Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

31
Out15

Há que puxar pelas coisas que correm bem

Eduardo Louro

 

Às vezes está tudo a correr bem, mas lá vem uma vez em que as coisas correm mal. As coisas não estão bem, longe disso. Mas nem sempre correm mal. Foi hoje o caso: as coisas não estão bem, mas hoje correram bem. Nem tudo, é certo. Mas o essencial!

Veja-se: Talisca lá esteve os 90 minutos - as coisas não estão bem. Mas não correu mal: não jogou mas não fez falta. Carcela jogou mais um bocadinho, e bem, como tem sido norma: correu bem. Mas não está bem: para além de jogar bem fez um excelente golo, que quase não festejou. Um jogador que joga poucas vezes, que joga bem e que marca um golo daqueles tem de festejar. Nem que seja de raiva!

As coisas não estão bem, mas continuam a aparecer uns rapazes novos que nos deixam água na boca. Hoje foi o Clésio, que é avançado e jogou num dos mais halloweenizados lugares da equipa: isso... defesa lateral. E logo a titular. E mostrou, até durar, que é jogador, que tem ambição e personalidade. Durou 65 minutos e ninguém podia exigir-lhe que durasse mais... E foi o Renato Sanches, que no Porto teria entrado de início, para que se estabelecesse um recorde. Mas ainda está a tempo de se tornar no mais jovem titular do Benfica... Encheu-nos os olhos e os corações, mesmo que - dizem - não seja assim que se ganham campeonatos. E, claro, o grande golo - são três grandes golos, poder-se-ia até dizer que são quatro grandes golos, porque o segundo, o autogolo, é também ele de uma execução notável - do Gonçalo Guedes é a cereja. 

Claro que já perceberam: é da vitória gorda do Benfica sobre o Tondela, hoje em Aveiro, que se tem estado a falar. Na ressaca do desastre de domingo e na antecâmara da esperada confirmação do sucesso na campanha europeia, sintomaticamente interrompida na desgraçada semana passada.

27
Out15

Um erro histórico

Dylan

jasus.jpeg

Cada vez me convenço mais que a fuga de Jorge Jesus para Alvalade foi dos maiores erros históricos jamais tomados por uma Direcção do Benfica. Não que o "cérebro" não mereça o epíteto de Judas, pois vendeu-se à oferta mais alta do vizinho da Segunda Circular, não que não seja insubstituível, deselegante, mas o seu carisma e conhecimento do futebol é superior, em Portugal. Lembrou-se agora o Benfica de apostar na formação, talvez seja este o caminho para um clube sustentável, mas apostou tardiamente e de forma repentina, ao mesmo tempo que desinvestiu no plantel da equipa baixando a qualidade, sustentado por um treinador sofrível que deixou que os seus jogadores fossem afectados pelo clima de guerrilha verbal criado pelo presidente chefe de claque do Sporting.

25
Out15

Porto Mole com os da Pedreira Dura não dá e não fura!

helderrod

Mudou-se a hora neste dia de Outubro, mas isso não implica que seja necessário mudar-se a equipa. Pareceu-me que a ausência de Rúben Neves no onze inicial não fez grande sentido! Perante um Braga encolhido na primeira parte e muito encolhido na segunda parte, o FC Porto não conseguiu furar o bloco dos arsenalistas. Terá faltado a imaginação indispensável nestes contextos. As jogadas estereotipadas não foram suficientes. Por vezes, é preciso surpreender. Esse factor falhou! Recordei hoje durante o jogo o saudoso Bobby Robson que, no seu português muito british, gritava incansavelmente "flancos, flancos". Hoje efectivamente faltou essa variante. Faltou jogar pelos flancos, pelas alas e fazer mais cruzamentos e arriscar mais. Jogar para trás e para o lado nem sempre é eficaz. Mesmo assim, é importante perceber que temos muito campeonato e que as coisas vão melhorar! Importa isso sim enfatizar a urgência na investigação das alegadas pressões de Vítor Pereira. Após o misterioso silêncio desde Julho, quando este caso foi espoletado na RTP Informação, foi necessária uma entrevista na imprensa forasteira para se voltar a falar deste caso. Investigue-se tudo bem investigadinho, para que sejam apuradas todas as responsabilidades e para que todos sejam capazes de pagar os seus próprios jantares!

