Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

13
Jan20

Vírus no futebol português

Dylan

viru.jpgQuando pensas que o futebol português já bateu no fundo surge sempre algo pior do que o anterior. A Liga Portugal, organismo que realiza três competições do futebol português, permitiu que uma equipa com mais de 80% do plantel afectado por um vírus contagioso e que provoca febres altas, arrepios de frio, dores de cabeça, diarreia e vómitos, defronte outra a contar para o campeonato. Não é preciso ser médico como o presidente do Sporting para saber que este problema de saúde resolve-se com repouso e hidratação evitando actividades fisicamente desgastantes. A Liga, contrariamente à credibilidade e à defesa dos seus associados que tanto apregoa, devia ter anulado o jogo à semelhança do que aconteceu com casos em Espanha, mas em vez disso apenas se preocupou em não apanhar o vírus e lavou literalmente as mãos, como Pilatos.

08
Dez18

Crime de Xistra: matou o melhor golo do campeonato!

Eduardo Louro

 

Tarefa complicada para o Benfica, esta noite em Setúbal. O Porto, somando a enésima vitória consecutiva, inVARiavelmente com ajudas das forças de desbloqueio, já tinha ganho e fixado a diferença em 7 pontos. Tal como o Braga que, com a estrelinha que lhe faltara no Dragão, acabara de sair de Tondela já com 4 pontos de avanço. Neste cenário, e com este Vitória cheio de moral na sequência dos bons resultados que atravessa, e cheio de força e querer, como sempre acontece nas equipas de Lito Vidigal (que hoje esteve no Bonfim, mas não viu o jogo, viu outro completamente diferente) as dificuldades só podiam ser muitas.

O inicio do jogo confirmou isso de imediato. A equipa de Vidigal entrou pronta a bater em tudo o que mexesse e vestisse de vermelho. Quando assim é, e o árbitro é Carlos Xistra ... 

Na primeira vez que foi possível jogar futebol o Benfica marcou. Por Jonas, Who else?

Ia o ponteiro já perto dos 20 minutos. Até ao intervalo não foram possíveis muitas mais jogadas de futebol. Antes, o guarda-redes do Vitória - já é outro, não é aquele do golo do Porto - defendeu com a mão fora da área. Não deu em nada, porque o Benfica continua a não saber o que fazer das bolas paradas que, de resto, são já mais perigosas para a equipa que para o adversário, como se viu naquele contra-ataque do Vitória que só foi anulado já dentro da área, por ... Jonas e Zivkovic. Refiro esse lance do guarda-redes do Vitória simplesmente porque, não tendo dado em nada, deu para Carlos Xistra mostrar o primeiro amarelo (e único da primeira parte) a um jogador de Setúbal. Pelo arraial de pancadaria que distribuiram, nem um!

Mesmo assim o Benfica poderia ter chegado ao intervalo com o jogo fechado, em termos de resultado. Zivkovic, com um grande remate ao poste, e Rafa, desperdiçaram ocasiões suficientes para isso.

No regresso para a segunda parte Lito Vidigal reforçou a brigada de choque com um velho conhecido - Rúben Micael. A coisa prometia... Com Carlos Xistra a passar todos os limites, e a cair no domínio do verdadeiramente escandaloso.

A propósito, e já que o Sérgio Conceição ontem voltou a falar do jogo do Bessa, e se lembrou de o comparar com o que o Benfica lá disputara, é agora oportuno lembrar o que foi o jogo do Porto em Setúbal. Lembro-me que o Vitória jogou à bola - e bem melhor que o Porto - e não deu "porrada". Deu foi o golo que decidiu o jogo, num frango indesculpável do seu guarda-redes... Do outro.

Mas a segunda parte não foi só faltas e agressões dos jogadores de Vidigal e provocações de Carlos Xistra. Foi ainda mais uma série de oportunidades de golo desperdiçadas, no que Rafa foi rei. E foi o golo do campeonato, que Xistra decidiu matar, assinalando fora de jogo a Zivkovic no seu próprio meio campo!

Um crime de lesa futebol, apagar deste campeonato um chapéu do meio-campo. Um golo simplesmente irrepetível!

Fecho com uma referência a Rui Vitória. Não tem culpa nenhuma dos golos falhados, nem no que adversários e árbitro tornaram o jogo. Mas o estado emocional dos jogadores continua frágil e é confrangedora a falta de soluções nas bolas paradas. 

Valha-lhe o fato novo. Aquele fatinho cinzento, com aquela gravata de malha às listas grenat, já enjoava...

 

23
Set18

Mentirosos

Eduardo Louro

Imagem relacionada

 

Resultados mentirosos sempre houve, no futebol. Mas este de hoje, em Setúbal, é daqueles que mentem com os dentes todos.

