Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

02
Out17

Fim da linha

Eduardo Louro

 

 

Em dia de eleições, o Benfica voltou a perder posições na candidatura ao título. Voltou a mostrar que, assim, é um candidato perdedor, sem condições para ganhar.

Depois de um jogo bem conseguido com o Paços de Ferreria, com uma primeira parte muito prometedora - ainda não se tinha visto tão flagrante demonstração de superioridade, a primeira meia hora foi a coisa mais avassaladora que viu num jogo de futebol - o desastre de Basileia voltara a devolver o Benfica às trevas. Não podia ser maior a expectativa para esta deslocação à Madeira, para defrontar o Marítimo, em dia de eleições.

A constituição da equipa alimentava as maiores dúvidas. Ao repetir o onze de Basileia, Rui Vitória ou estava a dizer aos adeptos que tinha ficado satisfeito com o desempenho da equipa humilhada na Suíça, ou a dizer-lhes que é teimoso e que é ele quem manda, ou simplesmente a atirar a toalha ao chão.

Como Rui Vitória não está em condições de se armar em teimoso, nem de demonstrações de força. restam apenas as duas restantes hipóteses. Que vão dar ao mesmo. Dizer que estava satisfeito com o que a equipa de Basileia é assinar a sentença da sua própria morte. Atirar a toalha ao chão é apenas um eufemismo dessa morte...

O jogo confirmou isso mesmo. Rui Vitória não sabe o que fazer, e como não sabe, não faz nada. Deixa andar... Sabe-se que a equipa joga até marcar um golo. Aí chegada, acabou. Não consegue mais continuar no mesmo ritimo à procura do segundo, nem consegue controlar o jogo para lhe definir ritmos. Nem consegue manter o ataque ao adversário, nem consegue mandar no jogo. Perde-se, pura e simplesmente.

E desta vez o golo surgiu no decurso do segundo minuto do jogo... A equipa durou dois minutos. Se isto não é o fim da linha...

14
Abr17

Espero que tenham percebido...

Eduardo Louro

Benfica-Marítimo, 3-0 (resultado final)

 

Luz cheia de luz, de cor - mesmo que só vermelho - e de gente. Estádio cheio, como sempre. Entre os 57.064 espectadores, dois muito especiais: duas debutantes, de 3 e 5 anos. Vibrantes, como toda aquela fantástica moldura humana!

O Benfica entrou a surpreender o Marítimo. O bem sucedido treinador da equipa madeirense tinha afirmado que o Benfica é avassalador nos primeiros quinze a vinte minutos. E que era por isso fundamental apostar tudo nesse período. Que, evitar aí o golo do Benfica, era o primeiro passo para levar pontos da Luz. Talvez por isso, para surpreender o adversário, o Benfica não quis atirar-se para cima da equipa insular, hoje de amarelo, logo que o árbitro apitou. Nem nesse momento nem nos 10 minutos que se lhe seguiram....

Os jogadores do Marítimo devem ter ficado baralhados, pensando que tinham sido enganados pelo treinador. Aquilo não era avalanche nenhuma. Baralhados os jogadores adversários, o Benfica abriu então o livro e deu início, com 10 minutos de atraso, ao prometido assalto avassalador. Que não durou apenas os quinze ou vinte minutos que o treinador Daniel Ramos tinha na estratégia. Foram 35 minutos de sufoco, com as oportunidades de golo a sucederem-se a um ritmo diabólico.

O golo tardou, é certo, mas percebia-se que teria de chegar, mais minuto, menos minuto. Chegou aos 34 minutos, em mais uma fantástica jogada do Rafa, concluída num auto-golo do Luís Martins. Inevitável. Pouco antes, em circunstâncias praticamente iguais, o guarda-redes conseguira o milagre de evitar o golo. E depois, já na segunda parte, só os deuses da fortuna evitaram que mais uma intercepção de uma jogada de golo acabasse na baliza do Charles.