Destaque-se igualmente a iniciativa solidária desta noite com a causa da luta contra o cancro da mama. O futebol pode e deve ser um veículo de sensibilização e de apoio a estas iniciativas!  

Uma palavra também para recordar José Maria Pedroto que no passado dia 21 de Outubro completaria 87 anos de idade!  Um forte abraço à família!                               Força, Porto!                                                                                                         Hélder Rodrigues

25
Out15

Desilusão e orgulho

Eduardo Louro

 

(Foto: Pedro Rocha/ Global Imagens)

 

Mais um Dia de Clássico. Um dia de derbi, do clássico dos clássicos, que correu mal. São precisas poucas palavras para falar deste jogo. Desilusão e orgulho, bastam!

Desilusão pela exibição do Benfica, pela forma como os jogadores - e treinador, pareceu-me - se deixaram afundar pelo infortúnio do primeiro golo, logo aos 9 minutos. E orgulho no benfiquismo, pela extraordinária atitude dos adeptos do meu clube que encheram a Luz no seu12º aniversário.

Não precisaria de dizer mais nada, que teria dito tudo o que vai na alma...

Mas sempre direi que o Benfica até entrou bem no jogo - como se diz em futebolês - transmitindo uma imagem de confiança. Sem medo, e com ambição, mesmo que nem tudo estivesse a sair bem. Foi por pouco tempo, porque a sorte do jogo sorriu ao Sporting, com três golos em outras tantas aproximações à baliza de Júlio César, sempre na sequência de erros dos jogadores do Benfica, mas sempre - é bom dizer-se - erros provocados pela estratégia do Sporting.

O Benfica desapareceu, e se, pelo peso dos golos, isso se poderia compreender na primeira parte, já deixou de ser compreensível na segunda. Mesmo sem ter voltado a marcar - e o mais próximo que esteve disso até foi naquela tentativa de Luisão - a superioridade do Sporting foi mais flagrante ainda na segunda parte.

Num jogo destes, depois das exibições de cada uma das equipas, não me ficaria bem falar do árbitro. Mas que há muito para dizer da arbitragem do sportinguista Carlos Xistra, lá isso há. O problema não é ser sportinguista, nem o seu histórico nos jogos com o Benfica. O problema é que não tem categoria para arbitrar seja lá o que for... Que teve influência no decorrer do jogo, teve. E muita. Tanta que o jogo poderia ter sido outro. Mas não foi. E no jogo que acabou por acontecer o Sporting foi muito, mas muito melhor!

 

22
Out15

Não faz sentido ter perdido este jogo...

Eduardo Louro

Galatasaray-Benfica

 

Depois de ter ganho em Madrid, não fazia muito sentido perder em Istambul, com o Galatasaray. Depois do jogo de Istambul, percebe-se que não faz sentido nenhum tê-lo perdido.

Porque o Benfica começou o jogo a ganhar - em mais uma obra prima de Gatan, que continua a espalhar classe por esses estádios fora - e acabou-o em cima da baliza dos turcos, deixando clara a ideia que aquele era um jogo a ganhar. 

Mas perdeu-o. E perdeu porque, na primeira parte, durante perto de meia hora, permitiu que o adversário, embalado por um público fan(t)á(s)tico, fosse ganhando motivação. Porque permitiu um penalti, tão estúpido quanto bem assinalado, ainda a primeira parte não ia a meio. Que transportou a equipa turca para o patamar da crença a que nunca poderia ter chegado. Porque, lançado o jogo nesse tabuleiro, não foi capaz de o arrefecer para escapar ao erro, que deu no segundo golo que acabaria por fazer o resultado.

De pouco conta que a segunda parte tenha sido diferente. Que o Benfica tenha dominado as estatatísticas porque, em boa verdade, não criou mais nem melhores oportunidades que o adversário, mesmo subordinado. Foi tardia, a substituição do Gonçalo Guedes, em noite de menor rendimento. No  pouco tempo que esteve em campo o Victor Andrade mexeu com o jogo, travado apenas em sucessivas faltas perigosas, deixando a ideia que, entrando mais cedo, as coisas poderiam ter tomado outro caminho.

