Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

30
Abr17

"O importante é ganhar"!

Eduardo Louro

 

"O importante é ganhar"!

Esta é a mãe de todas as expressões quando a qualidade não satisfaz. Disse-o Rui Vitória no final do jogo de hoje, repetiram-no certamente mais alguns milhares, e sentiram-no hoje milhões de benfiquistas.

A partida de hoje com o Estoril, percebêmo-lo ao longo do jogo, tinha uma carga muito superior àquilo se supunha. É preciso também perceber isso para perceber as dificuldades que o Benfica hoje sentiu.

A Luz esteve de novo cheia que nem um ovo, não cabia mais ninguém. Os benfiquistas querem o tetra, e não querem que nada falte à equipa. Isso ajuda - e muito -, mas também pesa. O Estoril continua a trazer o rótulo de 2013, que até pode parecer que já perdeu a validade. Mas está lá, por muito amarelecido que vá ficando. E estava ainda bem fresco na memória de todos o 3-3 do jogo da Taça, há poucas semanas. E a qualidade da exibição do Estoril!

Tudo isto pode servir de explicação para a fraca qualidade do Benfica desta tarde. Mas não se pode esquecer a exibição do Estoril. Porque quem joga assim é porque sabe. Não é por mais isto ou mais aquilo, nem porque "saíu", até porque foi já uma repetição. É porque sabe!

Não me esqueço que, em tempos, considerei o Pedro Emanuel o pior treinador da I Liga depois de Ulisses Morais. Admito que pudesse estar errado, mas o que me parece notório e evidente é que a sua passagem pela diáspora lhe deve ter feito muito bem. Ter passado por onde passou, ter andado por onde andou depois de cá ter saído, terá feito dele um novo treinador. E registo isso com todo o apreço, porque este Estoril faz lembrar o de Marco Silva. E isso não é nada pouco!

Salientado todo o mérito do Estoril e do seu treinador, também não se pode deixar de salientar o demérito do Benfica. Uma coisa e outra ficaram bem evidentes durante a segunda parte do jogo. Houve certamente muita gente que, ao aperceber-se da relação dos jogadores com a bola, julgou que estavam com as camisolas trocadas. Durante muitos minutos, aquelas tarefas simples, mas básicas, da recepção e do controlo da bola, do passe ou da ocupação do espaço, em que os melhores serão sempre melhores, qualquer um diria que os melhores vestiam de amarelo.

A primeira parte do Benfica já tinha estado longe de entusiasmar. O Estoril começou por "embalar" o jogo e lançá-lo assim em "modo entretém". Não era um jogo entretido, como diria o Quinito, mas era um jogo para entreter os jogadores do Benfica. Foi assim durante quase toda a primeira meia hora, até o Benfica marcar, aos 28 minutos. Por Jonas, de penalti - claro - cometido sobre o Nelson Semedo. Depois, sim. O Benfica teve um bom quarto de hora final, e podia ter arrumado com o jogo: Cervi, a um metro da linha de golo fez o mais difícil - não acertou na baliza. Mas também Salvio. E até Mitroglou, mesmo que só se tivesse dado por ele no momento em que foi substituído por Jimenez.

O início da segunda parte foi... o costume. Mas em pior. Há muito que o Benfica entra mal na segunda parte, mas tem sempre saído depressa dessa entrada. Três, quatro, cinco minutos têm sido suficientes. Hoje "a coisa" durou um quarto de hora, e foi um verdadeiro terror - o Estoril teve duas bolas nos ferros e mais outras duas oportunidades para marcar - e só acabou com o mais que esperado golo do empate. Que seria desfeito seis minutos depois, com mais um grande golo de Jonas. No único remate do Benfica de fora da área!

