempos mortos…

Mesmo que não esclarecesse a atabalhoada confusão com os três campos. O primeiro e o segundo tinham ficado claros: Alvalade, onde o Sporting se deixou superiorizar pelo Rio Ave, não teve oportunidade de marcar em fora de jogo e viu o árbitro negar-lhe um penalti. E Amoreira, onde o Porto continuou a jogar pouco, viu uma mão de Otamendi - que já não devia estar em campo desde o início do jogo, por ter derrubado um jogador do Estoril que seguia isolado para a baliza de Helton -, fora da área, transformada num penalti. Mas, e o terceiro?

Em Guimarães não era certamente, porque aí voltou a ser mais do mesmo: um penalti daqueles universais – e não é por ser do tamanho do mundo, é por sê-lo em qualquer parte do universo onde se jogue à bola -, outro daqueles que, se a favor da sua equipa ou contra a do autor das preces, são sempre marcados, e dois foras de jogo mal assinalados, com Enzo Peres na cara do guarda-redes da casa. Em Arouca também não: aí prosseguiu a série de penaltis que os árbitros vêm perdoando ao Braga. Que pé ante pé, penalti aqui penalti ali, já está no segundo lugar, a um único pontinho…

Pois é Paulo, a mensagem passou, mas não ficou bem na fotografia. Não saiu bem e não foi bonito de ver. E já que lhe exigem esse papel, o melhor mesmo é acelerar os ensaios…

Mesmo assim, com horas extras nos ensaios, veja lá se consegue arranjar um bocadinho para visitar na prisão um colega de profissão que, ao que diz, lhe ensinou alguma coisa.

É que já não há dúvida nenhuma, o Jesus vai preso. Só não ficou logo preso porque a polícia teve medo!

Talvez se encontre lá com o Caldeira. Com o Pinto da Costa é que não... aproveitaria logo para o contratar!

Uma comédia, estas coisas da bola cá do burgo!

23
Set13

Olha, acordaram

joaopaulo74

Registo com agrado o regresso azul ao Dia de Clássico. Não há nada como a Democracia e a Justiça para melhorar a diversidade aqui no corner. Vai daí um tipo isolado para a baliza e é atropelado. Siga, que não passou nada. Se calhar ia vestido de amarelo...

Depois, mais a norte, ali onde dizem que o filho bateu na mãe para formar um país, um suplente, sobre a direita, adianta a bola e é rasteirado. Tudo, ao minuto 68 e dentro da área.

Siga a rusga porque não está vestido de azul.

Já imagino o que irá acontecer aos apitadores - o primeiro, vai apitar o Custóias. O segundo, promovido a internacional.

Mas confesso que admiro a vossa cara de pau...

23
Set13

Ganhar em três campos é caso de polícia

Eduardo Louro

Do jogo que o Benfica ganhou hoje, em Guimarães, ficarão os 3 pontos da vitória, a aproximação aos rivais,  e o comportamento do Jorge Jesus no final do jogo.

Mas deveria ficar mais!

Do jogo jogado deveria ficar uma partida extraordinariamente disputada, de uma rara intensidade competitiva. Raríssima mesmo, noutros jogos que não os do Benfica!

E fica um jogo sofrido e pouco bem jogado. Se o Benfica vinha de uma série de jogos em que as boas exibições individuais não tinham correspondência no desempenho colectivo, geralmente fraco, desta vez salvou-se o trabalho, que não a qualidade, do colectivo. As individualidades não apareceram, muito por força da tal intensidade que levou o jogo para uma dimensão física que, percebeu-se, não é a praia das individualidades benfiquistas.

Como fica mais um penalti claríssimo por assinalar, que certamente não fará qualquer primeira página dos jornais de amanhã. E o golo da vitória, que muita gente parece não ter gostado que tivesse sido marcado pelo Cardozo. Foi auto-golo, dizem… Ou chouriço, disse o Rui Vitória…

Depois - e depois do jogo - não se percebe, e foi essa a ideia com que fiquei, por que é que os jogadores deixaram camisolas na relva em vez de as atirarem, como é comum, aos adeptos. Para as bancadas. Alguns dos adeptos foram lá buscá-las – foram buscar as camisolas e não comemorar o que quer que fosse, é essa, repito, a ideia com que fiquei – e não o podiam fazer. Aos stewards e à polícia cabia impedi-los, como seria de esperar. O que não seria de esperar era a reacção de Jorge Jesus em defesa de um deles, capturado. Embora se possa perceber!

O que já não percebe é o que disseram os repórteres e comentadores da Antena 1, que viram o treinador do Benfica a agredir polícias e logo previram as correspondentes fortes sanções, estabelecendo logo ali um paralelo com o que se passara no túnel da Luz, há quatro anos atrás.