E que também se explica por, de um lado, ter estado um guarda-redes que defendeu tudo e, do outro, um que não defendeu nada. Mas também por (mais) uma arbitragem das antigas, daquelas que não enganam.

Quem não viu, poderá não acreditar. Mas o Porto rematou à baliza duas vezes, e fez dois golos. Na segunda parte, a ganhar por 1-0, estacionou o autocarro à frente de Casillas, que passou o jogo todo a queimar tempo (e só levou amarelo aos 83 minutos) e não teve outro futebol que não fosse pontapé para a frente. Quando defendia o 1-0 com unhas, dentes, e muito anti-jogo, o guarda-redes do Vitória conseguiu deixar entrar na baliza uma bola  rematada de um livre a 40 metros da baliza. 

E quem ouviu o Sérgio Conceição, também não. A culpa foi do relvado e, a arbitragem, que ainda a primeira parte não ia a meio não expulsou o impune Felipe (pontapé por trás no Heriberto, isolado, a entrar na área, direitinho à baliza e com a bola controlada) e, entre outras pequenas coisas, anulou ao Vitória o golo que seria do empate, foi excelente.  

Nem sei quem foi mais mentiroso: se o resultado, se o treinador do Porto.

19
Mar16

Não há Campeões sem Sofrimento

helderrod

Numa vitória pela vantagem mínima em Setúbal, o FC Porto sofreu para não ficar definitivamente feito num choco frito! 

Tratou-se de um jogo disputado e competitivo, mas com clara vantagem para o FCP que continua na luta.

Com as excelentes exibições de Danilo, Chidozie, Herrera e um merecidíssimo golo de Sérgio Oliveira é preciso continuar a acreditar. Talvez se se tivesse acreditado na segunda mão contra o Dortmund, hoje poderíamos ainda estar na luta europeia que é tão proeminente nos azuis e brancos. 

Todavia, o que lá vai, lá vai e perspectivando o futuro esperemos agora que não haja danos colaterais nas idas às selecções e que o FC Porto regresse em grande forma para conquistar mais três pontos! Faltam vinte e um para sermos campeões!

Eu acredito apesar da coisa estar complicada, senão veja-se a impunidade que ocorre na grande área do Benfica (que o diga o Tondela de Lindelof). Se calhar a coisa até estava devidamente salvaguardada, tal foi a abertura da equipa em permitir que o Benfica pudesse jogar numa segunda à noite! Estranho para alguém que pretende permanecer na Liga NOS!

 

 

Força, Porto!

Hélder Rodrigues

 

P.S. Aos que consideraram demasiado sonhadora esta crónica sugiro que pesquisem neste blogue a crónica Há Perigo no Grande Área que foi escrita antes do jogo do minuto 92...

15
Fev15

Tão igual, mas tão diferente...

Eduardo Louro

 

O Benfica voltou a ganhar ao Vitória de Setúbal, repetindo o resultado da última quarta-feira, repetindo o 2-0 ao intervalo e marcando apenas mais um na segunda. E voltando a deixar muitos golos por marcar, voltando a perder a oportunidade de mais uma goleada. E se a da passada quarta-feira era importante para marcar o jogo de hoje, como aqui então se disse, a de hoje era importante para o que falta do campeonato.

Ficam-se por aqui as comparações entre os dois jogos. O de hoje pouco teve realmente a ver com o apurou o Benfica para a sexta final da Taça da Liga. As próprias equipas foram substancialmente diferentes, e se o Benfica se apresentou com seis alterações, o Vitória apresentou-se hoje com oito jogadores diferentes. O Benfica entrou muito bem e jogou muito melhor, atingindo mesmo o brilhantismo em muitos momentos do jogo, em especial na primeira parte. E o Vitória foi ainda mais agressivo do que já fora, confirmando que esta mesma equipa, nas mãos do Bruno Ribeiro, não tem nada a ver com a que Domingos Paciência passeou pelos campos do país na primeira volta. Quem viu lembra-se, por exemplo, do jogo no Dragão…

O Benfica voltou ao modo rolo compressor, com um futebol de vertigem atacante comandado pela competência de passe, ora curto e em tabela, ora longo e a rasgar, de Pizzi – que grande exibição! - e alimentado por alas demolidoras. Na direita com Maxi igual a si próprio, sempre em alta voltagem, e Salvio agora a fazer, sempre e só, bem as coisas. E na esquerda com Eliseu finalmente em doseamento certo e com o Ola John sem medo, sempre a romper por ali fora. Tal como, depois, o miúdo Gonçalo Guedes. Com um único reparo: as simulações não cabem no seu futebol, como o árbitro lhe explicou penalizando-o, e bem, com um amarelo…

E por falar em árbitro – sim, já sabemos que hão-de arranjar sempre maneira descobrir que o Benfica foi beneficiado, mas que na verdade tudo permitiu aos sadinos (a única ocasião de golo do Setúbal foi num vólei com a mão, à vista de toda a gente menos da equipa de arbitragem) e por tudo penalizou os benfiquistas -  alguém me sabe dizer por que é que ultimamente, para o Benfica, só são  nomeados árbitros do Porto?