E aí esteve mais uma explicação para o que se passou neste jogo, mas também nalguns outros. Parece que os jogadores estão convencidos que, para marcar, é preciso entrar com a bola pela baliza dentro. Mesmo que esteja protegida por nove ou dez adversários. Outra esteve na incapacidade para aproveitar os espaços que o Estoril deixou livres sempre para se adiantar no terreno. E foram muitas vezes e durante muito tempo. E a lembrar-mo-nos de Rafa... E de outras opções de Rui Vitória. Como a titularidade de Salvio. Como a opção por Carrillo, e a não opção por Zivkovic. Ou como - hoje - a insistência em Mitroglou. Mas isto já são as irresistíveis tentações do treinador de bancada...

O importante foi ganhar. E que faltam três. E que, se não há dois jogos iguais, é difícil que haja três!

29
Abr17

O Dia da Mãe de Todas as Jornadas...ou racha ou "escatcha"

helderrod

Após mais uma fabulosa venda de fraldas em terra de candeeiros, em que mais uma vez o vencedor não terá feito tanto para o merecer, importa destacar que a treta mais uma vez se evidenciou.

Com mais um golo conquistado no que ao golaverage diz respeito, o FCPorto cumpriu os serviços mínimos nas ventosas terras flavienses. 

Na verdade, a disposição táctica gizada permite efectivamente uma maior consistência no onze. Isso notou-se. O Chaves não criou quaisquer situações de golo no curso dos 90 minutos e, apesar de não termos tido um grande Porto em Trás-os-Montes, o que é facto é que a eficácia aumenta quando as pedras estão no sítio certo e a saber claramente aquilo que devem fazer. 

Para esta vitória muito contribuiu o grande jogo de André André que mereceu ter colorido a sua exibição com um belo golo, após um excelente passe do não menos influente Otávio. 

Com o regresso do tão injustamente castigado Brahimi e com a esperança de se ver um Corona mais consistente e menos condicionado fisicamente, a próxima ronda será eventualmente a Mãe de Todas as Jornadas. Estará ali o ouro para o FCP acreditar. Assim, os azuis e brancos têm de ir com tudo à Madeira pois será em Vila do Conde o local onde o Benfica terá aprioristicamente maiores dificuldades. Na verdade, mais do que o bom futebol que os vilacondenses têm vindo a jogar, esta jornada poderá espoletar um efeito psicológico importante. Importa enfatizar que nem sempre é Natal e o SLB poderá também estar a uma derrota de perder o campeonato.

Faltam três finais.

Ora, como triunfo deste clube em grandes finais já tem 55 anos, o Rui Vitória também pode ver-se forçado a mandar o treta para o arquivo. 

Quanto à outra final onde também estarão presentes (à custa de um golo ilegal) falaremos mais tarde.

 

Força Porto!

Enquanto houver bola a rolar, a gente vai pressionar!

Hélder Rodrigues

IMG_20170429_223902.JPG

 

24
Abr17

Hooligans à portuguesa

Dylan

haters.jpg

Alguém disse que o futebol é a coisa mais importante entre as coisas menos importantes das nossas vidas. Infelizmente pouca gente percebe isso, de modo que aconselhava todos os que não percebem a fazerem uma espécie de período de nojo e  reflectirem sobre o que estão a fazer não só ao futebol mas ao desporto em geral. Para esses gabinetes de comunicação que são autênticas madraças de fundamentalismo desportivo, para os presidentes de clubes que denigrem a imagem da sua própria sociedade desportiva, para os profissionais de comunicação social que não despem a camisola, para os chefes de família que vêm descarregar as suas frustrações nas redes sociais, para os desocupados que andam a ameaçar árbitros e para os comentadores televisivos que não são mais do que instigadores de ódio, mudem a vossa conduta ou serão tratados como hooligans à portuguesa e aí as autoridades nacionais terão que chamar as britânicas, habituadas a tratar do holiganismo e a arruaça virtual. 

24
Abr17

SOMOS PORTO! OUI! SOMOS PORTO!

helderrod

Falemos então de penalties. Custa um pouco. Custa muito. Também me custou em casa no Dragão com a mão do Mitrouglou e com o empurrão do Eliseu ao André Silva. Falemos de MAIS TRÊS PENALTIES por marcar em mais um empate no Dragão. Falemos do lance que deu origem ao livre de Lindelof. Houve falta? Não houve.