No minuto seguinte Jonas fez o segundo. E dez minutos depois o terceiro!

Podiam ter sido mais, muitos mais, mas o resultado acabou por ficar por aqui. A exibição é que não. Foi muito mais que o resultado, a explicar, especialmente àqueles benfiquistas que na semana passada já se tinham esquecido da exibição com o Porto, que há jogos no campeonato em que não é possível jogar bem. Que a equipa joga à bola, que o futebol de qualidade está lá. Mas há jogos - campos pequenos, jogo eminentemente físico, com ressaltos e mais ressaltos e adversários, como que possuídos, a correrem atrás de tudo o que mexe - em que não é possível mostrá-lo.

A equipa hoje explicou isto muito bem explicadinho. Espero que todos tenham percebido!

Não falei da segunda parte. Mas também não há muito para dizer. Sem repetir aqueles fantástcos 35 minutos, o Benfica controlou um jogo que estava então fácil. O Marítimo pôde respirar, e sem nunca dividir o jogo - nem uma oportunidade para a estatística, que seja -, adiantou-se mais um pouco no campo. E pisou já terrenos que nunca antes pisara. Mas só isso.

Só porque Mitroglou - hoje em dia de desentendimento com o golo, desperdiçou umas cinco oportunidades de golo feito - e Salvio desaproveitaram as oportunidades que o génio de Rafa lhes entregou, é que a segunda parte não repetiu os três da primeira.

Ah... Já me esquecia... Espero também que tenham percebido que o Rafa foi - é - brilhante. E que Lindelof está de volta à sua enorme categoria. E que isso é, nesta altura, muito importante!

E que foi o jogo 100 de Rui Vitória no Benfica. E que faltam cinco. Só cinco finais!

16
Dez16

Ode Marítima

helderrod

Sozinho no Dragão algo deserto nesta noite de Outono. Olho pro lado da relva, olho pro onze inicial. Olho e contenta-me ver, Pequeno, número oito, uma bola entrando. Vem muito tarde na primeira parte, nítido, um golo à sua maneira. Deixa no ar distante atrás de si a orla de mais um penalty por se marcar. Vem jogando bem o Oliver Torres numa grande primeira parte e o Danilo entra com ele.  Aqui, acolá, acorda a vida marítima, erguem-se bandeirolas, avançam foras de jogo mal assinalados. Surgem na segunda parte pequenas reacções de trás dos marítimistas que estavam no Porto. Há uma vaga brisa. Mas a minh'alma está com o que vejo na luta de André Silva e, com o golo que entra apanha o Marega na tabela dos melhores marcadores. Com 745 minutos de folha limpa, com o sentido marítimo desta hora, com a doçura dolorosa que sobe em mim como uma náusea surge o golo dos madeirenses no único remate enquadrado à baliza de Casillas.

E com esta "adaptação" do texto de Álvaro de Campos (Fernando Pessoa) poderia continuar a descrever o jogo desta noite que já vai longa. Foram mais três pontos conquistados num campeonato que se prevê difícil, mas não impossível. São já quinze jogos sem perder e a regularidade vencedora típica do FCP parece estar de regresso.

Uma palavra também para João Carlos Teixeira que trouxe coisas novas ao jogo e, com este toque de bola, há que trazê-lo mais vezes para a competição.

Numa espécie de "boxing day" à moda do Porto, é já na segunda-feira a recepção aos flavienses que acabam de perder o seu treinador para o Braga, apesar de Jorge Simão estar ainda presente no Dragão. Contudo, a máquina não pode parar e importa continuar com esta dinâmica ofensiva e vencedora! 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

Créditos fotográficos de Raurino Monteiro

15556362_10154786041194197_1019954242_o.jpg

03
Dez16

Quando menos se esperava...

Eduardo Louro

Luisão: «Fomos parados de várias maneiras»

 

 O Benfica perdeu, hoje na Madeira. Com o Maítimo, à décima segunda jornada e à entrada de um ciclo de elevado grau de dificuldade que faz deste Dezembro um mês complicado. 

