Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

05
Nov13

Minuto 13

Eduardo Louro

 

 

A equipa do Benfica realizou finalmente uma exibição condizente com a responsabilidade que tem. Um jogo tremendo, este que a equipa fez hoje em Atenas…

Confesso que estava à espera que a equipa ressuscitasse hoje, mas não esperava tanto. Antes do jogo confidenciara a alguns amigos isso mesmo, que esperava que os jogadores finalmente se lembrassem que para dar o salto precisavam de se mostrar, e que melhor montra não há. Lembrava-me especialmente de Garay, Matic e Gaitan, não esperava que todos tivessem decidido que estava chegada a hora, e muito menos que fossem Sílvio e Rúben Amorim a dar o mote.

Quando ao minuto 13 – que não foi de azar, foi de incompetência –, num canto que resultou da primeira vez que a equipa grega passou da linha de meio campo, o Olympiakos marcou, pouca gente pensaria que estava feito o resultado final, tal era já a superioridade benfiquista. A equipa grega confirmava o que já tinha mostrado no jogo da Luz – que então foi suficiente para claramente se superiorizar, mas que hoje não deu para mais que ir mascarando a enorme diferença de valor entre as duas equipas – pressionando sempre que podia, revelando uma boa organização defensiva e evidenciando os dotes estratégicos do seu treinador, bem salientes na utilização de Saviola, o responsável pelos bocados de bom futebol da equipa na primeira parte.

Mas, não obstante o Benfica continuar a jogar a grande nível e a criar oportunidades de golo sucessivas, o resultado estava realmente feito. Por algum azar, por, aqui ou ali, alguma incompetência na finalização mas, acima de tudo, porque o Roberto cobrou com juros altíssimos – não estivéssemos na Grécia – a oferta que deixara na Luz. Tornou-se, uma vez mais mas agora pela positiva, no grande carrasco do Benfica e - tudo aponta para isso – no grande herói do apuramento da equipa grega, garantindo a vitória de hoje depois de já ter garantido a de Bruxelas.

Para o Benfica, no mais que provável adeus à Champions, fica uma qualidade que se espera tenha vindo para ficar. Talvez assim possamos esquecer mais depressa as bolas paradas, defensivas e ofensivas – conhecendo as vulnerabilidades de Roberto ninguém percebe que os cantos, e tantos foram, não tenham saído tensos para cima da baliza, sempre com alguém encostado ao guarda-redes espanhol – as lesões musculares, ou até o certificado de incompetência que o Saviola hoje passou a Jorge Jesus.

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D