Apesar de tudo, o FC Porto pode e deve fazer muito mais. O minuto 66 é um número dos Diabos.

Curiosamente, o tal livre que deu o golo aos encarnados foi aos 66 de Alvalade. É nesse minuto que conseguem um golo em três remates em todo o jogo. 

Já o minuto 66 do Dragão é ainda pior que a emenda. É que para lá dos penalties não assinalados, foi nesse mesmo minuto que o treinador do FC Porto fez uma dupla substituição. Consomou-se a certificação de uma verdade. De facto, "Somos Porto!" e não um clubezeco em que qualquer menino bonito pode deitar as mãos. 

Não brinquem com o Porto, quer endógena, quer exogenamente. Somos Porto! Mesmo.

 

P.S.: 

É MUITO SIMPLES PREPARAR O SEU NESTUM! 

1. Deite numa tigela ou num prato fundo 160ml de leite quente ou frio.
2. Junte 6 colheres de sopa (30g) NESTUM e mexa bem. 
O seu NESTUM está pronto a comer e é delicioso!
 
Posso preparar NESTUM sem ser com leite? NESTUM foi especialmente desenvolvido para preparar com leite mas pode ser preparado com alternativas especiais como bebida de soja, arroz, amêndoa, aveia ou outras.
 

 

Screenshot_2017-04-24-01-38-16.jpg

 

23
Abr17

Vamos falar de penaltis?

Eduardo Louro

 

Vamos então começar por falar de penaltis. Não que seja uma conversa que aprecie especialmente, mas porque, na conversa que não despega para destabilizar o Benfica e influenciar ambientes e decisores, foi o tema desta semana, com muita conversa falada e escrita, com relógios e contas aos dias, minutos e segundos que tinham passado sobre o último penalti assinalado contra o Benfica.

Por isso, ou por outra razão qualquer, o Ederson, que se esquecera da prudência no balneário, encarregou-se de acabar com a conversa, cometendo o penalti mais patético da sua vida. Que Artur Soares Dias viu e assinalou. E Adrien converteu, permitindo ao Sporting entrar a ganhar.   

Talvez por causa do relógio, daquele relógio, o árbitro viu esse logo no início do jogo, mas não viu – e não é a primeira vez que, em Alvalade, não vê penaltis a favor do Benfica, é já tão clássico como o próprio derbi – três, claríssimos, a favor do Benfica: primeiro sobre o Grimaldo, logo a seguir sobre o Lindelof e, uns minutos depois, sobre o Rafa.

Para acabar com a conversa dos penaltis queria dizer que achei bem que o Rui Vitória não se tivesse escudado na arbitragem do melhor árbitro português – não há dúvida que o Benfica nunca tem sorte com “os melhores árbitros portugueses” – e mesmo sem que haja memória de uma arbitragem que nega três penaltis tão óbvios numa só partida, não o referiu no final do jogo. O diabo é que a comunicação do Sporting, e o treinador Jorge Jesus, aproveitaram isso para concluir que, se ninguém falou nos penaltis, é porque não existiram.

Ponto final. No “fair play”, e nos penaltis. Também!

O Sporting aproveitou o élan do golo na abertura do jogo para agarrar o jogo. E agarrou, mas por pouco tempo. Passados que foram os primeiros dez minutos, o Benfica passou a mandar no jogo. Não criou muitas oportunidades de golo – é certo, tão certo quanto certo é que muitas foram evitadas com faltas, entre as quais aquelas três dentro da área de que não volto a falar – mas dominou todas as vertentes do jogo. Apenas nas faltas cometidas – e assinaladas – o Sporting se superiorizou.

Mesmo notando-se – e bem – a falta de Jonas, mais uma vez de fora, sem recuperar, o Benfica jogou mais, e melhor, com as arrancadas de Nelson Semedo e Grimaldo, sempre sob a batuta de Pizzi. O Sporting defendia-se como podia, especialmente com Wlliam, Bruno César e Alain Ruiz a usarem e abusarem de sucessivas faltas.