Já não perdia há muito tempo e, embora muitos o desejassem, ninguém pensaria que acontecesse hoje. Porque ainda há duas apenas semanas cilindrara esta equipa do Marítimo, no jogo da Luz, para a Taça, com uma enorme exibição e uma gorda goleada de 6-0. E porque a equipa atravessa - sim, no presente do indicativo - um período de grande consistência, em grande forma, com um  futebol demolidor, com soluções para todos os problemas...

Mas aconteceu, e o Benfica perdeu hoje a invencibilidade no campeonato. E deixou de integrar o restrito grupo de três equipas invictas em toda a Europa: sobram agora o sensacional Leipzig, na Alemanha, e o Real Madrid.

A equipa não entrou bem, é certo. Entrou a perder, com um golo aos 5 minutos, num erro colectivo a que Luisão emprestou a cara. O Benfica reagiu de imediato, e pouco tempo depois já lá estava o seu futebol habitual. Em cima do adversário, asfixiando-o, com o carrossel a funcionar em pleno. Uma única excepção, ali pelo minuto 20, quando o Ederson, com duas defesas consecutivas de grande qualidade, evitou o segundo golo. Foi claramente uma excepção, as oportunidades sucediam-se, como se sucediam as faltas dos impunes jogadores do Marítimo, e era praticamente garantido que o golo do empate chegaria depressa. E que os outros viriam a seguir...

Tardou, mas não muito. O empate chegou à passagem da meia hora, com um remate de Nelson Semedo a sofrer um desvio, sem o qual não daria em golo, na única gota de felicidade que hoje estava reservada para os tri-campeões. Que sairia bem cara!

Ainda se não tinha percebido isso, e apesar de o guarda-redes Gotardi começar a parecer instransponível, a ilimitada confiança na equipa deixava os adeptos convencidos que ao intervalo já o marcador teria dado a cambalhota. Não foi assim, o golo não aparecia mesmo. Mas havia ainda toda a segunda parte...

Logo no arranque a bola saiu da cabeça de Salvio para bater na barra, e não entrar. A partir daí, ou o guarda-redes do Marítimo fazia milagres, ou a bola saía centímetros ao lado. Ou por cima. E pronto, lá se voltou a cumprir a eterna profecia do futebolês: quem não marca, sofre. Na únca vez em que o Marítimo saiu lá de trás, foi a vez do erro ganhar a cara do André Almeida. Por três vezes, o que, convenhamos, é demais: primeiro foi anjinho, e permitiu que um adversário lhe roubasse uma falta (os jogadores do Marítimo mandavam-se permanentemente para o chão, e o árbitro fazia-lhes sempre a vontade); do livre, a bola chegou-lhe, na esquerda e, com uma rosca, devolveu-a para a área, à mercê do remate de um adversário, que resultaria num canto; por fim, no canto, deixou o adversário saltar à vontade para marcar o golo que ditaria a derrota. 

Faltavam 20 minutos, mas nem cinco sobraram para jogar. A partir daí os jogadores do Marítimo não permitiram mais que se jogasse à bola. Sempre no chão, um de cada vez e o guarda-redes nas vezes todas.

    

 

19
Nov16

A Taça merece luxos destes...

Eduardo Louro

Benfica-Marítimo, 6-0

 

A Taça tembém merece este Benfica. A Taça também merece este futebol!

Que fantástica exibição fez o Benfica!

O Marítimo não teve tempo para nada. Entrou como é costume entrarem os adversários do Benfica, com uma ideia de pressionar logo na primeira zona de construção, coisa que, como se sabe, é possível fazer enquanto há pernas e pulmão..Tem esse problema: não é possível fazer durante todo o tempo. Mas tem outro: se a equipa consegue ultrapassar essa zona de pressão fica logo em vantagem, porque os adversários ficaram para trás, e já sem condições de recuperar.

