Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

20
Dez16

As Chaves do Sucesso e o Analfabetismo Funcional do livre arbítrio

helderrod

15658037_10154799778124197_1918147645_o.jpg

E assim terminou mais uma noite fria no Dragão. Não se tratou daquele frio seco transmontano. Foi uma cadência de arrefecimento galopante.

Mas enquanto a temperatura climática baixava, o mercúrio no termómetro do jogo aumentava. Para lá de um Chaves com um futebol de qualidade assinalável (terá sido uma das melhores equipas a jogar no Dragão nesta temporadada), houve um segundo opositor não menos omnipresente. O árbitro fez questão de se embrulhar neste bom jogo de futebol. Não foi apenas naquele momento em que quase obstaculiza Brahimi numa incursão do jogador pelo meio campo. Foi o critério na mão na bola. Recordo três lances em que, apesar da boa colocação do árbitro, nunca foi admoestada a falta por mão na bola.

Esta ambivalência de interpretações. Este livro arbítrio na análise de lances desta natureza tem que acabar de uma vez por todas. A carência de objectividade no critério e na interpretação destes lances atingiu um limite intolerável. 

Apela-se aos irRESPONSÁVEIS DA ARBITRAGEM que estabeleçam um denominador comum extra colinho para que possam convergir num critério imparcial, universal e justo.

Destaco assim três factores a terem em conta:

Ponto Um - As papoilas ostentam pétalas, mas esse facto não lhes permite saltitar a bola com as mãos e com o braço.

 

Ponto Dois - Um carrinho é um movimento realizado por jogadores de futebol que, aprioristicamente, têm dois braços os quais exercem um papel fundamental para que os mesmos não batam com a cabeça no chão na execução do carrinho.

 

Ponto Três - A equidade é uma coisa bonita no Desporto.

 

Posto isto, o FCP conseguiu transcender-se na segunda parte e o cansaço advindo deste acumular de jogos ficou congelado com a raiva e a revolta daquilo que se passava dentro das quatros linhas. A Instituição Futebol Clube do Porto estava a ser desrespeitada no seu próprio reduto. A equipa sentiu isso e deu a volta num grito de revolta. O apoio gutural vindo das bancadas foi determinante para o primeiro golo no jogo (para mim também contou e o Dragão fez questão de o registar), por parte de André Silva que merecia ter chegado ao fim do ano cívil na frente dos melhores marcadores. 

Depois, mais dois penalties por assinalar (já vamos em quinze neste campeonato) e já nem sequer tenho palavras para qualificar aquilo que se tem verificado. Está inquinado, desvirtuado e aldrabado este campeonato. 

Uma palavra também para Casillas que revelou muita qualidade ao negar o segundo golo ao Chaves; para Depoitre que puxou dos galões e deixou-nos um golo no pinheirinho e, finalmente, para um gigante Danilo que respondeu em campo a uma questão de Rui Cerqueira no Porto Canal quando este o desafia a confessar sobre o que ele (Danilo) pode fazer para melhorar o seu desempenho. Danilo respondeu nessa entrevista que tinha de chutar mais vezes de fora de área. Assim o fez!!!!

 

Obrigado, Danilo!

Um Feliz Natal a todos os leitores (mesmo àqueles que não gostam do que escrevo) e a todos os Portistas de todo o MUNDO!

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

Créditos fotográficos de Raurino Monteiro

 

 

DSC_2520.JPG

03
Nov16

"O CAOS É UMA ORDEM POR DECIFRAR"

helderrod

Em mais uma noite de Champions no Dragão, recordei esta frase de Saramago para tentar compreender o que sucedeu neste Porto-Brugges.

É certo que a equipa belga não tinha nada a perder e tudo a ganhar neste jogo fulcral para eles. Talvez por isso se fizeram acompanhar por uma enorme falange de apoio e deram tudo.

Porém, uma equipa joga aquilo que a outra deixa jogar. O chavão é conhecido, mas eficaz. Hoje, o Porto permitiu muita posse aos belgas e perdeu-se na distribuição das peças no relvado. 

Apesar da vitória, dos três pontos aquistados e dos dois pontos conseguidos a Leicester e Copenhaga, o Porto deixou bem vincada a necessidade de uma grande reflexão.

No FC Porto a exigência é grande. Não basta ganhar. É necessário mostrar o futebol de qualidade que catapultou o Porto para um inegável prestígio europeu iniciado no século XX e exponenciado no século XXI. É importante que a equipa não perca essa cultura futebolística plasmada por um futebol bonito, apoiado e jogado pelos flancos, com uma objectividade díspar.