A qualidade do jogo do Benfica, e o seu domínio na partida, não deixava no entanto os benfiquistas tranquilos para a segunda parte. Porque há muito que o Benfica não consegue manter o seu melhor nível durante os 90 minutos, e porque atravessa uma fase em que entra sempre mal na segunda parte. Há muitos jogos que é assim. E porque, finalmente, nunca neste campeonato o Benfica conseguiu virar o resultado: sempre que esteve a perder, o melhor que conseguiu foi empatar.

Os primeiros minutos da segunda parte começaram logo por confirmar uma das maldições. O Benfica entrou mal, e o Sporting poderia ter marcado. Cumprida essa “formalidade” – são sempre três a cinco minutos, alguns deles com maus resultados, como aconteceu com o Porto, na Luz – o Benfica voltou a pegar no jogo.

O Rui Patrício foi adiando o golo do empate até minuto 66. Aí, já depois de, nas mesmas circunstâncias, Grimaldo ter obrigado o guarda-redes do Sporting a uma grande defesa, na superior cobrança de um livre directo, o insuspeito Lindelof fez o “golão” do empate.

Os últimos jogos já nos tinham trazido duas boas notícias: o regresso dos golos de bola parada e, finalmente com a cabeça arrumada e limpa das confusões das transferências, o “regresso” de Lindelof à sua condição de jogador de top. O minuto 66 foi de confirmação dessas duas grandes notícias. Uma confirmação ao estilo dois em um!

Atingido o empate, o Benfica acentuou a pressão sobre a grande área do rival, que passou por momentos difíceis. Depois, aconteceu o que sempre acontece quando nada resulta dessa atitude mais ambiciosa, mas também de maior risco. É a velha máxima do futebol:”quando não dá para ganhar, pelo menos não percas”.

E Rui Vitória optou por segurar o empate. Que, provavelmente, deixa tudo como estava há duas semanas. Mas com dois jogos a menos por disputar.

Já só faltam quatro jogos. Já só faltam quatro vitórias!

15
Abr17

Sem Espírito de Pedreira Santa

helderrod

pedreira.jpg

 

A arte de delapidar é muito bela. Para além de bela, a mesma é bem mais complexa que o futebol. O futebol é demasiadamente simples e dispensa quem o pretende complexificar. 

Entrar numa pedreira sem picaretas jamais será uma boa solução. Por vezes, não adianta termos boa ferramenta se não temos competência para a trabalhar. 

Hoje, o FCP entrou meio perdido em campo. A par daquilo que fizera no Estádio da Luz, entregou o ouro ao bandido nos primeiros 40 minutos. Só aos 10 minutos de jogo é que Brahimi consegue o primeiro remate com relativo perigo. 

Depois, o PENALTY da ordem que fica sempre por assinalar. É impressionante como aos 25 minutos, Hugo Miguel transforma um penalty claríssimo num canto favorável ao FCPorto. O Soares é claramente atingido no pé, uma vez que não toca na bola...Enfim, mais do mesmo. 

É também impressionante como o jogador Pedro Santos consegue (tal como Pizzi) passar nos pizzis da chuva em 8 faltas claras para amarelo sem a devida admoestação. 

Numas impressionantes 20 faltas do Braga contra as oito faltas do FCPorto, é possível ver-se a carência de garra nos azuis e brancos.

Destaque-se também a expulsão perdoada ao Fed que teve uma entrada clara para vermelho directo.

Foram necessários 55 minutos para começar a ver as picaretas a laborar. Com melhores ferramentas e trabalho pelas alas, foi possível perceber que as coisas são tão simples pela sua evidência e que não vale a pena complicar. Foram precisos apenas 2 minutos para o Porto causar fissura na pedreira com Brahimi a estar pertíssimo do golo! Afinal era ali que estava a picareta dourada. Na ala. Bem abertos pelos flancos.