Foi o que aconteceu logo após a bola de saída. O Benfica saiu da pressão que o Marítimo montou, passando pela teia montada como cão por vinha vindimada, e fez logo o primeiro golo. E o Marítimo ficou ali, como quem fica a meio da ponte: sem saber muito bem se devia cumprir o plano de voo que trazia. Percebeu-se que o abandonou, não voltou a pressionar alto e aconchegou-se lá atrás, a ver jogar o Benfica.

E o que viu... E o que vimos... Que jogo!

A primeira parte foi absolutamente espectacular, com um futebol de ataque permanente, com soluções para todos os problemas, em jogadas a um ou dois toques, numa dinâmica verdadeiramente extraordinária. A ponto de, ao intervalo, apenas os números surpreenderem: três golos para tanto futebol era surpreendente. Tão surpreendente como as estatísticas de posse de bola: não dá para acreditar nos 72%  apresentados. Pelo que víramos, não dava para acreditar em tudo o que fosse menos de 90% ...

A segunda parte, meso sem nunca ter baixado do exigível a uma grande exibição, não teve o mesmo nível. Mas teve o mesmo número de golos, que fizeram subir o resultado para a meia dúzia - todos de rara beleza, incluindo o quinto, de penalti -, o maior resultado da época. A condizer com a melhor exibição da temporada. E a deixar excelentes indicações para o que aí vem. Em especial para o que aí vem já na quarta-feira, na Turquia.

 

08
Mai16

À campeão. Para que não haja dúvidas...

Eduardo Louro

Neste tão badalado jogo da Madeira, o Benfica fez questão de demonstrar por que vai ser, com toda a justiça, de novo campeão. Por causa das dúvidas… Nem entrou bem no jogo. A velocidade e a intensidade com que entrou não eram suficientes para agarrar um jogo que não se podia dar ao luxo de não ganhar. Coisa temporária, que rapidamente se resolveu. Pouco a pouco o Benfica soube levar ao jogo tudo aquilo que ele pedia. À meia hora de jogo a equipa já asfixiava o Marítimo, encostado à sua baliza. Já tinha uma bola no ferro, e o árbitro já tinha feito vista grossa a dois lances para penalti, um deles com o cúmulo de um amarelo - decisivo - ao Renato Sanches. Para acabar com o sufoco, o Marítimo começou a deitar mão ao antijogo que se tem visto aos adversários do Benfica, lançando jogadores para o chão, uns atrás dos outros. E contou com a preciosa ajuda do Renato Sanches. Porque a do sucessor do Olegário Benquerença já vinha de trás, do tal penalti não assinalado. A expulsão do miúdo, a sete ou oito minutos do intervalo, colocava ponto final no sufoco do Benfica. Que não na imensa superioridade do Benfica. Nem na crença benfiquista! Com dez, na segunda parte, o Benfica dominou por completo o jogo. Noutro registo, sem sufocos nem asfixias, o Benfica marcou por duas vezes, teve mais uma bola no ferro, e criou mais três ou quatro oportunidades claríssimas de golo. Numa delas o Pizzi cometeu a proeza de acertar no guarda redes deitado no chão… E o tal discípulo de Benquerença deixou ainda passar mais um penalti sobre o Mitroglou. Isto é “à campeão”. Isto é de campeões… Com mala ou sem mala. Com dez ou com onze. Com o campo encharcado – com os jogadores a escorregarem pelo campo encharcado, ao intervalo voltaram abrir as torneiras – ou seco. Contra tudo e todos, esta sensacional equipa do Benfica esteve-se nas tintas para as contrariedades. Foi-se ao jogo e ganhou-o com toda a clareza. E vai certamente ser campeão, tricampeão, 39 anos depois… E vai certamente festejar o 35 no próximo domingo!