Há também um penalti por assinalar a favor do Benfica, mas isso faz parte das contingências do jogo que se não podem controlar. As outras sim, as outras contingências do jogo é que poderiam e deveriam ter sido controladas!

21
Out15

A Analogia de Tel Aviv

helderrod

E já está. O FC Porto acabou de derrotar o Benfica de Tel Aviv por 2-0 e isolou-se no grupo G da Champions. Como os meus leitores devem compreender, não podia deixar passar a infeliz a analogia da promoção televisiva que antecedeu este desafio.

Todavia, o que é mais importante destacar deste jogo é o facto de Rúben Neves se ter coroado como o Capitão mais jovem de sempre nesta competição. E que bem que lhe assenta a braçadeira. 

Importa também adir o feito de Lopetegui que se torna o treinador com mais vitórias consecutivas (vinte) no Estádio do Dragão, batendo efectivamente o record de José Mourinho. Parabéns, Mister Lopetegui!

Após um início algo lento com um Maccabi rápido e organizado, o FC Porto foi tomando gradativamente conta do jogo conseguindo dois bons golos. 

Já na segunda parte e, apesar de conseguir um maior controlo do jogo, a equipa não conseguiu marcar. Porém, os mais de 35 mil espectadores nas bancadas do Dragãos com mais israelitas do que benfiquistas puderam usufruir de uma bela noite de Champions.

A vitória tornou-se ainda mais saborosa com o empate advindo da Ucrânia, o que abre óptimas perspectivas de continuar na prova! Assim seja!

Parabéns, equipa! 

Força, FC Porto!

Hélder Rodrigues

P.S. Queria apenas indicar que, ao contrário do que foi referido na televisão, os assobios eram dos israelitas e não dos adeptos portistas! É importante esclarecer!

18
Out15

O sósia

Dylan

cromo.jpeg

Liguei a rádio e por momentos pensei que Vale e Azevedo tinha voltado à vida profissional activa, tal era a verborreia, e percebi que era alguém ligado ao futebol pois destilava falsidade e ódio ao clube vizinho. O discurso era arrogante, populista, manipulando o entrevistador e os adeptos do seu emblema. Enjoado de tal piromania, desliguei o aparelho e fui aferir da credibilidade de tão triste figura. Surpreendentemente, tinha tinha sido treinador de crianças em escolas de futebol, mas rapidamente degenerou, pois fez parte de claques de futebol pouco recomendáveis. Actualmente, cria guerras com fundos de investimento, com jogadores, técnicos, sócios, funcionários e comunicação social. Não pude acreditar, tal personagem que se põe em bicos de pés é simplesmente o presidente do Sporting! 

18
Out15

Ala Arriba, FCP!

helderrod

E assim se cumpriu mais uma eliminatória na Taça de Portugal. 

Na visita ao Varzim, mesmo na Póvoa do Varzim, que soube acolher simpaticamente a massa adepta do FC Porto não fosse o mesmo um clube centenário e com muitas estórias para contar. Algumas até bem amargas para o FCP, que há umas décadas perdeu um título nacional nesse mesmo estádio.

Porém, a estória de hoje foi diferente. O Porto fez uma exibição quanto baste para vencer a bem organizada equipa varzinista. Com um Bueno em bom plano e um Indi seguro na defesa, o FCP foi desperdiçando muitas oportunidades depois do golo de um Tello combativo! Pelo meio, lá ficou mais um penalty clarinho como a água por marcar, mesmo nas barbas dos adeptos do Porto.

Ficou para a posteridade o golo de André André que, no seu regresso à Póvoa, foi acarinhado pelas boas gentes poveiras!

Foi uma noite bonita de Taça de Portugal em que o FCP ofereceu o valor da sua bilhética à sua filial número um. E como dizia numa das laterais do estadio: Ala Arriba, Varzim! Ala Arriba, FCP! 

Resta-nos aguardar pelo jogo de terça contra os "encarnados" de Israel que, espero que não sejam tão poderosos como o Hapoel de Telavive (que bateu por 3-0 os pupilos de JJ na Champions League).

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

16
Out15

A Taça é isto mesmo...

Eduardo Louro

M. Coulibaly

 

A coisa até podia ter corrido mal... E depois dizia-se que tinha acontecido Taça... Não aconteceu Taça, mas aconteceram muitas das coisas que acontecem quando acontece Taça. Especialmente alguma displicência e ... muitos golos falhados!

