Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

Dia de Clássico

Visto da bancada Sul

22
Mai18

A lapa

Dylan

Lapaferrugiena.jpg

A lapa é um molusco que adere de tal forma à rocha que nem a acção do mar a faz desgrudar. No futebol português, existe uma espécie parecida, um presidente de um clube que se fixa ao poder como de uma concha se tratasse. Não se alimenta de algas mas de polémicas e está rodeado de outros caramujos resistentes à ondulação. Os biólogos portugueses chegaram à conclusão que a adesão ao substrato rochoso destes invertebrados não é feito através de secreções químicas mas de remunerações bastante lucrativas, vulgo ordenado, que nem a desincrustação à força resolve!   

18
Mai18

O hooligan português

Dylan

arruaça.png

Só alguém muito distraído pode ficar admirado com o hooliganismo em Alcochete. O perfume do futebol há muito que se tornou irrespirável, já nem é o resultado do colapso geral da autoridade e da ineficácia das diferentes instituições socializadoras, como a família e a escola,  mas o cruzamento do fundamentalismo desportivo cultivado nos gabinetes de comunicação dos clubes de futebol com os comentários feitos em programas televisivos que instigam ódio.  Depois, a falta de cultura desportiva neste país, ondes chefes de família transformam-se em vândalos de fim de semana e em arruaceiros virtuais, onde árbitros são ameaçados, profissionais chamam "boneco" a colegas de profissão, jornalistas que insistem em não despir a camisola, claques "legais" que são piores do que as "ilegais", caciques regionalistas que politizam o futebol  e vencedores que achincalham o rival na hora das vitórias. Quando cresce o número de crimes em recintos desportivos, mesmo no desporto infantil onde se registam agressões entre pais, esperemos que a criação da Autoridade Nacional para a Violência do Desporto desligue o fogão que vai alimentando esta panela de pressão.

12
Mai18

Perdoa-me

Dylan

novobanco.jpg

Veio a público a notícia de que o Millenium BCP e o Novo Banco terão perdoado quase 100 milhões de euros ao Sporting através dos "valores mobiliários obrigatoriamente convertíveis" (VMOC). É de lamentar que bancos como o BCP, que receberam ajudas do Estado, e  instituições como o Novo Banco, sustentado por capitais públicos, continuem a brincar às gestões ruinosas. É vergonhoso assistir à nacionalização e recapitalizações de bancos falidos debitando nas contas dos contribuintes portugueses, é assustador pensar que se algum cidadão falhar o pagamento da prestação da casa, esses mesmos bancos que libertam dívidas de clubes de futebol, accionam a hipoteca, executam e penhoram o imóvel, com prioridade face a todos os outros credores. É imoral continuar a assistir à diminuição do poder de compra dos trabalhadores bancários, a despedimentos colectivos, ao fecho de balcões, à degradação das condições de trabalho, enquanto basta dizer "perdoa-me" para de imediato se extinguir as dívidas de um clube de futebol pré-insolvente! 

05
Abr18

Olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço

Dylan

olhar.jpg

Alguém diga ao treinador do FC Porto para terminar com "este clima de suspeição sobre os jogadores" que tanto o incomoda, tem que dar o exemplo. Num jogo com o Tondela, acusou a  agressividade dos beirões em comparação com a passividade frente ao Benfica. Pode-se também deslocar à Senhora da Hora, no canal do clube, e mandar calar o director de comunicação que lança desconfianças sobre todos os agentes do futebol, acabando por arruinar o próprio negócio. Por outro lado, é ridículo ver o presidente do Sporting sentado na Assembleia da República, na "casa da democracia", quando está farto de atacar a comunicação social, censurando jornais, televisões, rádios, discursando sobre "violência vs valores", quando é o próprio a instigar o ódio, lembrando um incendiário a dar aulas a um bombeiro. Estas personagens são como o ditado: olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço.

06
Jan17

O roto e o nu

Dylan

porto-sporting.jpg

O roto, que em tempos dizia que "só os burros é que falam da arbitragem", insurge-se agora contra os árbitros e as nomeações usando a gasta táctica da vitimação e intimidação. O nu, que ao fim de duas jornadas da Liga rejubilava com os "ventos de mudança", agora também se junta às choradeiras diárias. O roto e o nu são almas gémeas em falência técnica que odeiam o vermelho e se copiam. Disfarçam as suas incompetências desportivas à custa dos árbitros pois investiram tantos milhões para receber tostões. O roto e o nu têm voz na imprensa incendiária, no populismo desportivo grunho, sendo caso para perguntar a toda a esta gente: porque não se vestem com moralidade e bom senso?