11
Fev15

Sexta final. Em oito!

Eduardo Louro

 

O Benfica está na final da Taça da Liga. Pela sexta vez, em oito!

Era esperado o Sporting, mas quem apareceu foi o Vitória de Setúbal. Que apareceu bem, entrando bem no jogo. Melhor que a equipa que o Benfica apresentou, naturalmente menos rodada. E com Eliseu a continuar mal, Sílvio com pouco jogo e ainda menos confiança, e com o miúdo Gonçalo Guedes a não perceber que desta vez tinha entrado de início, e que não dispunha apenas dos habituais 3 ou 4 minutos para mostrar serviço.

Já a primeira parte ia a mais de meio quando o Benfica começou a jogar alguma coisa que se visse, e a ficar por cima do jogo. Mas só nos últimos 6 minutos chegaram os dois golos com que terminaria a primeira parte. Ambos de penalti, indiscutíveis. E o primeiro com direito a expulsão: igualmente indiscutível, o defesa do Vitória derrubou o Gonçalo Guedes que, depois de ter dominado a bola no peito, só tinha o guarda-redes pela frente.

Com 2-0  e a jogar contra 10, exigia-se que o Benfica projectasse a segunda parte à luz do jogo do próximo domingo, contra este mesmo adversário. Sabe-se com uma goleada pesa no jogo seguinte, e como pesa ainda mais quando o adversário é exactamente o mesmo. Mas foi o Vitória quem melhor percebeu isso, defendendo o 0-2 como se de um 0-0 se tratasse. 

Com os sadinos fechados lá atrás, com o regresso das bolas á trave - desta vez foram mais duas, uma das quais substituiu o que seria um grande golo do miúdo, que bem o merecia - e com mais um sem número de oportunidades desperdiçadas, o resultado acabou por ficar num 3-0 que não deixa marcas nenhumas para o importantíssimo jogo do próximo domingo.

Mas o objectivo era assegurar mais uma vez a presença na final da Taça da Liga. Festeje-se isso e o regresso de Rúben Amorim!

20
Dez14

O frio e a imPACIÊNCIA

helderrod

E assim termina 2014 no que ao campeonato diz respeito. Num jogo tépido em noite fria, o FC Porto cumpriu e venceu um Setúbal encolhido e recolhido na limitação evidente desta época. Há sextas-feiras em que os Domingos não deviam sair de casa. É que aquelas declarações sobre a arbitragem são no mínimo desenquadradas com os factos e talvez sejam justificadas apenas pela clara dificuldade de Paciência em gerir os parcos recursos da sua equipa. Fica a sensação que este treinador merece outros voos. Aliás, foi claro o condicionamento da possibilidade deste treinador ter sido campeão pelo Braga. Mas isso são túneis que não são para aqui chamados... O que é lamentável são os assobios minoritários e insignificantes, mas suficientes para serem enfatizados pela imprensa e por comentadores que gostam pouco do sucesso azul e branco. Aliás estes assobios também pouco devem à legitimidade. Provavelmente, viram apenas dois golos os emissores do assobio porque vale a pena sair mais cedo do estádio a assobiar para o lado e evitar o trânsito caótico das imediações do Dragão. Para a próxima, fiquem em casa! Assobiem mais alto para o vizinho ou treinem a grafia da graça do nosso treinador. Ou até procurem assistir a um desfile de moda do Manão Sarriel e relembrar os laivos eloquentes dos Machados e dos Oliveiras. Mais vale fazer isso!!!! O ano que agora encerra foi difícil, mas fica aqui a esperança de que 2015 traga o brilho e o triunfo que o melhor clube português merece. Força, Porto!                                                Hélder Rodrigues

12
Set14

Bom tempo em Setúbal

Eduardo Louro

Hat-trick de Talisca na goleada do Benfica em Setúbal

 

O Benfica fez hoje um grande jogo em Setúbal, para onde partimos sempre desconfiados. Entrou bem, com um golão do Salvio, logo aos 10 minutos, e a primeira parte foi mais ou menos isto: cinco oportunidades, cinco remates e três golos... Muito bom futebol... e Talisca!

