Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

08
Fev16

OFFSIDE, inside Desordenado...Captain Flat

helderrod

Hoje escrevi mais tarde do que o normal. Não porque jamais abandonarei a minha causa aqui no Dia de Clássico, mas porque após a minha ida ao Estádio a tosse do meu estado enfermo regressou em força. Fui ao Estádio, mesmo doente. Apesar de ser errado, vou e pronto. Não se explica.

Fiquei até ao fim. Até ao último apito. Não saí a meio, nem virei as costas a ninguém. Na noite do Dragão, houve um jogador que fez o inverso. Virou as costas ao adeptos e à equipa. Quis sair. Talvez por causa do trânsito. Somos o fruto das nossas acções e, quanto a isso, está tudo dito.

No golo mais rápido da Liga Nos (tinha que ser contra nós), o Arouca chegou-se à frente e, mesmo com a povoação defensiva e antijogo, o FCP faz dois golos e vira o resultado. Porque virámos mesmo o resultado. Que saudades tenho eu dos capitães do FCP que iam para cima do árbitro, perante a palhaçada que o guarda-redes do Arouca estava a fazer. Isto só acaba quando um artista destes for expulso.

A par do que denunciei aqui no ano passado, o FC Porto continua a ser seriamente prejudicado: desde os penalties no Porto-Rio Ave, Guimarães-Porto, Porto-Marítimo e por aí fora, o silêncio é assustador. 

O Porto fez dois golos limpos e a lassidão continua. Porquê? 

Ontem um velho amigo perguntou-me se eu conhecia a voz do Antero. E na verdade desconheço se a mesma é grave ou aguda. Se calhar está mesmo na hora. 

Se calhar esse senhor deve assumir a falha grave do seu pupilo e abandonar o barco com ele. 

Num nexo de causualidade no Dragão, o efeito está sempre a ser o responsável. Lopetegui foi um desses efeitos que foi vilipendiado, mas como agora é evidente não fora ele o principal responsável. Tenho sérias dúvidas se, com ele, não estaríamos ainda a ombrear com os rivais (apesar de termos que ter cuidado com os cotovelos).

 

Em suma, o problema não está na lâmpada. Está no casquilho!

 

Força, Porto

Hélder Rodrigues

06
Fev16

Isto é de treinador...

Eduardo Louro

Imagem relacionada

 

Sendo o primeiro a entrar em cena, ou o último, sempre a mesma resposta. A pressão é apenas a de jogar bem e ganhar. De ganhar bem, por muitos... Categoricamente, sem qualquer sombra de dúvidas. Sem penaltis, nem cotoveladas, nem Tonel... Com tranquilidade, sem confusões no banco. Com árbitros, árbitros assistentes e quartos árbitros em paz... Por três, quatro, cinco ou seis. Jogo após jogo.  

É isto, este Benfica. Uma máquina de jogar bom futebol e de marcar golos. Que pega no jogo logo que a bola sai do centro do campo, tocada pela primeira vez, e empurra o adversário lá para trás, encosta-o às cordas e sufoca-o até que comece a cometer erros. Uma espécie de semear terror para colher medos, numa fantástica história cantada numa bela peça de ópera. 

Olhando para trás, e apenas para os últimos seis anos, que guardam o melhor da História do Benfica do último quarto de século, e imaginarmos qualquer dessas equipas sem Luisão, Gaitan, Salvio e Maxi (era o que havia, não havia Nelson Semedo).  Sem o trinco, fosse lá quem fosse. Sem capitão. Tudo ao mesmo tempo, seria imaginar um cenário de terror. Neste Benfica é apenas mais uma etapa de crescimento, uma oportunidade a dar a novos jogadores, a forma de atingir novos patamares de exigência... Em qualquer desses gloriosos anos, com dois dos três centrais lesionados, recorrer-se-ia sempre a outro dos consagrados. Geralmente recuava o trinco: lembramo-nos de Katsouranis, de Javi e de Fejsa. Neste Benfica, vai-se procurar outro central, tenha lá a idade que tiver. E a experiência que tiver...

Isto, meus amigos, isto é de treinador. Este Benfica, é este Benfica por ser o deste treinador. É mérito indiscutível de Rui Vitória que, à medida que foi - também ele - ganhando confiança, se libertou de tudo o que o peava e se soltou de todas as amarras. Internas e externas!

A propósito: alguém imaginou ver este Mitroglou? Ficou-lhe mesmo bem, este hat-trick do Restelo...

 

PS: Não preciso que ninguém me venha dizer que também eu bati em Rui Vitória. Bem sei que sim. Com a mesma convicção e o mesmo sentido de justiiça com que agora o coloco nos píncaros.

03
Fev16

Auto da Barca do Jamor

helderrod

Um jogo que não estava fácil                                                                             Samicas por causa dos nervos                                                                                 Mas o Dragão virou o galo                                                                                        que caiu pela primeira vez em Barcelos                                                                      O golo do Rúben foi boa cousa                                                                                   O Porto começou-se a encontrar                                                                                  A segunda parte foi oitra lousa                                                                                 com o Suk a voar                                                                                                   Ainda está difícil aplicar a lei catorze                                                                   parece que temos que arrancar pernas                                                                   ficam tantos penalties por marcar                                                                           Quer ao Porto e nas tabernas                                                                               Depois veio o Sérgio Oliveira                                                                                    que segundo o Lobo deu na aranha                                                                         Fez um golo de algibeira                                                                                            No ângulo! Que façanha!                                                                                     Quase prontos para o Jamor                                                                                        A odisseia no Império                                                                                                 Na capital a Maio em flor 22                                                                                          é para jogar a sério!                                                                                        

 

Parabéns à equipa que pode e deve fazer melhor, porque na História demos o nome a Portugal transcendemos a sua língua e essência tal como o grande senhor do teatro que se chama Gil Vicente!                                                                          

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

Pág. 2/2

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D