Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

14
Jan16

Se é para sofrer pelo Porto, vou já, mor!!!!!

helderrod

E assim se deu mais um passo nesta que é a prova rainha. Com menos mediatismo e espalhafato por razões óbvias, atinentes às ausências dos clubes da capital, hoje houve taça no Bessa. O Boavista e o senhor árbitro quiseram vender cara a derrota. Na verdade, ambas as equipas que jogaram contra o Porto nesta noite foram bastante competitivas. Cada uma delas sabia muito bem o que fazer, a saber: enquanto uns distribuíam molho, os outros deixavam passar a cacetada. Com uma impressionante dualidade de critérios o senhor árbitro permitiu imensas acções violentas dos jogadores axadrezados, enquanto que, quando o pachorrento Imbula meteu o pé, viu a sua paupérrima exibição ser premiada com vermelho directo? Vermelho directo, insisto! Esta ideia de que os pequenos são sempre prejudicados cai por terra. Há muitas situações nos últimos tempos que têm passado pelos pingos da chuva, sendo o caso mais flagrante a vergonhosa exibição da equipa de arbitragem no jogo Porto-Rio Ave que permitiu que passassem impunes pelo menos duas grandes penalidades favoráveis ao Porto. Este facto permitiu a perda de pontos que poderão ser muito importantes para o desfecho do campeonato. Tudo isso passa incólume nos programas de diversão desportiva de domingo e segundas à noite. Aliás, o Manuel Serrão que tanto criticou Lopetegui, não tem lugar nem na Benfica TV quanto mais na TVI. É um flopserrão que deixa passar tudo. Nem sequer teve a dignidade de trazer à colação um penalty existente em Alvalade aos 15 minutos (já depois do de Corona), quando Adrian dá mão na área após um remate de Brahimi. Convido-os a ver esse lance que nem sequer mereceu destaque nos jornais e programas televisivos, mas agora há uma linha que separa a cultura da ignorância com a possibilidade de rebobinar factos. Mas voltando ao jogo jogado. O Porto desta noite esteve um bocadinho aquém e, apesar das bolas no ferro, a equipa precisa de fazer mais e melhor na cidade berço. Com um Helton brilhante que foi capaz de se redimir de um erro clamoroso, defendendo um penalty, a equipa foi capaz de regressar às meias finais da competição, sem recorrer a horas extra pouco adequadas para um jogo à noite. Venha de lá esse galo! Finalmente, uma palavra para Julen Lopetegui cujo foi capaz de se despedir com elevação dos adeptos portistas e de todos os seus colaboradores. Caiu por terra a alegação instrumentalizada dos pasquins propagandísticos que falavam em renitência quanto ao encerramento do acordo. Foi uma saída com nível! Parabéns ao FCP e, se for para sofrer por ti, vou já, mor! Hélder Rodrigues

10
Jan16

Barros Kasparov VS Jorge Sousa: o de Jesus!

helderrod

Consumada que está a saída de Julen Lopetegui, há que virar página e crer na mudança. Se, para uns "quem muda Deus ajuda"; para outros que perdem ao intervalo muda o Jorge ajudando o Jesus. Tudo espiritual, portanto. Na verdade, o FC Porto que se apresentou no tumultuoso Estádio do Bessa esteve mais pragmático do que o costume. Não foi um golpe de Midas do grande Rui Barros, mas um ajustamento que Luís Freitas Lobo soube ler de forma superior na transmissão do jogo, designadamente no facto de não se obrigar, nem André, nem Herrera a ter que vir construir jogo atrás. Este facto, permitiu que Danilo fizesse lembrar um pouco o Fernando que varria tudo (na boa acepção da palavra) à frente da defesa. Este pormenor permitiu ao FC Porto chegar à área com muito mais jogadores do que o costume. Chapeaux para Barros que soube montar com perícia o seu xadrez na noite chuvosa de Janeiro. Mas o futebol é isto. Enquanto no Dragão não se marcam penalties favoráveis ao visitado, já em Guimarães se favorece o visitante e em Alvalade se inventam coisas. Hoje não houve Tonel para resolver. A coisa estava complicada e, com a ajuda do video-árbitro que Bruno de Carvalho tanto apregoa com o seu amiguito Rui Santos, foi possível vislumbrar uma mão além do aquém. E assim se fazem os campeões (relatavam na Antena 1). Sinto-me tentado a concordar. A roubar assim se fazem os campeões da primeira volta. Estou a registar tudo desde o Arouca-Sporting! Por essas e por outras é que alguns saem do Porto sem quaisquer títulos, quando durante uma ano e meio são apenas claramente favorecidos num célebre e repetido até à exaustão penalty da Choupana... Por falar nisso. Já temos jogo na Madeira? Aqui jaz mais um caso a rever no turbulento campeonato nacional! Talvez um coberto não seria má ideia! Que dizes, Machado? Força, Porto! Hélder Rodrigues

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D