25
Jan16

A Lei XIV que não se aplica no Dragão.

helderrod

Serve a presente crónica para esclarecer os seus leitores sobre a lei catorze do futebol. Esta lei não está a ser aplicada convenientemente nos jogos em que o FC Porto intervém. Este facto parece estar a ser subvalorizado, mas já valeu pontos e é importante alertar os intervenientes para uma realidade evidente. A saber: Um pontapé de grande penalidade deve ser assinalado contra a equipa que cometa, dentro da sua própria área de grande penalidade e no momento em que a bola esteja em jogo, uma das dez faltas punidas com pontapé-livre directo. Um golo pode ser marcado directamente dum pontapé de grande penalidade. Um tempo suplementar deve ser concedido para que o pontapé de grande penalidade deva ser executado no final de cada uma das partes do tempo regulamentar ou no final de cada uma das partes do prolongamento. Posição da bola e dos jogadores A bola: · É colocada sobre a marca do pontapé de grande penalidade · O jogador executante do pontapé de grande penalidade deve: · Estar claramente identificado O guarda-redes da equipa defensora deve: · Colocar-se sobre a linha de baliza, frente ao executante, entre os postes da baliza, até ao momento em que a bola seja chutada

Os restantes jogadores devem encontrar-se: Topo · Dentro dos limites do terreno de jogo · Fora da área de grande penalidade · Atrás da marca da grande penalidade · Pelo menos a 9,15 m da marca da grande penalidade O árbitro · Não deve dar o sinal de execução antes que os jogadores tenham tomado as suas posições conforme a Lei · Decide quando o pontapé de grande penalidade é considerado executado Execução · O executante do pontapé de grande penalidade deve chutar a bola em direcção da baliza · Ele não deve jogar a bola uma segunda vez antes que esta seja tocada por outro jogador · A bola entra em jogo logo que seja pontapeada e se movimente em direcção à baliza adversária

Quando um pontapé de grande penalidade é executado ou repetido durante o tempo regulamentar ou durante o prolongamento previsto no final da primeira parte ou no final do jogo para permitir a sua execução, o golo será válido se, antes de passar entre os postes da baliza e por baixo da barra transversal: · A bola tocar num ou noutro, ou nos dois postes e/ou na barra transversal e/ou no guarda-redes Infracções/Sanções Topo Se o árbitro deu o sinal para a execução do pontapé de grande penalidade e que, antes de a bola estar em jogo, aconteçam as seguintes situações: O jogador executante do pontapé de grande penalidade infringe as Leis do Jogo: · O árbitro deixa executar o pontapé · Se a bola entra na baliza, o pontapé de grande penalidade será repetido · Se a bola não entra na baliza, o pontapé de grande penalidade não será repetido O guarda-redes transgride as leis do jogo: · O árbitro deixa executar o pontapé

· Se a bola entra na baliza, o golo deve ser validado · Se a bola não entra na baliza, o pontapé de grande penalidade deve ser repetido Um colega do executante penetra na área de grande penalidade, vai colocar-se à frente da marca de grande penalidade ou se aproxima a menos de 9,15 m da bola: · O árbitro deixa executar o pontapé · Se a bola entra na baliza, o pontapé de grande penalidade será repetido · Se a bola não entra na baliza, o pontapé de grande penalidade não será repetido · Se a bola, após ressaltar no guarda-redes, num dos postes ou na barra transversal for tocada por esse jogador, o árbitro interromperá o jogo e mandará recomeçá-lo com um pontapé-livre indirecto a favor da equipa adversária Um colega do guarda-redes penetra na área de grande penalidade, vai colocar-se à frente da marca de grande penalidade ou se aproxima a menos de 9,15 m da bola: · O árbitro deixa executar o pontapé · Se a bola entra na baliza, o golo será validado.