O resto ... é futebol. E futebol é isto mesmo, essa expressão que é o lugar comum de topo do futebolês. Uma equipa que mesmo sem jogar muito bem - nem isso seria exigível, até pelo próprio onze que o Rui Vitória se viu obrigado a apresentar - criou e desperdiçou dezenas de oportunidades, numa longa série que se iniciou logo aos 30 segundos e só acabou 94 minutos depois. Outra que defende, defende e defende... aos 78 minutos faz o primeiro remate e, no segundo, dois minutos depois, faz golo. Que golo! E empata...

Se, com tanta oportunidade, o Benfica só tinha feito um golo - e que golo, também o do Carcela - nada permitia concluir que a coisa não tivesse de se arrastar para prolongamento. Mas não. À portinha do minuto 90 o Jardel lá resolveu aquilo...

E o Vianense lá acabou por cair. De pé. Saindo de cabeça levantada, como é bonito!

 

PS: Claro que vou explicar a fotografia. É que não podia deixar de pôr aqui a foto do Coulibaly, o jogador do Vianense que fez o golão. E o que encontrei foi isto. Espero bem que tenha passado a merecer fotografia!

12
Out15

Ó Capitão! Estás em casa ou com a Selecção?

helderrod

Fugindo um pouco à temática específica deste blogue, permitam-me esta pequena reflexão! 

Como muitos leitores já se aperceberam, faço questão de escrever sem aquilo que se designa como acordo ortográfico. Mas hoje essa vicissitude vai dar-me ajudinha.

Na verdade, agora diz-se que se escreve seleção sem o indispensável "c" antes da cedilha. Mas talvez por um acordo inusitado e inócuo como este, o C de Cristiano também pôde ir para casa mais cedo. Sei que Tiago e Ricardo Carvalho também folgaram, mas capitão é capitão!

Sei que muitos me acusarão de uma míriade de atributos anti muitas coisas. 

Na verdade, prefiro desde já considerar Messi como o melhor do Mundo. 

Não obstante, reconheço as soberbas capacidades futebolísticas do CR7. 

Contudo, atitudinalmente as coisas não têm corrido bem na minha opinião. 

Numa bela jogada de Bernardo Silva, foi natural a tentativa do jovem jogador em rematar à baliza. O que vejo? Vejo o CR a protestar com ele com uma arrogância enérgica, qual menino birrento!

Depois, no fim do jogo com a Dinamarca, o CR já apareceu a falar à TV. Para quê? Para dar uma bicada a Paulo Bento, que (recorde-se) perdeu em casa um jogo com a Albânia no qual CR esteve também ausente (vá-se lá saber porquê.).

Mas o mais grave é que, precisando Portugal da vitória na Sérvia para sermos cabeças de série no sorteio de Dezembro para o França 2016, eis que o senhor Capitão abandona o barco e vai para casa com mais uns marinheiros sem justificação aparente.

Isto "vale o que vale" como agora se diz. Mas para mim, vale mais do que muito numa equipa. Apesar do estranho silêncio sobre este caso na generalidade das fontes opinativas, quero enfatizar que os jogadores que estiveram a lutar num terreno pesado na Sérvia e aguentando as agressividades dos jogadores sérvios foram uns verdadeiros capitães. Estiveram lá até ao fim do jogo e aquistaram o objectivo.

É lamentável que continuemos a proteger o vedetismo em deterimento do triunfo do colectivo. 

Dizer-se que há união na selecção após casos como este pode ser perigoso. É que uns são filhos de Deus, outros são filhos de outra coisa qualquer...

E não pode ser sobre esta égide que podemos encarar o França 2016. 

É preciso alinhar num verdadeiro espírito de equipa e o senhor Ronaldo tinha a obrigação em estar presente com todos os seus companheiros na Sérvia. Assim é que ele ganharia pontos na consideração daqueles que entendem a verdadeira acepção do vocábulo equipa: "equi" significa o mesmo, mas há alguns que insistem em querer ser diferentes dos demais, com a anuência da maioria dos portugueses.

Espero não ser o único a pensar assim!

 

Hélder Rodrigues

Pág. 1/2

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D