Qualquer colosso europeu temia sempre os ares das Antas, porque nas Antas quem mandava sempre era o FCP. Os oponentes espreitavam o contra-ataque e os laterais tinham que se preocupar com os sempre incisivos extremos à Porto. São muitas arestas a limar, mas o futebol continua a ser demasiado simples para o querermos complicar.

Há que assentar ideias e inverter esta pequena entropia táctica.

Venha de lá esse clássico de Novembro. Mês que me recorda mãos cheias de golos perante as águias. A ver vamos.

No entanto, cuidado com as canelas. Nem sempre dão penalties e, por vezes, até se partem pernas a jogadores do Porto. Mas nós vamos à luta e travar a histeria generalizada.

 

Força, Porto!!!!!

Hélder Rodrigues

Créditos fotográficos Raurino Monteiro

received_10154639273634197.jpeg

 

23
Out16

Perceberam todos ou é preciso um desenho?

helderrod

Temos campeonato.                                                                                                       Na jornada dos 1 a 1, o FCP e o SLB cumpriram com as suas obrigações e o festival continua. Na semana em que Vitória bate o record de Jimmy Hagan e que é nomeado para um dos melhores treinadores da actualidade {risos do autor desta crónica}, o SCP marca passo em casa com o mesmo Tondela que travou o FCP.

Todavia, este empate teve direito a descontos à Benfica como no jogo da Taça com o 1º de Dezembro e assim se aquistam pontos que podem ser determinantes no fim do campeonato. 

A propaganda continua. O Jardel continua com dores de dentes que o impedem de fazer assinaturas, os Suecos continuam com uma bela impressão do cumprimento de contratos do Benfica e o Jonas que, 15 dias depois de uma operação foi jogar na jornada após o empate caseiro com o Setúbal, parece que apanhou uma infecção. 

Todavia, já ninguém se lembra da goleada em Nápoles e das duas faltas claras que antecederam o segundo golo em Kiev. As TV não mostraram, mas Nelson Semedo empurrou o lateral do Dinamo e, na sequência, Salvio domina a bola com o braço antes de fazer o cruzamento. Um aplauso para todos aqueles que omitiram esse momento nos resumos e nos comentários. Mostraram um elevado grau de compromisso parcial pro benfiquista. 

Já o meu FC Porto lá vai com os altos e baixos que o caracterizam este ano, mas aquele golaço de Brahimi foi paradigmático e importante para aqueles que abandonam o Estádio aprioristicamente. Há que apoiar até ao fim. Este campeonato vai ser disputado até ao fim e para isso não é preciso fazer nenhum desenho.

O segredo será transcender as acções em deterimento das palavras ou das representações icónicas.

Lembrem-se que o próximo jogo no Dragão, após a difícil visita aos sadinos, será com a última equipa a derrotar o SLB na Luz para o campeonato: o FCP! Este jogo será muito importante para a afirmação deste Porto como um sério candidato ao título.

 

Quanto a outras efemérides, melhores dias virão!

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

Hlife4067.jpg

 

14
Set16

Duzentas razões para te admirar, FCP!

helderrod

No ducentésimo jogo do FCPorto na Liga dos Campeões/Taça dos Campeões Europeus, duas coisas surgem no imediato: o orgulho e a desilusão. 

Numa noite que tinha tudo para se tornar de gala, tal como outras tantas nesta competição, o regresso ao 4-3-3 clássico parece ter bloqueado o rolo compressor plasmado no último Porto-Vitória S. C. .

Com efeito, a disciplina táctica dos frios dinamarqueses congelou os movimentos da linha média e avançada do Porto. Futebol previsível e denunciado foi a receita ideal para a estratégia bem montada pelo Copenhaga, que demonstrou uma excelente condição física e táctica na casa do Dragão. E como fizeram bem os trabalhos de casa obtiveram um resultado satisfatório e merecido.

Infelizmente, o Porto não mereceu a vitória que um empolgado e incentivado Brahimi ainda tentou procurar. Porém, numa competição como a Champions, não se podem sofrer golos daquela maneira. Já chega de tanta lassidão...

Enfim. Estava longe de pensar neste desfecho, mas depois pensei: "Hélder, são duzentos jogos na Champions e tu tiveste o privilégio de desfrutar do ponto alto da prova. O de ver as cores azuis e brancas elevadas bem alto e a cores, de festejar como sempre e como nunca de um sucesso de um clube da cidade que espalha a magia." O FCP é isto e certamente continuará a ser nos próximos duzentos jogos neste torneio que aprioristicamente será cada vez mais difícil de alcançar. Não será em noites pálidas como a de hoje, caro FCP! Mas tive, tenho e terei muitas razões para te admirar.

Venham de lá esses momentos de gala porque os portistas já merecem permanecer mais descansados nas cadeiras do Dragão.

