Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

26
Jun17

A Metonímia de um Embuste e o lance perdido ao minuto 16 da final da Taça

helderrod

O verniz estalou no futebol português. Por muitas voltas que queiram dar. Por muitas inversões que queiram orquestrar, já ninguém se pode eximir da realidade. A verdade está ferida de morte e o Benfica é o principal suspeito.

A presumível inocência dos anjinhos pode até estar a ser salvaguardada, mas as evidências em cada jornada que passava plasmavam a putrefacção da justiça desportiva. Basta, aliás, fazer algumas leituras de lances que fui denunciando neste blogue semana após semana. Agora tudo faz ainda mais sentido, quer pela coincidência dos intervenientes, quer pelo timing no qual as coisas ocorreram...

Tudo se pode resumir àquela taça fantasma do tri. Uma taça que aprioristicamente estava prevista nos estatutos da Liga, mas que ninguém teve hombridade de entregar a anteriores conquistas do FC Porto.

Essa taça é a metonímia de um embuste. Entenda-se por metonímia como uma figura de estilo onde se substitui uma realidade por outra que lhe está associada. Aquela taça representa em si a mentira, o xico espertismo e o sentimento altivo de quem se considerava impune.

Considero, portanto, que aquela taça deve estar no Museu e, sempre que a contemplem, percebam que o que ali está não é o produto da meritocracia. Será, isso sim, a soma de uma miríade incessante de conflito de interesses, de conluios, de chantagem, de metáforas clericais em que os meninos do Presidente não queriam falhar. Correu mal. Alguém se apercebeu daquela homilía pecaminosa e agora a podridão emerge em catadupa. Não adianta tapar os olhos à realidade. A cassete da fruta já não colhe. Afinal, tudo tinha um preço associado à luxúria e à classificação dos agentes do arbítrio. Na verdade, um jantarzinho com voucher, umas camisolinhas do rei e o prazer supremo consubstanciavam o crime perfeito. Nada é perfeito. Tudo se sabe. Até o JJ foi apanhado a dizer a um dado quarto árbitro: "Atenção! Olha que eu sei muita coisa..." . Se calhar, estará na hora do treinador dos leões explicar o tudo aquilo que sabe. Será, porventura, uma importante referência no esclarecimento cabal daquilo que se passou...

Acho engraçado. Parece que os comentadores benfiquistas ficaram à janela ali por Leiria. É que o senhor Vieira também foi escutado a escolher um árbitro a seleccionar o melhor árbitro para a final de uma Taça de Portugal.

Por falar em Taça de Portugal, ainda está por explicar a razão pela qual o misterioso minuto 16 da final da Taça de Portugal deste ano não foi analisado, no famigerado vídeo-árbitro.  Já passaram 29 dias sem que a agressão de Lindelof a Marega dentro da área do Benfica tenha sido sequer discutida nas nossas TV. O que aconteceu? Por que razão um lance como este é esquecido?  A quem interessou? DESAFIO TODOS OS CANAIS PORTUGUESES A ANALISAR SERIAMENTE ESSE LANCE E PROCURAR APURAR O QUE SE PASSOU. 

Haverá já muitos benfiquistas que estarão com um pé atrás. A instituição, que é o povo, não merece ser assim gerida por quem quer ganhar a todo o custo. 

Penso inclusivamente que muito deles deveriam pedir uma indemnização por danos morais. Aqui fica a minuta:

Eu __________________________________________________, benfiquista desde _________, venho por este meio solicitar a devolução da rectidão e da limpeza nas vitórias do meu clube. Não é com Taças da Liga que me compram. Não me revejo nestes compêndios tentaculares de cartilha saloia. Quero que o campeão volte, mas de uma forma cristalina, transparente e justa. Façam isso no Damaiense do Guerra ou no Famalicão do Janela. Não quero ser um bode expiatório de um qualquer menino do Presidente, de um chefe de observadores de Braga ou de um advogado habilidoso.

 

Obrigado!