O que o treinador do Benfica fez é caricato e ridículo, só mesmo daquela personagem. Percebe-se por ser quem é, alguém que perde a cabeça com facilidade, mas também pela necessidade de (re)conquistar o coração dos adeptos, mas não o dignifica. Nem a ele nem ao Benfica!

Mas já não se percebe que não se tenha defendido – deve ter guardado a defesa para o Tribunal onde, ao que aprece, o assunto vai parar - que não tenha lavado a imagem, quando questionado sobre o incidente na conferência de imprensa. Não se percebe que não tenha percebido, nem ele nem ninguém do Benfica, que era bem melhor explicar-se que dizer aos jornalistas que não estavam ali para falar disso. E menos se percebe ainda que tenha achado boa a arbitragem. Que, depois de na antevisão do jogo ter referido - e bem – que os adversários andavam a ser ajudados e omitido – mal – que o Benfica andava a ser prejudicado, tenha achado boa uma arbitragem que lhe negara um penalti escandaloso, é sinal de completa desorientação. Se calhar a mesma que o levou a fazer mais aquela figura…

Logo numa jornada em que o Sporting - dos golos em fora de jogo e dos penaltis perdoados - tinha o primeiro prejuízo (penalti por assinalar) nas primeiras páginas dos jornais e o Porto – que ia ganhando sem jogar nada – continuando sem nada jogar, empatava no Estoril, prejudicado, ao contrário do que sempre sucede, com um penalti mal assinalado. Mas com Otamendi, que deveria ter sido expulso logo no arranque do jogo!

Mas pronto, quando o Benfica ganha em três campos dá logo em caso de polícia!

23
Set13

Mestre da Táctica Extra-Relvado

joshua

Subscrevo a análise de Paulo Fonseca: bastou a Jesus choramingar o putativo benefício dos rivais e logo se fizeram maldades arbitrais aos rivais ou não tivessem sido as arbitragens de Estoril Praia - FC Porto e Sporting Clube de Portugal - Rio Ave meio caminho para a perda de pontos do nesta jornada: um penalti fanhoso e um golo fora de jogo... Mais duas vitórias de Sporting Clube de Portugal e FC Porto é que não pode ser, não é Jesusinho?! Boa!

22
Set13

Quem não chora, não mama chouriço!!!!!!

helderrod

Hilariantes foram os acontecimentos da jornada deste fim-de-semana.

No prólogo da mesma, Jesus, esse justiceiro da arraia e da grei bem comportada começa por enfatizar os benefícios dos adversários lamentando-se da injustiça dos homens do apito.

As consequências não se fizeram por esperar e Xistra (o árbitro mais conhecido dos três envolvidos nos jogos dos grandes) não viu um penalty imenso, viu Jesus. Sentiu as palavras do profeta grisalho e deixou seguir a viagem dos dois pontos para o outro lado da circular.

Depois, no berço da nação, o banho táctico de Siqueira: um belo discipulo do Maxi que consegue escapar-se à expulsão inexorável tamanha foi a qualidade agressiva da estrela do Granada. O dedo de Jesus superlativou-se tacticamente com a expulsão do lateral do Guimarães. Viu-se muito disto no ano passado justamente em Guimarães, em Braga e em tantos outros jogos em que o SLB jogou contra 10. Aquele árbitro (bastante conhecido) estava particularmente nervoso e até vestia de azul. Se calhar era PSP. Esses que têm andado a prejudicar o Benfica desde os tempos do Abel...

Confesso que, depois do que vira antes, estava com algum receio do jogo na Amoreira. Fiquei a conhecer um novo árbitro de Vila Real e pensei que já não bastava a qualidade do Estoril, teríamos que ultrapassar a tacicidade do trio de arbitragem. E foi assim que Pedro Henriques começou por ver uma falta de Otamendi que, na verdade, deveria ter estendido um tapete vermelho ao avançado do Estoril. Tanto bateu na tecla o Pedro Henriques, esse expressivo comentador da Sporttv que já enviou o currículo à BenficaTV, o que levou o OTA a dar uma mãozinha. Aí o árbitro teve uma visão (a mesma do Xistra), com a particularidade de permitir a extensão das linhas. Depois, o segundo golo do Estoril. Um fora de jogo (difícil de avaliar no estádio), mas claríssimo nas imagens (apesar do comentador supracitado precisar de ver melhor a posição de Mangala). Na verdade, o avançado do Estoril está à frente de Mangala e beneficia do offside para fazer golo.

Parecia a Paixão de Barcelos (a última derrota do meu Porto), mas vá lá. Desta feita trouxemos um pontito...

Olho por olho, dente por dente, a onda profética trouxe os seus frutos e nada pode estar acima do SLB, nem mesmo a PSP!

Parabéns ao Cardozo pelo excelente golo que marcou e ao agente da autoridade que manteve a calma naquele episódio deplorável no final do jogo de Guimarães...

E agora? A expulsão do lateral vimaranense já vai benefeciar o Porto?

 

Hélder Rodrigues

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D