Foi assim que o Porto encostou o Braga e partiu para o ataque, naquele que prometia ser o assalto final. Brahimi e Danilo podiam ter fechado as contas.

Não obstante esta força, más notícias vieram do banco e incompreensivelmente eis que o melhor pedreiro é retirado da labuta e depois retirado da pedreira propriamente dita...Enfim. É no que dá mexer no que está quieto!

Aos portistas gerou-se um amargo de boca. A luta do título está mais difícil, mas não impossível!

Há que acreditar sempre. Há que partir toda a brita. Todas as cartilhas e todas as manobras de diversão, designadamente na forma escandalosa como o Marítimo aceita jogar numa sexta-feira santa às 18:15, após ter jogado na Madeira na segunda-feira dessa mesma semana à noite. São todos uns santinhos. É uma vergonha pegada!

 

Vamos acreditar sempre. O título está um pouco mais longe, mas alcançável!

 

 

Força, Porto

Hélder Rodrigues 

14
Abr17

Espero que tenham percebido...

Eduardo Louro

Benfica-Marítimo, 3-0 (resultado final)

 

Luz cheia de luz, de cor - mesmo que só vermelho - e de gente. Estádio cheio, como sempre. Entre os 57.064 espectadores, dois muito especiais: duas debutantes, de 3 e 5 anos. Vibrantes, como toda aquela fantástica moldura humana!

O Benfica entrou a surpreender o Marítimo. O bem sucedido treinador da equipa madeirense tinha afirmado que o Benfica é avassalador nos primeiros quinze a vinte minutos. E que era por isso fundamental apostar tudo nesse período. Que, evitar aí o golo do Benfica, era o primeiro passo para levar pontos da Luz. Talvez por isso, para surpreender o adversário, o Benfica não quis atirar-se para cima da equipa insular, hoje de amarelo, logo que o árbitro apitou. Nem nesse momento nem nos 10 minutos que se lhe seguiram....

Os jogadores do Marítimo devem ter ficado baralhados, pensando que tinham sido enganados pelo treinador. Aquilo não era avalanche nenhuma. Baralhados os jogadores adversários, o Benfica abriu então o livro e deu início, com 10 minutos de atraso, ao prometido assalto avassalador. Que não durou apenas os quinze ou vinte minutos que o treinador Daniel Ramos tinha na estratégia. Foram 35 minutos de sufoco, com as oportunidades de golo a sucederem-se a um ritmo diabólico.

O golo tardou, é certo, mas percebia-se que teria de chegar, mais minuto, menos minuto. Chegou aos 34 minutos, em mais uma fantástica jogada do Rafa, concluída num auto-golo do Luís Martins. Inevitável. Pouco antes, em circunstâncias praticamente iguais, o guarda-redes conseguira o milagre de evitar o golo. E depois, já na segunda parte, só os deuses da fortuna evitaram que mais uma intercepção de uma jogada de golo acabasse na baliza do Charles.

No minuto seguinte Jonas fez o segundo. E dez minutos depois o terceiro!

Podiam ter sido mais, muitos mais, mas o resultado acabou por ficar por aqui. A exibição é que não. Foi muito mais que o resultado, a explicar, especialmente àqueles benfiquistas que na semana passada já se tinham esquecido da exibição com o Porto, que há jogos no campeonato em que não é possível jogar bem. Que a equipa joga à bola, que o futebol de qualidade está lá. Mas há jogos - campos pequenos, jogo eminentemente físico, com ressaltos e mais ressaltos e adversários, como que possuídos, a correrem atrás de tudo o que mexe - em que não é possível mostrá-lo.

A equipa hoje explicou isto muito bem explicadinho. Espero que todos tenham percebido!

Não falei da segunda parte. Mas também não há muito para dizer. Sem repetir aqueles fantástcos 35 minutos, o Benfica controlou um jogo que estava então fácil. O Marítimo pôde respirar, e sem nunca dividir o jogo - nem uma oportunidade para a estatística, que seja -, adiantou-se mais um pouco no campo. E pisou já terrenos que nunca antes pisara. Mas só isso.