Talisca que começou por falhar duas oportunidades consecutivas em poucos minutos, a acrescentar dúvidas às dúvidas na aposta de Jorge Jesus, e Talisca a marcar por três vezes, de toda a maneira e feitio, a acabar com todas as dúvidas.

Depois foi a sucessão de oportunidades de golo, com toda a gente à procura do golo para Lima. Que acabou por sair a Ola John, prolongando-se um jejum que, com jogos destes, não preocupa ninguém. Nem o próprio Lima!

Fica uma boa exibição do Benfica, uma goleada das antigas e a estreia de Samaris, bom de bola. Muito forte a sair com bola, se bem que não tenha parecido tão forte do ponto de vista posicional. E também de Cristante, que aproveitou bem os menos de 20 minutos que teve para se mostrar!

O Artur não fez uma única defesa. Tocou na bola quatro ou cinco vezes, sempre em atrasos de bola, que apesar de tudo os colegas lhe continuam a fazer, sempre acompanhados de grande agitação nas bancadas. Bem - sempre não - à medida que os golos iam surgindo na outra baliza essas manifestações foram perdendo fé... A verdade é que em nehuma dessas circunstâncias tentou passar a bola por cima de qualquer adversário...

As núvens negras de Julho e do princípio de Agosto já lá vão. As que agora por aí andam parece que já não são de nossa conta!

21
Dez13

Olhe que não, olhe que não...

Eduardo Louro

 

 

Com uma primeira parte miserável, mas com Oblak na baliza, e com Jesus a insistir nas mesmas aberrantes opções, com Enzo Perez preso à ala direita, quando no melhor plantel dos últimos 30 anos há carradas de alas, e é ele o único - dos que jogam - com condições para transportar jogo pelo meio e de chegar com a bola de uma área à outra, o Benfica lá ganhou em Setúbal o jogo que, antes da recepção ao Porto, não podia deixar de ganhar.

Melhor o resultado que a exibição, como diz o jargão. Muito melhor, porque se na primeira parte a exibição foi miserável na segunda foi pouco mais que isso. É verdade que foi melhor, mas foi pouco melhor. E durante pouco tempo, porque parece que também os jogadores não estão para se maçar muito.

Ao intervalo, o 11º mais caro treinador do mundo, lá corrigiu o erro que mais gosta de cometer e tirou o Fejsa para entrar o Sljmani para a ala, de lá trazendo o Enzo para a faixa central, onde realmente fazia falta, e as coisas lá tiveram a tal pequena melhoria. Lá surgiu o primeiro remate à baliza (51 minutos!), logo a seguir (aos 54) o primeiro golo (Rodrigo), e os melhores 10 minutos do jogo. Quando o segundo golo apareceu (Lima, de penalti – na primeira parte havia ficado outro por assinalar, bem como um jogador do Vitória por expulsar, por pisar o Gaitan, caído, nas costas) já esse melhor período se tinha esgotado!

Para o 11º treinador mais caro do mundo, que tem à sua disposição o 15º mais caro plantel do planeta, não se passou nada disto: o Benfica fez um grande jogo e a deprimente primeira parte faz parte do plano de jogo!

Olhe que não, olhe que não: o Benfica teve mais uma prestação decepcionante, ao nível dos jogos com o Arouca e com o Olhanense, se não mesmo pior. Não sei se o presidente está muito preocupado com isso, porque fala quando deve estar calado – e fala do que não deve, como se viu pelos jornais de ontem – e está calado quando deve falar. Mas nós estamos, e muito!

28
Abr13

ZERO

joaopaulo74

Nem mais!

Isso mesmo - é mesmo o número de grandes penalidades defendidas por Helton nesta liga.

E, podia ser, mas não é - uma questão de sorte ou de azar ou até de competências singulares, quem sabe até de alguma ligação com o Demo.

O Helton ainda não defendeu nenhum porque ainda não foi marcado qualquer penalti contra, o que, entendo agora, está na matriz das queixas do Dínamo da BCI, por via do Bitó, aos árbitros.

Querem ter a possibilidade de vender o Helton por uns milhões e para isso precisam de meter no youtube o tipo a defender um penalti. Estou certo que é só e apenas isso.

E, queria, até por isso destacar a visão do Bitó, que se atirou ao Capela, numa brilhante jogada de antecipação porque não queria perder tempo na conferência de imprensa de ontem - tinha que ir para casa rapidamente, ver a Carolina no BB. Assim, antecipa uma semana as críticas à apitagem e conseguiu chegar a tempo do momento em que ela conta como o Presidente foi avisado para fugir para Espanha.

Dito isto, continua em grande o campeonato Luso.

 

 

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D