20
Dez16

Um clube diferente

Dylan

sporting.jpg

É um clube diferente, com um presidente assalariado e uma equipa técnica paga a peso de ouro. A três meses das eleições para a presidência, os sócios estão anestesiados com vapor e não reagem perante tantos acontecimentos que envergonha o clube. O outrora grande Sporting é gerido por populistas que inflacionam o número de títulos, que copiam o que os outros fazem e têm uma obsessão doentia pelo vermelho. Continuam a jogar à roleta russa, prometendo mundos e fundos, e elas depois "Doyen" que se farta, à espera do afundanço total, na tabela e nas finanças do clube.   

18
Out15

O sósia

Dylan

cromo.jpeg

Liguei a rádio e por momentos pensei que Vale e Azevedo tinha voltado à vida profissional activa, tal era a verborreia, e percebi que era alguém ligado ao futebol pois destilava falsidade e ódio ao clube vizinho. O discurso era arrogante, populista, manipulando o entrevistador e os adeptos do seu emblema. Enjoado de tal piromania, desliguei o aparelho e fui aferir da credibilidade de tão triste figura. Surpreendentemente, tinha tinha sido treinador de crianças em escolas de futebol, mas rapidamente degenerou, pois fez parte de claques de futebol pouco recomendáveis. Actualmente, cria guerras com fundos de investimento, com jogadores, técnicos, sócios, funcionários e comunicação social. Não pude acreditar, tal personagem que se põe em bicos de pés é simplesmente o presidente do Sporting! 

12
Fev15

Irmãos desavindos

Dylan

cosme.png

 

Eu sei que nunca serão os tempos de Cosme Damião e Francisco Stromp, dos irmãos que raramente estavam desavindos, eu sei que talvez nunca haverá homens apaziguadores como Borges Coutinho e João Rocha, mas a atitude do actual presidente do Sporting em cortar relações institucionais com o Benfica é triste e tacanha, tudo porque os encarnados não condenaram as atitudes dos seus adeptos, faixas e cânticos insultuosos aquando de jogos entre as duas equipas. Suponho que para este senhor as faixas verdes têm mais bom gosto, os cânticos e as atitudes dos seus adeptos são mais poéticos e elegantes, isto para alguém que recentemente mostrou a sua classe ao considerar o futebol português como  um "ânus mal cheiroso", que esteve por um triz de despedir o treinador através de uma inédita "justa causa" e que interpôs acções judiciais contra a antiga administração do clube. Persiga-se os hooligans, todos aqueles que destroem o desporto, de norte a sul do país, e outros que vêem de forma encapotada cultivando a semente do ódio.

 
30
Dez13

A Boa Querença do Critério

helderrod

Mas afinal com quem jogou o Sporting? Não deixa de ser ridículo o êxtase e o estado de sublimação da exibição do Sporting frente ao FC Porto. É que na verdade jogou bem, mas não ganhou. E isso é um facto. O Porto até jogou muitas vezes bem na Champions, mas não ganhou e isso é um facto.

Agora, o que me intriga é ouvir os adeptos falar em corruptos à saída do estádio de Alvalade. E esta miserável mentalidade inferioriza a reconhecida evolução no futebol verde e branco.

Contudo, apraz-me dizer que os leões já são os Campeões da Incoerência. Na semana anterior, ficaram loucos com a agressividade do Nacional da Madeira e não se calaram. Já hoje após entradas como a de William Carvalho que merecia vermelho directo e de Adrien o silêncio foi ensurdecedor. Até parece que nada se passou.

Depois, o primeiro amarelo a Carlos Eduardo. Eu não cri que fosse verdade. Mas o pior de tudo foi o critério de Olegário quando depois de ter  empurrado Varela perante o desentendimento com Jefferson teve a lata de dar amarelo apenas ao jogador do Porto, esquecendo a admoestação a Jefferson.

Hoje ninguém fala disso. Hoje só se fala na grande exibição de Fabiano (que esteve muito bem).

Na minha opinião a supremacia do "massacre dos viscondes", prendeu-se com a lesão do Fernando, logo após a substituição de Herrera por Lucho e a expulsão de Carlos Eduardo.

Em suma, os últimos quinze minutos podiam ter outro desfecho.

Mas afinal tratava-se apenas da taça Lucílio Baptista com a boa querença do critério amarelo.

Parabéns ao Presidente!!!!

 

Um Feliz Ano Novo a todos!!!!

 

 

Hélder Rodrigues

09
Mar13

João Rocha

Dylan

O futebol português precisa de um Sporting forte, mas fundamentalmente de homens da craveira de João Rocha. Memórias de um homem que consegui unir os irmãos desavindos da Segunda Circular, que não se submetia a nenhum clube ou alianças duvidosas, que vencia sem arrogância mas com cavalheirismo. Responsável pelo sucesso do ecletismo das modalidades, prestigiou o nome do país e deu ao mundo lendas como Carlos Lopes e Fernando Mamede.

Seguir

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D