Só porque Mitroglou - hoje em dia de desentendimento com o golo, desperdiçou umas cinco oportunidades de golo feito - e Salvio desaproveitaram as oportunidades que o génio de Rafa lhes entregou, é que a segunda parte não repetiu os três da primeira.

Ah... Já me esquecia... Espero também que tenham percebido que o Rafa foi - é - brilhante. E que Lindelof está de volta à sua enorme categoria. E que isso é, nesta altura, muito importante!

E que foi o jogo 100 de Rui Vitória no Benfica. E que faltam cinco. Só cinco finais!

09
Abr17

Se este era o mais fácil...

Eduardo Louro

 

O jogo desta noite em Moreira de Cónegos não foi apenas o primeiro dos sete últimos jogos deste campeonato que, para chegar ao tetra, o Benfica não pode deixar de ganhar. Foi muito mais do que isso, até porque, como diziam os entendidos, este era o mais fácil desses sete. 

É caso para dizer que, se este era o mais fácil, nem quero saber o que aí está para vir.

O jogo começou como tem começado a maioria dos que o Benfica tem disputado. É já um clássico: adversário fechadinho lá atrás, todos muitos juntos, sem sobrar espaço para jogar à bola nos últimos 30 metros do campo. E com os jogadores a correrem como nunca, a disputar cada bola como se fosse a última. Até aí nada de novo!

E o que houve de novo nem sequer foi novidade. A dimensão física para que o Moreirense empurrou o jogo, que levou a que os seus jogadores ganhassem praticamente todos os ressaltos, e quase todas as bolas divididas, não foi grande novidade. Como não foi novidade nehuma que os jogadores do Moreirense complementassem essas tarefas com o recurso a faltas sucessivas, quase sempre duras, dentro daquela visão de canela até ao pescoço que o Petit tem do futebol.

O jogo foi todo ele assim, nunca permitindo que o Benfica gozasse do mínimo de conforto. A verdade é que se o Moreirense fazia o seu papel, o Benfica, hoje com os importantes regressos de Fejsa e Grimaldo, nem tanto. Não fez tudo para conquistar esse conforto. Teve muita bola, mas poucas oportunidades de golo. Valeu, já a chegar ao final da primeira parte, o aproveitamento de um lance de bola parada, coisa que, como se sabe, é esta época uma verdadeira raridade.

Na segunda parte, mesmo que sempre em cima das mesmas bases, o jogo foi bem diferente. Foi mais selvagem, mais partido e menos controlável ainda. O Moreirense, mantendo aquelas bases do jogo, só tinha a ganhar em alargar a sua área de influência no campo. Passou a discutir o jogo no campo todo e teve duas ou três oportunidades que poderiam ter dado ao jogo outro resultado. Só no último quarto de hora, e em especial depois da entrada de Samaris, em substituição do Jonas, o Benfica controlou verdadeiramente o jogo, começando finalmente a ganhar corpo a ideia que os três pontos não fugiriam. 

Não fugiram, permitindo aos jornais e às televisões voltarem a falar do regresso do Benfica à liderança. Quando lá está, e de lá não sai, desde a quinta jornada. Já lá vão vinte e três. E oito meses!

09
Abr17

Jogo de Primavera numa tarde de Verão

helderrod

Tarde quentinha, emoções ao rubro, futebol à tarde. Tudo pronto para a final número 1 do FCPorto. O oponente chamava-se Belenenses. Os azuis do Restelo, cuja História anuncia sempre dificuldades aos azuis do Porto. Fora no Restelo que perderamos dois pontos na primeira volta deste campeonato, quando o Brahimi ainda não fazia parte do onze...

Porém, o jogo começou sereno. Estranhamente sereno até! Numa louvável atitude positiva, a equipa do Belenenses postou-se em campo para fazer aquilo que é o jogo pelo jogo, sem lamentáveis perdas de tempo como outros fazem questão de desenvolver no Dragão. 