O sócio enganado

 

 

 

Aquilo que está no Museu não é uma Taça. É um embuste

transferir.jpg

IMG_20170625_224200.JPG

 

.

 

 

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

 

 

P.S. Que a verdade traga a justiça daqueles que amam o ludopédio!

 

 

 

 

7 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Dedetê 26.06.2017

    A ausência de resposta é o contraste.

    Como é que o ensino não há de ser mau, com professores assim? Éisto que se ensina nas nossas escolas? Boatices? Opiniões sustentadas como factos? Falácias veiculadas como argumentação? Formação de espírito crítico?

    Com efeito, o ME necessita de uma varridela.

    PS - Como é que o ME permite que gente que não sabe escrever "ensine" os nossos jovens?
  • Imagem de perfil

    helderrod 26.06.2017

    Ora identifique lá os erros. Não é correcto emitir juízos de índole pessoal a quem emite uma opinião. Mas especifique e sustente a sua correcção.
  • Sem imagem de perfil

    Dedetê 28.06.2017

    Com todo o prazer: "Não é correcto emitir juízos de índole pessoal a quem emite uma opinião."

    Emitir... a quem emite? O que é isto? Português de Neandertal?

    Iniciar uma frase por «mas»? Sim, eu sei, é o (neo)pretuguês.

    Repito: assim se percebe a razão por que a nossa malta jovem escreve e lê tão mal. Tem IVG como o caro a «ensiná-los».

    PS - Agora é um bruxo da Guiné? Alguém diga ao homem que, a continuar nesta senda, quando trouxer a lume a corrupção, já ninguém lhe prestará atenção, pois entretanto cobriu-se de ridículo.
  • Imagem de perfil

    helderrod 29.06.2017

    Aconselho-o a libertar-se do arcaísmo bacoco. Sabe que o mundo não parou quando o Benfica venceu a Taça dos Campeões, certo? Já passaram 55 anos.
    e·mi·tir - Conjugar
    (latim emitto, -ere)
    verbo transitivo
    1. Mandar, enviar para fora.
    2. Lançar de si; expelir.
    3. Pôr em circulação monetária.
    4. Exprimir; enunciar.
    5. Fazer emissão radiofónica ou de televisão.

    "Emitir", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/Emitir [consultado em 29-06-2017].

    Atente ao ponto 4.

    Quanto ao mas, ...
    O uso estilístico da conjunção mas no princípio das frases é legítimo, gramaticalmente e estilisticamente correcto. Nos exemplos a que se refere, dá realce à oração. O mas utilizado no princípio da frase tem um uso enfático muito apreciado por certos autores de renome como os que refere.


    Antes de emitir juizos de valor, informe-se! Mas do que nós precisamos é de construtivismo.

    Retrate-se!


    Saudações Portistas!

    Hélder Rodrigues
  • Sem imagem de perfil

    Dedetê 17.07.2017

    Ó seu imbecil, o que está em questão é a regência verbal. Ah, e vou deixar passar a repetição vocabular.

    Poderíamos estar aqui a tarde toda a denunciar a sua falta de sapiência no domínio da língua portuguesa, mas não vale a pena. Olhe, só mais um exemplo: "gramaticalmente e estilisticamente".

    Outro ainda: qual a regência do verbo "atentar"? "Atente ao ponto 4"? Ó seu imbecil, na aceção que o caro "tenta" (tomar / prestar atenção), o verbo usa-se com a preposição "em" e não "a". "Atente NO ponto 4".

    Retrata-te tu, ignorante de meia tigela!
  • Imagem de perfil

    helderrod 22.07.2017

    Caro DDT,

    Tem toda a razão quanto ao atentar + em...Já no facto de chamar imbecil a quem está a dar uma opinião releva por si só a forma como não gosta de ler umas verdadezinhas sobre a índole corrupta do seu clube.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Seguir

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Pesquisar

    Arquivo

      1. 2021
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2020
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2019
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2013
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2012
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D