· Se a bola não entra na baliza, o pontapé de grande penalidade será repetido Um ou vários jogadores de cada equipa infringem as leis do jogo: · A execução deve ser repetida Se, depois de efectuado o pontapé de grande penalidade: O executante toca a bola uma segunda vez (mas não com a mão) antes que esta tenha sido tocada por outro jogador: · Um pontapé-livre indirecto será concedido à equipa adversária, que deve ser executado no local em que a falta foi cometida (salvo circunstâncias particulares da Lei 8) O executante toca deliberadamente a bola com as mãos antes que esta tenha sido tocada por outro jogador: · Um pontapé-livre directo será concedido à equipa adversária, que deve ser executado no local em que a falta foi cometida (salvo circunstâncias particulares da Lei 8) A bola, na sua trajectória, entra em contacto com um corpo estranho: · O pontapé de grande penalidade será repetido.

A bola, depois de ter batido no guarda-redes, num poste da baliza ou na barra transversal, ressalta para terreno de jogo, onde tem então contacto com um corpo estranho: · O árbitro interrompe o jogo O jogo recomeça com um lançamento de bola ao solo no local onde se encontrava a bola no momento em que teve contacto com o corpo estranho (salvo circunstâncias particulares da Lei 8) Uma equipa que termine um jogo com um número de jogadores superior ao da equipa adversária terá que reduzir o numero de jogadores até à igualdade e comunicar ao árbitro o nome e o numero de cada jogador excluído do processo. É o capitão da equipa que cabe esta tarefa.. Antes do início da execução dos pontapés da marca de grande penalidade, o árbitro deve certificar-se que no círculo central se encontram o mesmo número de jogadores de ambas as equipas para executarem os pontapés. P.S.: Esta lei aplica-se a TODAS AS EQUIPAS sem excepção estejam elas vestidas de branco, castanho, sejam elas treinadas por bascos, portugueses ou italianos! Determine-se e mande-se publicar. Força, Porto!!!!

Hélder Rodrigues>

06
Jan16

À meia dúzia

Eduardo Louro

 

Chegou a assobiar-se na Luz. Ainda a primeira parte não ia a meio, e já a plateia benfiquista assobiava aquele jogo pastoso, sem velocidade e sem chama, que invariavelmente toma conta da equipa. De repente tudo mudou: três golos em apenas seis minutos, obra das duas mais caras contratações de sempre. Finalmente a renderem!

A partir daí o Benfica fez praticamente o que quis de um Marítimo atordoado, que não mais atinou com o jogo. Ficou-se pela meia dúzia, repetindo a maior goleada do campeonato, estabelecida no jogo com o Belenenses, e poderia ter ido muito mais além. Mas, mesmo assim, e ao fim e ao cabo, o resultado é ainda melhor que a exibição. Posso até estar a ser injusto mas, a mim, não me deslumbrou.

E não gostei mesmo nada do individualismo que na parte final do jogo se apossou dos jogadores. Com tudo a correr pelo melhor, o melhor seria mesmo que os jogadores conseguissem afinar a dinâmica colectiva da equipa, longe de navegar nas melhores águas.

Parece que em Setúbal também houve quem experimentasse a meia dúzia. Espero que não lhe tomem o gosto. Isso é mais andança de Ferrari!

 

29
Dez15

Carta com Aviso de Recepção!