O primeiro apontamento do jogo aconteceu nas bancadas do Dragão e espero mesmo do fundo do coração que a pessoa que saiu de maca, possa já estar bem disposta a ler este simples texto. 

No meio desse momento menos bom, surge o golo de Danilo. Um golo anunciado mas difícil de conquistar, quer pela eficácia defensiva dos Belenenses, quer pela pouca capacidade de finalização por parte dos avançados portistas. 

Curiosamente, depois do primeiro golo o jogo voltou a serenar e lembrei-me rapidamente do que sucedera no jogo com os Sadinos. Um Casillas sem trabalho e um Porto algo macio.

Porém, desta vez, a segunda parte foi claramente bem mais dinâmica e o segundo golo era uma constante ameaça. Para tal contribuiu e muito a fortíssima capacidade de penetração de um Brahimi revigorado e merecidamente reconhecido pelo constante apoio das bancadas. O avançado argelino foi claramente o melhor em campo, deixando cada vez mais a sensação de que a sua ausência (justa ou não) fez imensa falta naqueles perdidos nos empates da teimosia. 

As pazes estão feitas e todos os Dragões só têm a ganhar com isso. Espero que ainda tenha vindo a tempo essa trégua. Uma palavra também para a excelente entrada de Corona que trouxe a aceleração indispensável para a ala direita. 

Foi assim que os golos chegaram naturalmente e o FC Porto cumpriu o objectivo 3/21 para a conquista do título. Temos que fazer 21/21 para cumprir a nossa parte, esperando que do outro lado nem as cartilhas das boas maneiras de enganar o povo sejam suficientes na conquista de uma treta qualquer.

O próximo objectivo é o 6/21 e a expectativa é muito grande.

Venha de lá esse grande Brahimi e os consistentes Torres, Danilo e André André para conquistarmos o Minho!

Cá estaremos na luta!

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

 

P.S. Um obrigado ao meu consócio Portista, cujo SMS foi direitinho para o título desta crónica!

Screenshot_2017-04-09-13-10-00.png

 

04
Abr17

O Imoral vs os amorais

helderrod

O Paradoxo Imoral: Hoje ao ouvir o fórum da TSF atinente à repugnante agressão ao árbitro, fui-me apercebendo desta inócua tendência em colar a instituição Fcporto e os seus sócios e simpatizantes a estes actos. Estas incelências antiportistas ainda não perceberam que é isso que justamente espoleta a revolta? A ideia de associar a tudo o que é pejorativo no futebol ao povo do Norte é injusta e ridícula. Eu ainda sou do tempo da infeliz morte de um adepto no Estádio Nacional; sou do tempo em que o grande João Pinto recebeu a Taça de Portugal enquanto era apedrejado; sou do tempo em que por uma questão de sorte não cegaram um jogador de Hóquei do FCP (Filipe Santos); sou do tempo em que o Luisão varreu um árbitro à peitaça; sou do tempo em que um desmiolado entra em campo para dar um cachaço ao fiscal de linha; sou do tempo em que partem os dentes a um árbitro; sou do tempo em que vários membros da claque sem nome são condenados por agressões. O senhor Rui Santos @tempoextra vem pugnar pela moralidade, quando está constantemente a pôr em causa a idoneidade da instituição FCP. Esse senhor que "cala" as pessoas que se opõem ao monólogo lírico e antiportista. Esse é todos aqueles que vêm agora passar um pano pela péssima exibição de um árbitro no último clássico, querendo meter o dedo nos olhos das pessoas. Defendem um árbitro que foi capaz de não assinalar TRÊS penaltis a favor do Guimarães no ano transacto. São estas incelências que acicatam, que espoletam a revolta do povo humilde e trabalhador do Norte. Devo confessar que continua a apetecer apresentar o meu passaporte, sempre que passo Coimbra. Sejam justos, racionais e construtivos! Hélder Rodrigues

Pág. 1/2

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D