 

Hoje cumpriu-se 0,5 de possíveis13 jogos e, passo a passo, as estrelas alinhar-se-ão com certeza para culminar no triunfo magistral que o meu clube me ofereceu durante as minhas 37 primaveras.

 

Força, grande Porto!

Hélder Rodrigues

20
Ago15

SMS para o meu querido Proença!

helderrod

Pedro, Sei que és um moço cuja seriedade é directamente proporcional ao gasto do gel que plasmas no teu cabelo. Por isso, e porque conto com a tua seriedade, espero que o precedente que se abre para levar o jogo Arouca-Benfica para Aveiro seja estendido a todos os outros jogos da Liga NOS. Caso contrário, tornas-te em mais um falhado que se cala com tamanha falta de equidade. Um abraço, Hélder Rodrigues

15
Ago15

A Reconquista Campeã

helderrod

Podia muito bem ser este um artigo da História de Portugal, não estivéssemos nós a falar dos vindouros do Afonso Henriques. Contudo, foi com o auxílio dessa ideia que me lembrei da Reconquista. E no jogo da primeira jornada, o FC Porto arrancou bem em bom plano com um óptimo resultado frente ao Vitória. Foi uma primeira jornada de algumas novidades e inovações que catapultam o FC Porto para uma elite de vanguarda no panorama futebolístico. A possibilidade de se entrar no Estádio do Dragão com o recurso a uma aplicação para smartphones é um exemplo do crescimento do clube. Numa noite com mais uma grande casa o Dragão acolheu com pujança os 10 milhões de espectadores. São efectivamente 10 milhões de assistentes que se aproximam dos fantasiosos 14 milhões de qualquer coisa. Uma outra inovação positiva é a existência do AZUL EXTRA. Um pequeno jornal de distribuição gratuita no qual é possível consultar um histórico das equipas que jogam com o Porto e nem falta um Quiz para os Dragões mais estudiosos e de boa memória! Muito bom! Para encerrar a festa em grande destaca-se a boa exibição do FC Porto no decorrer do jogo. Mais uma vez foi escolhido um árbitro "verdinho" para um jogo desta importância. O jovem estava tão verdinho que até terminou a primeira parte cerca de 30 segundos mais cedo...Com bastantes jogadores em bom plano, destaque-se Aboubakar que parece querer pegar de estaca com boas movimentações. Também o capitão Maicon foi imperial nesta noite e o capitão parece querer afirmar-se definitivamente como o patrão da defesa portista. Depois, uma palavra para André André. Rendendo um errático Herrera, este André André evidenciou muita qualidade mais uma vez e, quando se fala tanto de ADN, aqui sim. Aqui há efectivamente uma matiz de ADN. É que o filho parece-se muito com o pai na forma como corre, como parece saltitar e como pousa a raça na relva. Este desafio foi um bom prólogo para o que todos os Dragões almejam: o regresso do Campeão!Será já muito importante a ida ao Caldeirão nos Barreiros para dar continuidade à Reconquista Campeã!                                                                   Força, Porto!!!                                                                                                       Hélder Rodrigues.                                                                                                     P.S. Para quê falarmos de SMS quando ainda há uma chamada para um árbitro para se investigar e lá passou mais uma semana de silêncio ensurdecedor!!!!

23
Mai15

Pontos de Despedida

helderrod

Oitenta e dois pontos eram mais do que suficientes para se vencer um campeonato normal. Todavia, os mesmos não foram suficientes e nem com a melhor defesa dos últimos anos (13 golos sofridos) foi possível conquistar o título. Tal anomalia factual nos pode conduzir para outras deambulações. Com efeito, o "pluribus unum" nunca fez tanto sentido. A pluralidade e diversidade de barcos a remar para a mesma maré deitou por terra todas as aspirações de outros intervenientes. E conseguiram-no. As inversões silábicas, os furtos, as traduções simultâneas do castelhano tiveram tanto de ridículo como de efectivo. Tiveram o mérito de tornar este país numa espécie de nação "neo chauvinista". Mas o mais grave de tudo é o silêncio. O silêncio de quem come, cala e consente. Porém, não me calarei. Recordo aquele célebre dia em que Pinto da Costa se viu confrontado com uma ameaça de bomba. Pois que ela estourasse, porque ele não parou de pugnar pelo seu FC Porto. Penso que, apesar de tudo, é importante trazer à colação a verdadeira história deste campeonato. Fazer uma espécie de "Toda a Verdade" em que todas as vicissitudes caricatas deste campeonato fossem auditadas, desde castigos cirúrgicos, jogadores impedidos de dar seu contributo com promessas de compra, guarda-redes barbudos da Madeira, impunidade disciplinar e técnica, lassidão arbitrária entre outros fenómenos que, conjugados, determinaram a falência dos pontos supracitados. O brilhantismo dos 21 pontos de avanço de Villas Boas a Jesus (que também tem recordes destes) há-de voltar com certeza. O FC Porto é uma equipa visceralmente vencedora e o triunfo magistral dos últimos trinta anos há-de regressar. Apetece-me terminar não com Fernando Pessoa, mas com um verso adaptado às circunstâncias: Alguns dias têm parcas derrotas, mas muito anos terão largas vitórias! Força. FC Porto! Hélder Rodrigues Aos leitores do Dia de Clássico um abraço e sei que vou andar por aí! A verdade é para ser escrita!