helderrod

EXMOS SRS.,                                                                                             Espero que esta missiva vos encontre mais serenos e construtivos. É com toda a legitimidade que se vos atribui a soberania e o direito à indignação. Todavia, já considero pouco legítimo estar a assistir a um jogo num lugar que pago anualmente e ter que estar a levar com adeptos disléxicos (porque trocam muitas sílabas), com vinte minutos de jogo e a muita gente constipada por causa do lencinho. Julgo ter o direito a estar no meu estádio, sem ter que assistir a tanto bota abaixismo. Parece que a táctica do Gouveia resultou. Hoje a maioria dos adeptos conseguiu derrotar a equipa, qual lei de Murphy instituída. Quando ouvi tanto assobio, até pensei que fosse para pedirem o André Silva e os compatriotas! Mas depois reparei que eles já estavam a jogar e a falhar golos e passes. Porém, a culpa é sempre do treinador. Quero endereçar aos Super Dragões e ao Colectivo um abraço solidário de grandeza pela força exemplar e motivacional que plasmaram incessantemente no relvado. Quanto ao resto foi triste um espectáculo pimba: uns gritavam olés aos jogadores do PORTO, outros celebravam os golos do Marítimo, acenando lencinhos como se estivessem a dar vivas ao Papa em 1982 na Avenida dos Aliados...Lamentável! Foi uma paupérrima exibição, mas não devemos individualizar as responsabilidades. Os jogadores que tanto queriam ver nesta competição menor não têm ritmo de jogo, falharam muitos golos e foram traídos na transição dos madeirenses... Foi assim a Taça dos Correios: Uns espumam-se passeando a "qualidade" nesta competição (até porque já zarparam da Taça de Portugal); outros abanam lencinhos (triste moda esta copiada dos estádios espanhóis na década de 90); outros vão com as fraldas encharcadas para casa... Um Feliz Ano Novo para todos, exceptuando-se aqui os votos de sucessos desportivos para os portistas! Atentamente, Hélder Rodrigues Indarra, FC Porto! Até Sábado!!!!

Votos dos meus sinceros PARABÉNS ao Presidente Jorge Nuno Pinto da Costa, cujas alegrias que já me atribuiu nas minhas 37 Primaveras servem para calar para a eternidade quaisquer laivos de loucura e assobio!

22
Ago15

Hipnose Insular

helderrod

As idas do FC Porto à Madeira têm sido bastante atribuladas. Há ali qualquer coisa sobrenatural de índole exógena que condiciona o desempenho da equipa portista na ilha. A presença de muitos adeptos benfiquistas mesclados com puros maritimístas não pode nem deve ser factor de desconcentração. O que é facto é que o FC Porto entrou a perder num lance infeliz de Cissokho e só depois de muito esforço é que conseguiu o empate. 

No segunda metade, o FCP mexeu cedo e mexeu bem mas lá surgiu de novo aquela espécie de hipnose insular que bloqueou a veia goleadora de Aboubakar que teve tudo para marcar e fazer a reviravolta.

Para além de tudo isso, ainda se associou o azar, uma vez que 3/4 da bola estiveram dentro da baliza. Faltou provavelmente 1/4 de colinho a Maxi para trazer três pontos para o Dragão.

Não obstante estes factores, este jogo só vem provar que a competividade deste campeonato desencadeia-se não raras vezes nas deslocações forasteiras dos grandes. 

Como tal, o factor casa é fundamental para estas equipas de segundo plano. Assim é de lamentar que, após os empates de Sporting e FCPorto, o SLB se veja livre de se deslocar a um terreno claramente difícil lá para os lados curvos de Arouca e possa jogar num Estádio que lhe é claramente favorável permitindo que possa aquistar dois pontos de vantagem ante os seus rivais mais directos.

Esta situação parece-me injusta e desigual. Das duas uma. Ou o Arouca assume que vai jogar todos os jogos em Aveiro, pondo todas as equipas em pé de igualdade, ou então que abdique de jogar na Liga Principal por falta de condições financeiras. A par da questão dos jogadores emprestados (que já está bem resolvida) é importante reflectir sobre a equidade destas manobras de diversão de encaixes financeiros promotores de inverdade desportiva. Lamento o silêncio da generalidade dos órgãos de comunicação social que não promovem reflexões sérias sobre esta incongruência.

Hoje, por exemplo, JJ fica a perceber a diferença entre quem empurra na Luz e quem empurra noutro estádio qualquer. Na semana passada, o Luisão faz uma falta bem mais evidente do que João Pereira e não viu marcada a grande penalidade. Percebes agora a diferença, Jesus? Quando não andas ao colo sujeitas-te como os outros.

Importa reiterar o silêncio sobre a inexistência de quaisquer movimentações que visem a responsabilização de telefonemas suspeitos de Vítor Pereira ao árbitro Marco Ferreira. Aí é que reside a verdadeira espionagem. Trata-se da hipnose acicatada pelo futebol.

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D