Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dia de Clássico

MENU

Os renegados

Dylan 18 Nov 17

POLVO.jpg

O Benfica é um clube extraordinário: permite que uma pessoa insolvente publique um livro, mesmo falando mal do emblema, de modo a ajudá-la a pagar o que deve! Enquanto o credor esfrega o olho, perdão, as mãos, escreve-se um livro baseado em correspondência electrónica roubada. O "Zé Cabra" da escrita aliou-se a um blogueiro doutorado em História mas parecem renegar factos passados, por isso eu sugiro um título para a 2ª edição do livro que acabe com tanto puritanismo: "Fruta para dormir, rebuçado e café com leite", "A creolina nos balneários", "O Famoso Guarda Abel", "Mandei um árbitro para o Brasil", "Fuga para Vigo", "Uma aventura no Centro de Treinos dos Árbitros e na casa de suas famílias",  "Largos dias têm quinhentinhos", "Sabes que o melhor está para vir quando te sentares num tribunal", e "Sei o que tens feito há mais de trinta anos"! 

3 comentários

De Sérgio Ambrósio a 18.11.2017 às 15:01

O livro do Francisco J. Marques é de culinária, tem várias receitas sobre como confeccionar polvo :D Tem um prefácio fixe do Vale e Azevedo :D Saudações desportivas! ;)

De Anónimo a 20.11.2017 às 13:31

Do Apito Dourado toda gente se acha com legitimidade para falar, até financiamento houve para publicar as memórias da Carolina Salgado. Do Polvo Encarnado só se houve puritanos e virgens ofendidas a reclamarem. Só falta dizer que o Sr. Pedro Guerra nem sequer é do Benfica. O pessoal esquece-se que a escola do Luís Filipe Vieira é a do Pinto da Costa.

De Pedro a 14.05.2018 às 11:58

"O Benfica permite que publique um livro" ...mas desde quando é que o Benfica controla o que é ou não publicado em Portugal?

O tempo da ditadura, tão fundamental para implantação e consolidação do clube enquanto porta-estandarte do regime, uma versão portuguesa do Real Madrid franquista, já há muito terminou.

Que me lembre, nem sei se lhe possa chamar livro, a aventura do Benfica no mundo editorial atingiu o seu apógeo com o clássico da literatura "escrito" pela Carolina Salgado e com edição da senhora Pinhão a quem coube a revisão do texto e adição de vários capítulos que não constavam do manuscrito inicial, dando-lhe o cunho de ficção que tão bem assenta no "maior clube do mundo".

Para quem não gosta de ficção e prefere histórias com relatos reais, porque não a publicação destes livros :

PORTA 18 - Narcos à Lisboeta

Infiltrados - toupeiras na justiça ( na versão cinematográfica podem pedir ao Matt Damon para fazer de toupeira como no filme do Martin Scorsese)

Hooligans (uma versão à benfiquista dos Green Street Hooligans)- uma história sobre os dois homicídios de adeptos do sporting por parte de "grupos de adeptos " do Benfica (que depois lhes paga os advogados)

Meninos Bonitos- a história de como os árbitros são despromovidos se não têm uma boa arbitragem segundo os padrões benfiquistas

A Santa Igreja- quem diria que em Portugal, Fátima & Futebol ainda continuariam a ser os pilares?? Uma história de fé sobre os milagres que levaram uma equipa ao colo até ao título

Vouchers - já que as prendas dadas aos árbitros pelo Benfica e reveladas pelos mesmos em Tribunal no âmbito do processo apito dourado foram abafadas pelo ministério público, nada como vouchers para o restaurante da Luz e camisolinhas do Eusébio, prendas essas desmentidas e posteriormente reconhecidas e que em muito ultrapassavam os valores razoáveis.

Não Pecisamos de Vigo quando temos tempo extra - A história de quando a PJ quis investigar o estádio da luz e um juíz o negou, garantindo ao Benfica um mês para APAGAR TUDO!

Amor no Colombo- Quando "adeptos" do Benfica agridem Pedro Proença

Vitaminas - a história da longa lista de casos de doping no Benfica, desde o fuetbol até ao rugby, passando pelo basquetebol e ciclismo e, que recentemente levou à criação de um departamento anti doping chefiado por Luís Horta (antigo presidente da Autoridade Antidopagem de Portugal)

Ouvidos moucos - como das escutas do Apito Dourado, só sobrou uma transcrição de um telefonema de LFV a Valentim Loureiro (onde se nota perfeitamente que não foi a primeira vez que lhe telefonou a pedir árbitros) tendo tudo o resto desaparecido

Para lá de Leiria - como o Ministério Público arquivou confições de árbitros , ignorou escutas e "decidiu" não investigar o Benfica

Cartilha - Na era da inteligência artificial, um conto sobre uma classe de comentadores que não consegue formular um pensamento sem ter uma cartilha por trás.

Já dava para uma biblioteca ;)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

  • Benfica

  • Porto

Últimos comentários

  • Eduardo Louro

    Pode até ser cínica, mas não é mentirosa...

  • Anónimo

    hooligan não hooling

  • Anónimo

    o Jesus era o "rei" quando gozava com o Lopetegui.

  • Anónimo

    O hooling português não é apenas um membro daquela...

  • Sobolev

    A diferença é que no primeiro caso o problema é da...