08
Abr15

As Vicissitudes Gástricas do Negócio

helderrod

Agora já percebi tudo. O BMW Marçal ficou na garagem da Luz! O Manuel Machado esteve bem na conferência de imprensa do Estádio da Luz. Foi aquilo que podemos designar por ironia metafórica. Mas como dizia o outro "a ironia é tão fina que por vezes nem se vê". Porém, hoje fez-se luz na Luz!!!!!! Hélder Rodrigues

07
Abr15

A " Manita " itxaropena eta sinesmen osoa

helderrod

Cinco golos sem resposta foram a reacção mais desejada após uma semana insular terrível. O cenário dantesco tipo wishful thinking da maioria dos opinadores que já fazem questões com valor acrescentado sobre a eventual saída de Lopetegui parece ter amenizado. Na verdade, esta vitória deveria ter sido inteiramente dedicada ao treinador Basco, que sentiu na pele o que é ser treinador à Porto e do Porto. Foi uma semana em que o desrespeito evidenciado pela miríade dos pareceres nos diferentes canais de informação ganhou uma proporção inaceitável. Desde um"comediante" a um "Basco que veio por aí abaixo", a um "espanhol que chega aí e pensa que eram tudo favas contadas", entre outras enormidades pedia-se um grito de revolta. Aí esta ele. O FC Porto não desarma e igualando a golaverage, estando a dois golos da centena prova-se a resiliência e força portistas. É com esta abnegação com que todos esses que sofrem podem contar. Para além da gloriosa epopeia que nos traz nos Picos da Europa, o grande Porto está aí para bater o pé. Assim, nos Arcos procuraremos fazer o contrário do nosso rival. É que ao contrário do que se esqueceu nesta semana o SLB perdeu em Vila do Conde. Também esteve a ganhar como o Porto na Madeira e depois também perderam 2-1 como o Porto na Madeira. Mas isso parece ter-se esfumado para não desanimar a onda vermelha, mas houve quem se lembrasse aos 74 minutos com claros assobios de insegurança. Posto isto, Lopetegui! Esta manita é para ti! Força! O FC Porto está contigo! 

Hori esanda, Lopetegui ! Manita hau zuretzat da! Force ! Porto zurekin da !

Hélder Rodrigues
11
Mar15

VIER de final nos Picos da Europa

helderrod
Solidarität, überwältigend , brillant, großartig! Solidária, esmagadora, brilhante, soberba foram os QUATRO adjectivos que escolhi para ajudarem a qualificar o orgulho que senti hoje ao ver o meu FC Porto a evoluir no Estádio do Dragão.
Talvez equiparada ao Porto-Lázio nas Antas, a exibição nesta noite de gala no Dragão foi sublime.
Num futebol dinâmico e envolvente, a equipa portista traduziu em atitude a confirmação que lhe é dada nas palavras por esse mundo fora.
É nesse mundo fora, mais especificamente na Europa do futebol que nós (FC PORTO) confirmamos a sua qualidade indubitável. O seu prestígio tantas vezes menorizado ridiculamente no nosso país eleva-se além fronteiras. O Porto é inequivocamente o melhor clube português dos últimos 40 anos, o maior de sempre (reforço).
Sinto-me orgulhoso por elevar a voz para o azul e branco e, como tal, FICO ATÉ AO FIM, sempre até ao fim para aplaudir um trabalho fantástico de equipa, porque apesar de Lopetegui ter exaltado os jogadores, este festival tem o seu cunho pessoal. Ele merece um sentido reconhecimento independentemente do que surgir doravante.
Uma palavra para o Dragão de Ouro Danilo que assustou os mais de 43 mil espectadores, mas que seguramente estará já em convalescença. Nesse particular, Lopetegui também poderá dar umas dicas uma vez que ele também já perdeu os sentidos a poetizar sobre futebol e hoje no Dragão não houve apenas futebol, houve poesia que nos eleva ao nosso lugar. Leva-nos aos Picos da Europa entre os oito melhores clubes na presente época.
Parabéns, Grande Porto!

Hélder Rodrigues

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D